Bolsonaro se iguala ao pior dos assassinos ao conceder graça a policiais condenados, diz leitor

Entrevista de Gilmar Mendes, Lava Jato e Fernando Haddad foram alvos de comentários de leitores

Graça a policial condenado
Com essa aberração, o presidente Jair Bolsonaro se iguala ao pior dos assassinos (“Bolsonaro avalia conceder indulto individual a policiais condenados”, Cotidiano, 15/9). Não resta dúvida, o Palácio do Planalto está ocupado pela milícia.
Austin Assis Andrade (Campo Mourão, PR)

*
Faz todo o sentido o indulto para aqueles que arriscavam a vida diariamente combatendo o crime e que erraram. A ideia é bem interessante, esperemos que prospere.
Rui Izukawa (São Paulo, SP)


STF, Lava Jato e Moro
É estarrecedora, deprimente e até cômica essa declaração vinda de um ministro do STF (Gilmar Mendes). Primeiro, nem se deveria discutir essa condição, porque o STF tem que julgar desconsiderando popularidade, poder econômico etc. Segundo, o próprio entrevistado fez julgamentos discutíveis e nunca se considerou impedido (“STF teria que fechar se considerasse popularidade de Sergio Moro ao julgá-lo”, Poder, 15/9). 
Otávio de Queiroz (São Paulo, SP)


*
Supremo prepara sequência de julgamentos decisivos para Moro e a Lava Jato” (Poder, 12/9) revela a desmoralização internacional do Judiciário brasileiro devido, sobretudo, aos abusos de Moro e dos procuradores contra Lula. A redemocratização do Brasil será impossível sem que Lula tenha julgamento justo. Enquanto os setores pensantes da sociedade se recusarem a reconhecer isso, o Brasil retrocederá. Injustiça que se faz a um é ameaça que se faz a todos.
Eduardo Guimarães (São Paulo, SP)

*
Escreveu Eros Roberto Grau, ex- ministro do STF, sobre a Lei da Anistia: os juízes não fazem justiça, são servos da lei. Ok, os rumos que o STF toma hoje de jeito nenhum mostram que os juízes são servos da lei. Eles agem de acordo com os interesses daqueles que estão sob seus votos.  
Izabel Avallone (São Paulo, SP)
*
Janio de Freitas (“Lavar a Lava Jato”, Poder, 15/9) nos brindou com análise sobre os abusos da Lava Jato. Mencionou a falta de instituições que controlem abusos de juízes e procuradores. Já a entrevista com Gilmar Mendes aponta para o perigo de juízes e promotores serem enaltecidos como heróis.  Só faltou o ministro assumir que o STF foi omisso e, portanto, responsável pelos abusos da Lava Jato. 
Beatriz Telles (São Paulo, SP)


Veto a Carnaval 
Ridículo, acham que é desrespeitar Jesus (“Câmara de Salvador proíbe Carnaval na Quarta de Cinzas por motivo religioso”, Cotidiano, 12/9). Vereadores e todos políticos cometem tudo contra as leis cristãs e pensam que enganam alguém com medidas tão “maria-mijona”.
Roberto Moreira da Silva (São Paulo, SP)


Incêndio em hospital
Caso alguém tenha imagem do governador Wilson Witzel descendo de um helicóptero em frente ao hospital incendiado, para socorrer vítimas, correndo, socando o ar, apesar das vítimas fatais, comemorando as vidas salvas, mande aí! Pobre rico Rio, rico pobre Brasil (“Vítimas de fogo em hospital no Rio de Janeiro chegam a 11”, Cotidiano, 14/9).
Robson M. Silveira (São Paulo, SP)


Caixa 2 e controle de partidos
As eleições levaram caras novas ao Congresso. No início, pautas foram aprovadas, e os nossos representantes festejaram. Agora, na primeira pauta “importante” do semestre, as alterações na legislação eleitoral, vimos um túnel de aberrações que beneficia os novos-velhos políticos (“Congresso prepara brecha a caixa 2 e afrouxameno do controle de partidos”, Poder, 13/9). 
Arnaldo Vieira da Silva (Aracaju, SE)

*
Pergunto a Paulo Pereira da Silva (“As mudanças na lei eleitoral aprovadas na Câmara dos Deputados são positivas? Sim”, 14/9) se o povo concorda que sejam usados recursos públicos para essa farra dos partidos? Seria melhor aproveitar em saúde e educação. Por que a verba dos partidos não vem dos filiados? 
Mário Benoni Castanheira de Souza (Brasília, DF)


Opinião
Drauzio Varella se superou (“Ideologia de gênero”, Ilustrada, 15/9). Parabéns! Sua crônica foi sensível, inteligente e arrebatadora. Foi enternecedor ler um texto tão bem escrito. Deixou meu domingo mais feliz. 
Rita Abrahão (São Paulo, SP)

*
Parabéns à Folha e, sobretudo, aos autores de dois artigos excepcionais. O de Roberto Mangabeira Unger (“As Forças Armadas e o abandono da Defesa”, Tendências / Debates, 15/9), sobre o abandono da defesa nacional —tema tão abandonado quanto à própria defesa militar do país. E o de Drauzio Varella, sobre a infame invenção da ideologia do gênero, elemento importante do obscurantismo reinante. 
Paulo Nogueira Batista Jr., economista (São Paulo, SP)


Fernando Haddad e a Justiça
Primeiro, condena e, depois, vê (“Juiz fez estimativa falha e sem perícia ao condenar Haddad por caixa dois”, Poder, 13/9). Juízes recebem supersalários e auxílio-tudo para brincarem de realeza. É hora de os juízes sérios fazerem algo ou serão colocados no mesmo saco.
Alexandre Sartori Barbosa (Curitiba, PR)

*
O que acontece no Judiciário é muito grave e pode chegar a cada um de nós. Imagine você ter processo na Justiça e um juiz mau caráter julgar a sua causa, condená-lo por estar ligado a órgãos políticos. 
Rosilene Xavier Mourão (Rio de Janeiro, RJ)
*
Já fui contra a lei que criminaliza o abuso de autoridade, hoje estou convencido de que há necessidade de freios aos que podem decidir sobre o destino alheio, sob pena de o cidadão comum perder totalmente a confiança no Judiciário.
Natanael Batista Leal (Brasília, DF)


Debate
A Sabesp reitera a importância do debate que estimule a participação da sociedade civil na discussão do saneamento, como este do IDS (“Folha e IDS fazem debate sobre tarifa de água e esgoto”, Cotidiano, 12/9). Mas, como parte interessada nos procedimentos regulatórios definidos nas deliberações Arsesp 865 e 866/2019, que definem diretrizes para a revisão da estrutura tarifária, a Sabesp deverá se manifestar no foro indicado e, assim, não participará do debate no dia 24.
Marcel Sanches, superintendente de Assuntos Regulatórios/Sabesp (São Paulo, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.