Pesquisa Datafolha demonstra grau de incerteza e insegurança imposto ao cidadão, diz leitor

Levantamento aponta que 4 em 10 dizem que Bolsonaro não fez nada de positivo

Datafolha

Excelente pesquisa ("4 em 10 dizem que Bolsonaro não fez nada de positivo, aponta Datafolha"). Demonstra claramente o grau de incerteza e insegurança imposto ao cidadão. Em seis meses, o PIB sofreu quedas catastróficas, as grandes empresas fecham e demitem em massa, não temos representação internacional e viramos piada. Lamentável.

Ubirajara Targino (Cajamar, SP)

O presidente Jair Bolsonaro concede entrevista em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress

Com toda a mídia fazendo campanha diária para o fracasso deste governo e não divulgando as suas realizações, é claro que o resultado da pesquisa não poderia ser diferente. Porém veremos em 2 anos o que o PT não foi capaz de realizar em 14. E só levará esse tempo pois há muito para ser desfeito antes.

Angela Saraiva (Belo Horizonte, MG)

Fica claro que a população não tem a menor ideia do que está acontecendo, nem quem diz que é bom nem quem diz que é ruim. Apontam temas genéricos dos quais não entendem, e uma boa parte não consegue nem apontar nada. Além de falar em "fim da corrupção". É risível.

Agnes Arato (São Carlos, SP)


Governo Bolsonaro

A transparência, tão almejada nos últimos tempos, passou a ser uma coisa ruim ("Para não ser 'pego de calças curtas', Bolsonaro quer embargar dados de desmate"). Não importa se há desmatamento; desde que não seja divulgado, tudo bem.

Fatima Regina Gilioli (Guarulhos, SP)

O PT queria o controle social da mídia. Ele quer o controle presidencial da mídia. É a mesma coisa.Peter Janos Wechsler (São Paulo, SP)

Essa tática do governo é furada. Diz que a metodologia do Inpe é ineficiente e não é segura, mas ele não é específico e fica só no genérico para confundir o povo. O corpo científico do Inpe é reconhecido internacionalmente pela eficiência.

Maria do Carmo Britto (Rio de Janeiro, RJ)

O presidente quer ter conhecimento antes, pois, se necessário, poderá manipular os dados. É positivo que ele comece a se preocupar com o que vão achar do Brasil lá fora.

Arnaldo Nogueira Ferreira (Rio de Janeiro, RJ)


Otimismo

Tendências / Debates
Marcos Lorente

Parabéns ao empresário Abilio Diniz pelo belíssimo artigo "Otimismo e conciliação", no qual relata com precisão que o otimismo existe, ainda que abafado e retraído. Resta à competente equipe econômica do ministro Paulo Guedes e do secretário de desestatização, Salim Mattar, dar o pontapé inicial para que o empresariado tenha de vez a confiança necessária para a imediata geração de empregos.

Caetano Vasconcelos (Pedro Leopoldo, MG)


Esquerda

Samuel Pessôa, em seu artigo "A nova e a velha esquerda", elucida o caminho que a esquerda deveria seguir para contribuir com o Brasil, em vez de permanecer em suas posições cegas e intransigentes e ser apenas do contra. Os tempos mudaram e as condições também. O autoritarismo de esquerda apenas os têm levado à alienação.

Tomas Cunzolo Jr. (São Paulo, SP)


Desigualdade global

Parabéns pela série Desigualdade Global. Os perigos que o populismo e o radicalismos representam atualmente são imensamente maiores que os do fim do século 19. Esta é uma época de paradoxos, principalmente em relação a tecnologias, automação e IA, que empurram humanos para as margens, reduzindo oportunidades e precarizando o trabalho e a dignidade.

Said Ahmed (São Paulo, SP)

Marcha pró brexit percorreu 450 km entre o interior da Inglaterra e o centro de Londres - Lalo de Almeida/Folhapress

Li as primeiras reportagens sobre a desigualdade no mundo e a democracia. Um conteúdo bem fundamentado e didático. Uma bela e necessária iniciativa.

Ricardo Spindola Mariz (Águas Claras, DF)


Jô Soares

Somente a genialidade do Jô Soares poderia produzir o artigo "Carta aberta ao nosso excelentíssimo presidente da República, Jair Bolsonaro" (Tendências / Debates, 22/7). Escrita em "francês" perfeitamente inteligível para quem não conhece a língua, proporciona ao leitor um delicioso momento de humor e inteligência. O receptor deve estar coberto de vergonha.

Americo Utumi (São Paulo, SP)

Jô Soares em sua casa, em São Paulo - Bruno Santos/Folhapress

Chose de loque!

Mery Aidar Bassi (São José dos Campos, SP)

J'ai acordê ave beaucoup de gargalhade por cause du artigue de mon amigue Jô Soares. Une bonne idê du journal Feille de São Paulô de publier ces palavres tante engraçades. En 2022, je vait voter en Jô pour commander cette cirque chamade Brasil.

Alberto Villas (São Paulo, SP)


Bruna Surfistinha

Quanta baboseira ("Bolsonaro tem medo de mulher"). O pior é homens concordando que o homem, atualmente, está em decomposição ou desconstrução. Mulher empoderada não precisa falar que é. E dizer que um filme como "Bruna Surfistinha" mostra o empoderamento de uma mulher é um insulto a todas as mulheres.

Juliana dos Santos Damasceno Andrade (Brasília, DF)

Uma leitura emancipadora. Bons argumentos para construir um novo ser humano.

Geraldeli da Costa Rofino (Juiz de Fora, MG)


Censura

Sobre o editorial "Censura com filtro", achar que o presidente faz uso de manobras diversionistas é superestimar a parca inteligência dele. Por outro lado, penso que a indústria de cinema nacional deve andar com suas próprias pernas. Quem tem competência que se estabeleça.

Nilton Silva (Brasília, DF)


SUS

Sobre "Crise econômica sobrecarrega o SUS em São Paulo e consultas crescem 10%", ressaltamos: 1) Devido ao fim do imposto sindical, muitos sindicatos fecharam ou diminuíram atendimentos em seus ambulatórios e hospitais; 2) Os sindicatos atendiam milhões de trabalhadores e seus familiares, que agora foram direcionados para o SUS, ocasionando aumento de demanda e mais custos para o Estado; 3) O aumento do desemprego resultou em trabalhadores fora dos planos de saúde.

Miguel Torres, presidente da Força Sindical (São Paulo, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.