Café no Bixiga vira point de defensores de Lula e críticos do governo Temer

Petista antigo, dono não esconde a posição política da clientela e exibe faixas

Géssica Brandino
São Paulo

Quem passa pela rua 13 de maio, a poucos metros da paróquia Nossa Senhora da Achiropita, no Bixiga, em São Paulo, se depara com uma faixa que diz: "Em defesa da democracia e do direito de Lula ser candidato". 

Segismundo Bruno, dono da cafeteria e doceria Sabelucha, no Bixiga, que é frequentada por petistas - Avener Prado/Folhapress

O adereço passou a compor a fachada do café Sabelucha, point de petistas do bairro, graças a seu dono, Segismundo Bruno, 70. 

No início deste mês, o Sabelucha ganhou fama nas redes sociais após um usuário afirmar que a clientela havia sumido. "Pelo contrário: o apoio cresceu", rebate Bruno. 

Com um bottom "Lula Livre", ele limpa as mãos enfarinhadas no jeans ao pausar a produção de tortas para falar com a reportagem. 

Petista antigo, não esconde a posição política da clientela do café, aberto em 1993, em sociedade com a irmã Maria Imaculada, 73. 

Bruno se filiou ao PT em 1982, por influência da Teologia da Libertação, ala progressista da Igreja Católica. Integrou grupos de jovens, depois trabalhou com seguros, mas logo passou a atuar com políticas sociais. 

Foi chefe de gabinete da Cohab na gestão da prefeita Luiza Erundina, então do PT. Conta que foi demitido após desavenças com simpatizantes do partido que o acusavam de ser autoritário. 

Aquele foi seu momento de desilusão com a política, mas não o suficiente para desistir. "A princípio você fica abalado, mas o idealismo é mais forte".

Da rua é possível avistar a bandeira do PT sobre o balcão, decorado com cartazes em apoio a Lula e recortes de jornal com fotos de personagens da Lava Jato, como Eduardo Cunha e Aécio Neves. Ali também estão livros de esquerda e uma camiseta encardida com os dizeres "Fora, Temer golpista". 

"Meu filho já me pediu pra lavar, mas deixo assim pra saberem que está aqui faz tempo", diz. O item está no lugar desde que Temer assumiu o governo, há dois anos.

Sobre a prateleira, há bonecos de Lula, Fidel Castro, Che Guevara e Osama Bin Laden. Questionado sobre a presença da imagem do líder da Al-Qaeda, ele responde rindo: "Ganhei e como a gente não sabe exatamente o que aconteceu, deixei lá". 

Se ainda há olhares enviesados dos que passam em frente ao Sabelucha, aqueles que entraram apoiam e recomendam. 

"É o lugar mais democrático que conheço", diz o fotógrafo Marcos dos Santos, 41, que mora em São Bernardo, mas passa no local sempre que está na cidade: "Agora, vai virar point".

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do informado em versão anterior deste texto, a corrente católica progressista, que tem Leonardo Boff como um de seus precursores, é chamada de Teologia da Libertação, e não Teoria da Libertação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.