Descrição de chapéu
Ernesto Haberkorn

O que virá depois da transformação digital

Estamos sobrevivendo a uma crise e saindo dela melhor do que entramos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Ernesto Haberkorn

Empresário, é cofundador da Totvs e fundador do ERPFlex e do Grupo Netas; tem mais de 50 anos de experiência no mercado de tecnologia

Embora tenhamos lembranças ou tenhamos estudado a 2ª Guerra Mundial, entre outras feridas causadas na humanidade (como a gripe espanhola, a varíola, a tuberculose, a cólera e a peste negra), nunca vivemos algo semelhante a esta pandemia ou testemunhamos o exponencial número de pessoas que foram contaminadas fatalmente.

Percebemos, no entanto, que a vida sempre continua e que sempre demonstra que a garra e a persistência, sobretudo quando aliadas à ciência e à tecnologia, são as características mais imbatíveis para enfrentarmos e superarmos qualquer desafio.

É fantástica a velocidade em que foi desenvolvida a vacina para a Covid-19 e, nesse contexto, a forma que a humanidade tem conseguido se adaptar às novas circunstâncias da vida através da tecnologia. Por exemplo, o tsunami de lives, home office, aulas remotas e o “boom” do segmento de delivery feito com os indispensáveis motoboys e outros entregadores são sem dúvidas mais do que uma simples adaptação, mas também uma reação pela sobrevivência.

Diz um ditado popular chinês que tempos difíceis criam pessoas fortes e que pessoas fortes criam tempos fáceis. Ora, não há quem possa dizer que de 2020 para cá não tenhamos vivido tempos difíceis. Em outras palavras, isso quer dizer que os problemas que tivemos nos últimos quase dois anos forçaram os nossos profissionais contemporâneos a desenvolver um corpo de conhecimento que possibilitará que as gerações futuras usufruam de benesses jamais vistas e tenham uma vida mais fácil e segura.

Com tempos fáceis, fica fácil imaginar o futuro das vacinas. Já se lê por aí hipóteses de desenvolvimento de uma vacina universal para o combate de todas as variantes da gripe e do coronavírus. Será? Bem provável.

Porém nesse futuro certamente não haverá mais o delivery de motoboy, mas o “boom” dos drones; e não mais home office e aulas remotas, mas talvez o tsunami do teletransporte.

O ditado chinês ainda tem outra parte. O adágio também diz que tempos fáceis criam pessoas fracas. Será? Bem provável também. Porém quiçá consigamos ensinar as gerações futuras a serem fortes. Sejamos esperançosos!

Na época das primeiras feridas causadas na humanidade —citadas “en passant” no primeiro parágrafo— a tecnologia era muito rudimentar aos nossos olhos contemporâneos. Sem dúvida, a tecnologia de hoje também deverá ser rudimentar aos olhos de quem estiver vivendo, por exemplo, em 2070.

Diante disso, ficam algumas perguntas, ainda sem respostas certeiras: o que será que vem depois da transformação digital? O que vai acontecer com delivery, motoboys, home office e aulas remotas? Teremos mesmo uma humanidade mais fraca? Será que teremos a “inteligência natural” para gerenciarmos essas questões ou precisaremos ser beneficiados por inteligência artificial, internet das coisas e sistemas de gestão com o uso da promissora ciência de dados?

De verdade mesmo, o que fica é que mais uma vez estamos sobrevivendo a uma crise e dela saindo melhor do que entramos; podemos perceber que a vida sempre continua e sempre demonstra que a garra e a persistência, sobretudo quando aliadas à ciência e à tecnologia, são sim as características mais imbatíveis para enfrentarmos e superarmos qualquer desafio.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.