Descrição de chapéu Lava Jato

Lula deixou mala para trás e manteve fotos na parede após 580 dias em cela da PF

Desde abril de 2018, prisão teve quarto adaptado, política, entrevistas e até romance

O ex-presidente Lula, em discurso após ser solto, em Curitiba

O ex-presidente Lula, em discurso após ser solto, em Curitiba Rodolfo Buhrer/Reuters

São Paulo

Lula não arrumou as malas. As fotos da família e da namorada ficaram na parede, as roupas pelos cantos. Tudo do jeito que esteve nos últimos 580 dias em que o ex-presidente viveu confinado num quarto adaptado como cela, no quarto andar da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

Um grupo de advogados e petistas se reuniu em sua cela e ele foi informado por um policial que estava livre

No dia 8 de novembro de 2019, o petista desceu pelas escadas de incêndio da parte de trás do prédio da Polícia Federal, uma tática para despistar a imprensa. Não levou nada nas mãos. As coisas que ficaram para trás serão entregues para um assessor durante a semana. 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba - Eduardo Anizelli/Folhapress

Desde o dia 7 de abril de 2018 o endereço do ex-presidente foi um pequeno dormitório de 15 metros quadrados, com banheiro. O local era usado para descanso dos policiais em viagem ao Paraná e foi adaptado para se enquadrar às características de uma sala de estado maior, benefício concedido pelo ex-juiz Sergio Moro em respeito ao fato de Lula ter sido chefe de Estado.

Sua prisão aconteceu após condenação em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex, em Guarujá. Segundo a Lava Jato, o imóvel seria dado a ele como pagamento de propina por contratos da OAS com a Petrobras.

Foram 82 semanas em que Lula, apesar de prisioneiro, fez política partidária, participou ativamente da campanha presidencial de Fernando Haddad (PT), deu entrevistas, prestou depoimentos e teve revelado um romance.

Não faltaram momentos dramáticos. Lula soube na prisão que seu neto Arthur, de apenas sete anos, havia morrido, vítima de uma bactéria que entrou na sua corrente sanguínea. O petista foi autorizado pela juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da sua pena, a sair do cárcere e participar do enterro da criança, em São Bernardo do Campo (SP).

Anteriormente o ex-presidente viveu duas outras perdas sem sair da cela. Carolina Lebbos não permitiu que Lula se despedisse do irmão mais velho, Genival Inácio da Silva, o Vavá, vitimado por um câncer, nem do amigo Sigmaringa Seixas, advogado e ex-deputado petista.

O ex-presidente Lula concede entrevista exclusiva à Folha e ao jornal El País, na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR)
O ex-presidente Lula concede entrevista exclusiva à Folha e ao jornal El País, na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR) - Marlene Bergamo /Folhapresss

Espalhou-se entre petistas que a sequência de desgraças havia deixado Lula em depressão. Quem o acompanhou garante que ele se manteve forte. Estava raivoso, mas não deprimido, disse o advogado Luiz Carlos da Rocha, o Rochinha, que visitava o presidente durante a semana.

Quinze dias após ser preso, o petista ganhou de advogados o livro "A Virtude da Raiva", escrito por Arun Ghandi, neto do pacifista indiano, que trata de ensinamentos de Ghandi para para canalizar a raiva para ações não violentas.

Lula leu a obra, mas a braveza não passou. E tinha um alvo definido: Sergio Moro, atual ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, que quando juiz responsável pela Lava Jato condenou o petista na primeira instância no caso do tríplex. 

O ex-presidente repetiu insistentemente durante todo o tempo preso que foi vítima de perseguição de Moro, a quem acusou de usar seu caso para fazer política. 

Quando o juiz foi escolhido pelo presidente Bolsonaro para comandar a pasta da Justiça, Lula apontava aquilo como uma prova de que o ex-magistrado atuava pensando numa agenda eleitoral. 

Mais tarde, com as revelações de mensagens contendo conversas de Moro com procuradores da Lava Jato, obtidas pelo site The Intercept Brasil por meio de fonte anônima, divulgada pelo site e outros veículos como a Folha, que mostravam que o então juiz supostamente dava orientações à força-tarefa, Lula passou a vociferar que não havia mais motivos para dúvidas sobre a parcialidade do magistrado, que atuaria como um acusador contra ele.

A cela em que Lula vivia tem TV, rádio e uma esteira ergométrica. O ex-presidente fazia caminhadas no aparelho e se exercitava com fitas elásticas, para ativar a musculatura dos braços e pernas. A televisão era o maior passatempo. Via noticiário, assistia a séries e filmes levados por seus advogados em um pendrive e analisava, inclusive, os programas religiosos, por considerar que padres e pastores são atores políticos que ganharam importância maior neste momento do país.

Adaptar um lugar só para Lula, num local afastado dos outros presos, resultou em isolamento. Ele passava cerca de 22 horas por dia sozinho (recebia visitas de uma hora de seus advogados na parte da manhã e outra a tarde). Nos finais de semana não via ninguém além dos carcereiros.

Por isso, a pessoa com quem o ex-presidente mais teve contato na prisão foi o agente federal Jorge Chastalo Filho, chefe dos agentes da Polícia Federal paranaense. Era ele quem abria a cela do ex-presidente às 8h e fechava às 17h.

Quando Lula chegou à prisão, em 7 de abril do ano passado, foi Chastalo quem levou Lula até sua cela. Nesta sexta (8), foi o policial que deu a notícia de que o petista estaria livre. "Alvará assinado", disse o agente. Lula sorriu. Coube a Chastalo escoltar Lula pelos quatro andares de escada de incêndio até a saída do prédio.

Condenado em primeira instância pelo então juiz Sergio Moro no processo do tríplex em Guarujá (SP), em 2017, Lula recorreu e teve a pena fixada no STJ (Superior Tribunal de Justiça) em 8 anos e 10 meses e 20 dias de prisão. 

O caso ainda tem recursos finais pendentes nessa instância antes de ser remetido para o STF. O ex-presidente sempre negou as acusações, de corrupção e lavagem de dinheiro.

O Supremo, porém, pode anular todo o processo sob argumento de que o juiz responsável pela condenação, Sergio Moro, não tinha a imparcialidade necessária para julgar o petista naquela situação. Mas ainda não há data marcada para que esse pedido seja analisado.

Além do caso tríplex, Lula foi condenado em primeira instância a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem no caso do sítio de Atibaia (SP). Essa condenação também pode ser anulada porque a defesa apresentou suas considerações finais no processo no mesmo prazo de réus delatores.

O ex-presidente ainda é réu em outros processos na Justiça Federal em São Paulo, Curitiba e Brasília. Com exceção de um dos casos, relativo à Odebrecht no Paraná, as demais ações não têm perspectiva de serem sentenciadas em breve.

Ao longo desse período de Lula no cárcere, desde abril do ano passado, a defesa manteve uma série de embates com a juíza Carolina Lebbos por questões do dia a dia do cumprimento da pena.

Com a decisão do Supremo, o tempo que presos de maneira provisória, como Lula, já permaneceram na cadeia será descontado do período total da pena caso eles tenham que voltar ao regime fechado após o esgotamento de todos os recursos em última instância.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.