Descrição de chapéu
Alexander W. A. Kellner

O Museu Nacional vive

Monumento não pode servir de centro turístico de veneração à família imperial

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Alexander W. A. Kellner

Diretor do Museu Nacional

Fomos surpreendidos com reportagem da Folha (“Governo quer transformar Museu Nacional em Palácio Imperial e deixar acervo fora”; 27/3) revelando “reuniões” para discutir o futuro do paço de São Cristóvão, que há quase 130 anos é a sede do Museu Nacional da UFRJ.

De acordo com a reportagem, redutos monarquistas em diferentes órgãos do governo, particularmente no Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), querem alienar o palácio da UFRJ, procurando descaracterizar a vocação científica e cultural do monumento para servir de centro turístico de veneração à família imperial.

Todo o procedimento relatado no texto causa espécie, não apenas pela discussão em si, um tanto anacrônica, mas por estar sendo travada com exclusão da UFRJ e do Museu Nacional. É importante frisar que a nossa postura sempre tem sido de total transparência. Recentemente houve reuniões separadas com o Ministério da Educação e com a presidência do Iphan (Brasília), onde foi apresentada a evolução do projeto, com explicitação de apoio dos presentes, o que aumenta o estranhamento do envolvimento dessas instituições no contexto da reportagem.

O Museu Nacional foi fundado em 1818 por D. João 6º, cujo decreto real deixava a sua finalidade bem clara já nas primeiras palavras: “Querendo propagar os conhecimentos e estudos das ciências naturais do Brasil...”. Os imperadores e imperatrizes que se seguiram foram grandes incentivadores da ciência, cultivando no paço de São Cristóvão um museu particular de história natural e antropologia. D. Pedro 2º reuniu em seu “Museu do Imperador” coleções de plantas e minerais herdadas pela Imperatriz Leopoldina, coleções arqueológicas, como peças de Herculano e Pompeia feitas sob os auspícios da imperatriz Teresa Cristina, a múmia egípcia Sha-Amun-Em-Su, entre outros itens.

Após a Proclamação da República, o palácio serviu como local da primeira Constituinte republicana, e, em 1892, recebeu o museu, devido ao interesse institucional pelo “Museu do Imperador”. A proposta foi manter e ampliar o espaço de ciências que ali existia. Em 1946, foi incorporado à UFRJ, o que proporcionou novo desenvolvimento, resultando em um aumento de público para 350 mil visitantes por ano, quando a população brasileira era um terço da atual.

Porém, o contínuo estrangulamento financeiro ao longo de décadas resultou na maior tragédia científica e cultural do país. Por ironia, justamente no ano em que o Museu Nacional completava o seu bicentenário e havia obtido a confirmação de uma dotação de R$ 21,3 milhões do BNDES para diversas melhorias, incluindo segurança.

O dia 2 de setembro de 2018 ficará marcado para sempre na memória. Em face à comoção mundial, dias após o incêndio uma comissão da Unesco chegou ao Brasil para ajudar. A Alemanha, de imediato, concedeu aporte financeiro para o resgate das peças sob os escombros. Ajuda concreta veio também de instituições de Reino Unido, EUA, Portugal e França. Sem contar as cartas de apoio de museus de todo o mundo.

No âmbito do projeto Museu Nacional Vive, que abriga as iniciativas de reconstrução institucional, temos que destacar a fundamental ajuda de MEC, Unesco, deputados federais do Rio de Janeiro, Alerj, SPU-RJ, Instituto Cultural Vale, Bradesco e BNDES, que se mantêm firmes no projeto. Outras parecerias estão a caminho.

Fica claro que o palácio é inseparável do Museu Nacional/UFRJ e faz parte da memória afetiva do povo brasileiro como museu de história natural. Assim, esperamos poder voltar a contar com o Iphan, que até meados do ano passado foi um importante parceiro do museu, atuando com celeridade, sem o véu de ideologias ou tentativas de obstrução. O mesmo vale para o Ministério de Relações Exteriores, que em 2018 se empenhou em auxiliar nas ações com outros países.

Finalizando, cabe ressaltar que o projeto de reconstrução é vencedor e resultará em um espaço de destaque que não se limita apenas ao turismo. É uma oportunidade que temos para ter um museu de história natural e antropologia inovador, sustentável e acessível, que promova a valorização do patrimônio científico e cultural e que, pelo olhar da ciência, convide à reflexão sobre o mundo que nos cerca, ao mesmo tempo em que nos leve a sonhar...

Tudo isso sem perder a sua importante vertente histórica, que nos é tão cara e que será valorizada nas novas exposições da instituição. O Museu Nacional vive!

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.