Estudo dos militares não considerou hipótese de invasão alienígena, ironiza leitor

Para leitor, as ameaças reais ao povo brasileiro são as milícias, o tráfico e a corrupção

Às armas, cidadãos
"Elite militar brasileira vê França como ameaça nos próximos 20 anos" (Mundo, 7/2). O estudo não considerou a hipótese de invasão alienígena nem sequer a intervenção de forças malignas obscuras que possam atravessar algum portal no espaço-tempo. Também não considerou que a engenharia genética possa replicar centenas ou milhares de Bolsonaros mundo afora, provocando uma crise sanitária internacional.
Renata Godoy Jesus (São Paulo, SP)

Emmanuel Macron e Jair Bolsonaro no encontro do G20, em Osaka, em junho de 2019 - Brendan Smialowski - 29.jun.2019/AFP


As únicas ameaças reais ao pobre e indefeso povo brasileiro são as milícias, o tráfico de drogas e a corrupção do poder público, que se misturam num amálgama mais destrutivo que muitas bombas atômicas.
Fernando Fortes (São Paulo, SP)

O cenário mais provável é que em 2040 o Brasil ainda será um país atrasado, ocupando os piores lugares no ranking de desenvolvimento humano. Do ponto de vista militar, será o anão que sempre foi.
João Batista da Silva (Campinas, SP)

0
Charge de Laerte sobre fala de Guedes em relação à mulher do presidente da França, Emmanuel Macron - Folhapress


É como se diz: mente vazia é a oficina do demônio. Eles deveriam botar a mão na massa e continuar o programa de duplicação de rodovias federais. Seriam-nos bem mais úteis.
Igor Rosado (Natal, RN)


Fascismo
Centro de umbanda sendo bombardeado, policial espancando grávida, terras indígenas sendo preparadas para a invasão do poder econômico, o cânone literário brasileiro passando por censura, um presidente que sugere o confinamento daqueles que não concordam com a sua postura... Falta o que para chamarmos isso de fascismo? Falta o que para as pessoas ainda lúcidas deste país começarem a reagir?
Leandro Veiga Dainesi (Lorena, SP)


Sem livros
Ao ler a notícia "Governo de RO manda recolher 'Macunaíma' e mais 42 livros e depois recua" (Cotidiano, 7/2), temos noção da formação ideológica desses governantes. Corremos o risco de não podermos ler mais nada. Como formar um cidadão sem leitura diversificada? Se isso proliferar, livrarias e bibliotecas serão fechadas. Mas que tenham cuidado, pois até a Bíblia será proibida, pois mostra corrupção, estupro, traição, perseguição, assassinatos, roubos, denúncias... 
Maria Inês Boldrin (São Paulo, SP)

Euclides da Cunha [1866-1909], autor de "Os Sertões" - Iconographia


Nada é tão representativo do espírito que reina entre esses corporativistas fanáticos como a censura à parte "A Luta" de "Os Sertões", de Euclides da Cunha. Por que censurar só essa parte? Porque é exatamente na qual o autor critica severamente a forma brutal como o Exército atuou na luta contra o arraial de Canudos. Espírito de corpo extremista combinado com obscurantismo igualmente extremo.
Hernandez Piras Batista (São Paulo, SP)


Investimentos
Desculpem-me os economistas e analistas econômicos. Meus anos e cabelos brancos me aconselham a ter prudência com essas chamadas para sair da segurança da poupança. Historicamente, quando há uma debandada para outro tipo de investimento, sempre vem paulada em cima dos poupadores. Banco nunca perde. Se você ganhou dinheiro suado, recomendo cautela, pois os lobos estão à espreita. Quando o mercado cai, ninguém se salva, somente os lobos e tubarões. Você, poupador, fique atento!
Angelo Scuderi (Sorocaba, SP)


Huck
Luciano Huck ("Mais formaturas, menos funerais", 7/2) usou muitas palavras bonitas. Já fala como verdadeiro político. Promete uma bela árvore, frondosa e frutuosa. Mas onde ela está? E como são as suas raízes? Empresário? De que tipo? Me vêm à cabeça Silvio Santos, Antônio Ermírio, Joeslei, Barão de Mauá... Apresentador? Penso em Datena, Silvio Santos, Ratinho, o homem do sapato branco... Político? Na hora H deu corda para Bolsonaro. Vida privada? Fechou uma praia para deleite privado. São raízes adequadas? Que árvore será essa?
Francisco E. C. Viola (São José dos Campos SP)

O apresentador Luciano Huck, em 2017 - Alan Morici/FramePhoto


Onde estava Huck em 2018? Com a Globo, ajudava a eleger o bolsonarismo, muito mais nefasto do que o suposto capitão. Agora descobriu que o bolsonarismo não serve, envergonha qualquer um com um mínimo de bom senso e civilidade. Então vem com a balela de um novo contrato social para reduzir a desigualdade. Chame a indústria --Fiesp e Skaf à frente-- e veja no que eles cedem; chame os banqueiros e veja no que eles cedem; chame o agronegócio, os funcionários públicos, os militares... Antes de querer inventar moda, precisa ajudar a consertar a barbárie que está aí.
Luiz José de Souza (São Paulo, SP)

Polícia paulista
Em "Doria troca ouvidor da polícia na publicação do balanço anual" do órgão (Cotidiano, 7/2), segundo relato da Folha, a questão da violência policial foi um dos motivos para a demissão. Com o gesto, Doria também procurou mitigar a pressão da bancada da bala no Legislativo contra o então ouvidor Mariano. Diante dos fatos, só uma certeza: os mascates da banalização do mal estão estabelecendo a política pública de segurança do estado. 
Marcelo Pedro de Arruda (São Paulo, SP)

Ouvidor Benedito Mariano
O ex-ouvidor das polícias de SP Benedito Mariano - Rogério Pagnan/Folhapress



Lamentável a decisão autoritária do governador João Doria (PSBD) de demitir o ouvidor da polícia de São Paulo, Benedito Mariano, que fazia excelente trabalho na Ouvidoria. Mais ainda pelo fato de Mariano ter ficado em primeiro lugar na lista tríplice para sua manutenção no cargo. Doria não gosta da democracia nem de direitos humanos. Em seu governo, a letalidade policial só cresceu, assim como a violência policial praticada contra os pobres e negros da periferia. Mais um triste exemplo de como mais de duas décadas de governos tucanos só trouxeram fracasso e desastre para os paulistas.
Renato Khair (São Paulo, SP)

Doria não foi "econômico", foi arbitrário. O ouvidor é exonerado justamente no mês em que serão concluídas as investigações da Polícia Civil que apontam o quanto a operação em Paraisópolis foi desastrada. Nove mortes e não há responsáveis. Seria ridículo se não fosse macabro.
José Fernando Marques (Brasília, DF)

"PM de SP considera lícita a ação em Paraisópolis que terminou com 9 mortos" (Cotidiano, 7/2). Esses seriam condecorados por Moro por terem usado a "violenta emoção".
André Felipe (Macapá, AP)

Não quero nem imaginar o que a PM precisaria ter feito no fatídico baile de Paraisópolis para que o inquérito conduzido pela corregedoria da PM considerasse a ação ilícita.
Luiz Marcelo Zerbini Pereira (Catalão, GO)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​​. ​  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.