Precisou de bolsa ou incentivo público para estudar na faculdade? Conte sua história

O ministro da Economia Paulo Guedes citou caso de filho de porteiro para criticar Fies

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

INTERAÇÃO ENCERRADA

O ministro da Economia Paulo Guedes voltou a criar polêmica nesta quinta-feira (29) ao criticar o Fies, dizendo que o filho de um porteiro teria sido aprovado com nota zero em faculdade privada por meio do programa.

“Houve excessos no Fies. É verídico. O porteiro do meu prédio um dia me falou 'doutor Paulo, meu filho fez vestibular para uma faculdade privada, e olha a carta que recebi’. A carta dizia ‘parabéns, o senhor foi aprovado com média...’ e tinha um espaço. Era uma carta padronizada. E no espaço a média zero. Então claramente houve excessos”, disse.

A declaração foi dada durante a reunião do Conselho de Saúde Suplementar em que o ministro disse que "o chinês inventou o vírus". Ele não sabia que a transmissão estava sendo gravada.

Em entrevista à Folha, Guedes disse que sua fala foi distorcida e buscou esclarecê-la, argumentando que não poderia ser contrário a iniciativas de parcerias com o setor privado na educação por ser um produto desse tipo de política.

“Eu sou de classe média e baixa e a vida inteira recebi bolsa de estudo baseado em performance e desempenho”, afirmou.

E você? Precisou de bolsa de estudos e/ou de incentivo público para levar adiante seus estudos na faculdade? Passou por dificuldades e perrengues? Conte sua história para a Folha.

Envie seu relato para o email enviesuanoticia@grupofolha.com.br até as 22h de segunda (3). O texto precisa ter no máximo 200 palavras e estar no corpo da mensagem (não anexo em forma de PDF ou documento do Word). Não se esqueça de mandar nome completo, idade, profissão e cidade de onde escreve. Publicaremos uma seleção com os melhores depoimentos.

Agradecemos desde já!

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.