'Mais uma vez o PSDB abdica de seus princípios programáticos', diz leitor

Partidos do centrão devem anunciar apoio à candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência

Eleição

Confirmando-se a aliança do PSDB com o centrão, mais uma vez o partido abdica de seus princípios programáticos, devendo se submeter ao que exigem partidos fisiológicos. Vejo que os princípios pouco importam, o que importa é o poder (“Centrão desiste de Ciro Gomes, apoia Alckmin e dá fôlego eleitoral a tucano”).

Antonio Carlos Ramozzi (São Paulo, SP)

 

A composição denominada centrão, ao que tudo indica, apoiará o pré-candidato tucano na corrida para a Presidência da República. E partidos que compõem a possível aliança estão praticamente assegurando o comando no Congresso. Cabe então uma indagação: teremos a continuação do estilo de governo que temos no momento? Isso certamente é preocupante.

Uriel Villas Boas (Santos, SP)

 

Os candidatos estão aí, as alianças idem, e o eleitor continua boquiaberto com a ausência de novidade. As eleições deste ano devem confirmar que continuamos à mercê de um sistema em que a maioria pobre sustenta a minoria abastada.

Ricardo C. Siqueira (Niterói, RJ)

 

O eleitorado que tem na ponta dos dedos a oportunidade de não eleger Ciro Gomes (PDT) como presidente da República não deve desperdiçar essa oportunidade. Se o Brasil retornou ao neolítico —idade da pedra polida— com os dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva e outro, seguido, de Dilma Rousseff, com Ciro retornaria ao paleolítico —idade da pedra lascada.

Túllio Marco Soares Carvalho, advogado (Belo Horizonte, MG)


Congresso

A colunista Mariliz Pereira Jorge acertou em cheio no seu texto “O Congresso somos nós”. Na verdade, o que mais odiamos nos políticos brasileiros é que eles são a nossa cara, e nós não gostamos dessa cara. 

Geraldo Nunes (Brasília, DF)

 

Brilhante o texto da colunista. É como se existissem eles, no Congresso, e nós. É como se os nossos representantes, aqueles que foram eleitos pela maioria, tivessem vindo ao mundo via geração espontânea, não sendo, portando, fruto desta sociedade. Quem somos afinal? Basta passar algumas horas em redes sociais para constatar qual é a triste realidade.

Anete Araujo Guedes (Belo Horizonte, MG)


Nicarágua

 
O mundo dá voltas: quem diria que Daniel Ortega passaria de líder revolucionário para ditador execrável. Pobre Nicarágua. Seu governo autoritário e repressivo levou o país para o buraco. O Brasil, a OEA (Organização dos Estados Americanos) e a comunidade internacional precisam reagir, não podem aceitar calados as violações e o massacre de civis na Nicarágua.

Renato Khair (São Paulo, SP)


Google

A bilionária multa aplicada pela União Europeia ao Google em defesa da livre concorrência é um exemplo para o mundo (“Google Trends”, de Roberto Dias). Para o Brasil, o país do oligopólio, nem se fala.

Marcos Barbosa (Casa Branca, SP)


Cobrança de bagagem

O executivo John Rodgerson, da Azul, distorceu o assunto da cobrança das bagagens (“Custos em alta anulam desconto da mala, diz presidente da Azul”). Com a cobrança, a ideia era reduzir o valor das passagens, mas a má intenção das aéreas incorporou a mudança como lucro e como sempre arranja-se uma desculpa para justificar o que se antevia. 

Eliton Rosa (Rio de Janeiro, RJ)


Proteção de dados pessoais

O artigo de Claudio W. Abramo é importante. Contudo, ele parece não levar em conta que há outros princípios que norteiam o uso de dados pessoais (“Risco de retrocesso”). Se o nome, por exemplo, permite a identificação do indivíduo, para que a divulgação do CPF, por exemplo? Transparência não é incompatível com privacidade.

Francis Augusto Medeiros-Logeay (Oslo, Noruega)


Médico preso

É no mínimo ridícula a visibilidade dada ao médico “bumbum” (“Doutor bumbum e mãe são presos após morte de paciente no Rio”). E os que morrem em filas dos hospitais públicos? E os que aguardam anos por uma operação de câncer? E os que não encontram remédios nas farmácias populares? E a diminuição da cobertura vacinal? E os planos de saúde que aumentam seus preços acima da inflação?

Raphael Korn, neurologista (Alfenas, MG)


Veto a registro poliafetivo

Fez muito bem a família em se mudar para uma sociedade menos hipócrita e reacionária (“Com 2 homens e uma mulher, ‘trisal’ se muda do país após decisão do CNJ”). Parece que depois de 2016 o nosso país tomou o rumo definitivo do retrocesso. Parabéns a Luiz, Rafael e Kelly. Tenho certeza de que serão muito felizes, buscando distância da hipocrisia.

Paulo Lew (São Paulo, SP)


Lula

Lula tenta voltar ao debate político com argumentos que usaria em palanque: não cometeu nenhum crime, não há provas que justifiquem sua condenação, estando mal-intencionados o juiz que o sentenciou e o tribunal que confirmou e aumentou sua pena. Arrola depois graves problemas que o país enfrenta, sem uma linha sequer sobre a herança petista (“Afaste de mim este cale-se”, de Luiz Inácio Lula da Silva). 

José Dalai Rocha (Belo Horizonte, MG)

 

Melhor presidente que este país já teve. Não se trata de ideologia, é a realidade, são os números. Basta uma pequena pesquisa para que isso se comprove. Lula é, sim, um preso político.

Suzana Argollo (Salvador, BA)

 

Lula conseguiu sintetizar o caos que o governo do PT deixou como herança. Tudo o que diz é consequência do que ele e Dilma fizeram para este país. Chega a ser risível.

Therezinha Lima e Oliveira (São José dos Campos, SP)

 

Sem entrar no mérito do certo ou errado, o fato é que Lula fala e o povo entende. Sua linguagem clara, simples e objetiva é entendida por todos, muito diferente do que se vê por aí.

Ademar G. Feiteiro (São Paulo, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.