Lava Jato sozinha condenou mais que toda a PGR, diz leitor

Leitores criticam proposta de reforma tributária

Lava Jato
Augusto Aras critica a Lava Jato por ela ter mais informações sobre investigados do que todo o restante da Procuradoria-Geral da República. Para mim, isso não é crítica, é elogio, pois significa que a Lava Jato sozinha é mais eficiente e produtiva do que todo o restante da PGR. A Lava Jato sozinha condenou mais corruptos do que toda a PGR.
Renato Maia (Prados, MG)

Reforma tributária
O sistema é ruim, e o ministro está propondo um ainda pior ("Quem tem poder político e econômico no Brasil não paga imposto, diz Guedes", Mercado, 5/8).
Heitor Carvalho (Santo André, SP)

*

Todo mundo sabe que esse governo não irá cobrar dos mais ricos, pois quem ganha acima de R$ 30 mil paga o mesmo plano de saúde de quem ganha R$ 10 mil. O "cuidado" de Guedes em proteger os verdadeiramente ricos —e solteiros, pois também pretende prejudicar quem tem filhos na escola particular— é tão paranoico que ele pretende reduzir somente a alíquota dos ricos —de 27,5% para 25%.
Luís Otoni Queirós dos Santos (Fortaleza, CE)

*

O ministro quer justamente aumentar a carga dos que não têm poder. Diminuir o FGTS e acabar com deduções no IR não beneficia quem paga imposto. E a apresentação da reforma em "movimentos" tem o único propósito de aprovar o arrocho sobre a classe média, com a promessa que os poderosos serão cobrados depois. Mas esse depois fica sempre para depois.
Dirceu Alves da Mota (Natal, RN)

*

Criar essa nova CPMF é maldade ou ignorância ("Chamar imposto digital de CPMF é maldade ou ignorância, diz Guedes", Mercado, 5/8). Em se tratando de quem propõe, acho até que são as duas coisas.
João Pinheiro (São Paulo, SP)

*

As pessoas recorrem a planos de saúde privados porque os serviços do SUS são precários. E muitos se sacrificam para pagar esses planos, que sofrem reajustam frequentes, enquanto os salários estão congelados. Temos que lutar pelo fortalecimento do SUS e da educação. Qual era o programa de Bolsonaro para a saúde? Que o eleitor pense nisso quando for votar.
Marli Moras Garcia (Vitória, ES)


Auxílio emergencial
É um incompetente, que só pensa em si ("'Não dá para continuar muito', diz Bolsonaro sobre prorrogação de auxílio emergencial", Mercado, 5/8). Ele sabia que a crise viria e que ignorar medidas preventivas seria muito pior. Agora tenta pôr a culpa nos outros para enganar a população desesperada e tentar se reeleger. Falo da população desesperada, pois seus fãs eu ignoro.
João Vitor Rodrigues Silva (Brasília, DF)

#Use Amarelo pela Democracia

Remando na lagoa em Ibiraquera, em Imbituba (SC) - Rodrigo Peres

No pôr do sol da lagoa em Ibiraquera, remando pela democracia.
Vera Lúcia L. Damaso (São Paulo, SP)


Volta às aulas
Os governadores e prefeitos de todo o país têm a oportunidade histórica de planejar e organizar o retorno às aulas apenas para 2021. Voltar neste ano, em plena pandemia em alta, terá um efeito devastador nas escolas públicas, que padecem por causa das condições precárias há um bom tempo. Que voltemos quando não existirem mais riscos para estudantes e trabalhadores da educação. As aprendizagens se recuperam, vidas não!
Geraldo dos Santos Júnior, professor da rede municipal (São Paulo, SP)


Líbano
"Líbano ordena prisão domiciliar para autoridades do porto onde ocorreu explosão" (Mundo, 5/8). Um belo exemplo, que deveria ser seguido pela Justiça brasileira. Os presidentes e representantes das empresas em que ocorreram tragédias no Brasil deveriam ter sido presos, não importando se essas empresas são de gestão pública ou privada.
José Maria Silva (São Paulo, SP)


Além da solidariedade material (alimentos, insumos médicos etc.) e espiritual (orações) aos libaneses neste momento, cabe lembrar que nós, aqui em São Paulo e no Brasil, também temos nitrato de amônio armazenado. Chegou a hora de checarmos as condições de armazenamento nesses depósitos para que não ocorra uma tragédia semelhante.
Matias Brum (São Paulo, SP)


Mortes em UTIs
Em referência à reportagem "Em UTI na zona leste de SP, maioria não sobrevive à Covid-19", Saúde, 4/8), de Patrícia Campos Mello e Eduardo Anizelli, a direção do Hospital Municipal Tide Setúbal esclarece que os dados enviados à repórter não foram considerados. A taxa de mortalidade na UTI foi de 61,8% do início da pandemia até o fim de julho e de 23% para os atendimentos gerais. O hospital atua de portas abertas, 24 horas, e recebe, em sua maioria, pacientes em estado avançado da doença, inclusive de outros municípios.
Carlos A. Velucci, diretor-técnico do hospital Tide Setúbal (São Paulo, SP)

Resposta da repórter Patrícia Campos Mello - Velucci disse que a mortalidade na UTI de Covid-19 era de 23,17% --que é na verdade a mortalidade geral do hospital. A Folha questionou o dado, e um funcionário indicado pelo diretor informou que havia nas UTIs 166 mortes e 9 altas (PCR positivo) --ou, incluindo casos suspeitos, 237 mortes e 23 altas (uma mortalidade de 90%). A Folha confirmou os dados na planilha do hospital. O diretor depois mudou sua versão e incluiu duas salas no cálculo, dizendo serem UTIs, mas uma é "enfermaria" e outra "intermediário".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.