Descrição de chapéu
O que a Folha pensa

Mercosul travado

Anacrônico, bloco precisa aproveitar chances de maior abertura e acordo com UE

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Reunião do Mercosul nesta seguda-feira (26); embaixo no telão, à esquerda, o ministro Paulo Guedes
Reunião do Mercosul - Divulgação

Seria difícil imaginar um aniversário mais melancólico para o Mercosul, que acaba de completar 30 anos. Paralisia e troca de acusações dominaram as discussões das últimas semanas sobre os próximos passos do bloco sul-americano.

No encontro de cúpula, realizado no final de março, Luis Lacalle Pou, presidente uruguaio, disse que o Mercosul não pode ser um lastro para seus membros e sugeriu conferir maior liberdade para os países firmarem acordos comerciais separadamente, com espaço para adesões voluntárias dos outros.

Alberto Fernández, da Argentina, sugeriu aos que sentem o peso que desçam do barco e não abriu mão da negociação em bloco. As farpas continuaram na segunda rodada de discussões, em abril, desta vez entre o ministro brasileiro da Economia, Paulo Guedes, e seu congênere argentino.

O bloco está rachado em dois. Alinhado ao Uruguai, o Brasil quer mais flexibilidade e também uma redução de 20% na tarifa externa comum para importados. Argentina e Paraguai resistem a ambas as pautas, embora aceitem desoneração mais modesta e com exceções.

Enquanto isso, o processo de ratificação do acordo de livre-comércio com a União Europeia, o mais ambicioso jamais celebrado pelo bloco, corre riscos, sobretudo em razão de dúvidas e exigências ainda pouco claras do lado europeu na área ambiental.

A paralisia não é nova e reflete os graves problemas econômicos e as orientações de governo distintas entre os países-membros, que dificultam uma agenda comum. É difícil estabelecer um mecanismo funcional que na prática não signifique o fim da tarifa comum (TEC) que baliza a união aduaneira.

O Mercosul se tornou anacrônico e se desviou do objetivo inicial. Em vez de servir de plataforma mais ampla, com poder de barganha, para a integração produtiva com o resto do mundo, converteu-se em espaço protecionista e sucumbiu aos lobbies empresariais e à própria fragilidade econômica dos sócios nas últimas décadas.

Os impasses atuais são reflexo direto dessas inconsistências. Mesmo assim, é preciso avançar. As demandas estão postas e talvez viabilizem um sinal claro de abertura por um acordo célere para redução de tarifas, aproximando-as das praticadas no restante do mundo.

Não se deve, além disso, perder a chance aberta pelo acordo com os europeus, o que seria um marco para dinamizar o Mercosul.

editoriais@grupofolha.com.br

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.