Psicanalistas veem Bolsonaro com atitude paranoica e onipotente diante da pandemia

Para especialistas, presidente demonstra narcisismo e lógica delirante em ações diante do coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro, na manhã deste sábado, no Palácio da Alvorada

O presidente Jair Bolsonaro, na manhã deste sábado, no Palácio da Alvorada Adriano Machado/Reuters

São Paulo

A crise do coronavírus, que já deixou centenas de mortos no país, tornou mais evidente a inconstância e a ambiguidade do comportamento do presidente Jair Bolsonaro no exercício do cargo.

Da decisão de se manter em confronto permanente com variadas forças políticas, mesmo em um momento de comoção social, à arriscada iniciativa de se expor ao contato público apesar do risco de infecção, as atitudes do presidente provocaram o afastamento de antigos aliados e intrigaram inclusive
colaboradores próximos.

A imprevisibilidade das atitudes presidenciais levou parte dos opositores a questionar suas condições para permanecer no cargo —a ex-presidenciável Marina Silva (Rede) disse na sexta (3) que a situação beira a “necessidade de uma urgente interdição clínica”.

A Folha pediu a psicanalistas de diferentes correntes e abordagens profissionais para que comentassem aspectos recentes do comportamento do presidente da República.

Lógica paranoica, messiânica e delirante, demonstrações de fragilidade e onipotência são alguns dos elementos nos discursos de Bolsonaro das últimas semanas identificados pelos especialistas. Eles fizeram a ressalva de que as observações sobre suas declarações e atitudes, feitas à distância, não constituem um diagnóstico profissional.

O presidente Jair Bolsonaro, diante do Planalto, nos protestos de domingo (15)
O presidente Jair Bolsonaro, diante do Planalto, nos protestos de domingo (15) - Sérgio Lima/AFP

Um dos pontos que mais chamam a atenção dos entrevistados pela reportagem é a necessidade de manter posição agressiva recorrente ante adversários e mesmo apoiadores —caso do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a quem Bolsonaro acusou na semana passada de falta de humildade.

Na atual crise, o alvo prioritário escolhido são governadores, que decretaram medidas de restrição à circulação para conter a disseminação da doença.

Para o psicanalista Christian Dunker, professor do Instituto de Psicologia da USP, o bolsonarismo tem na criação de inimigos o mecanismo de seu funcionamento. “A pandemia viola muito fortemente essa lógica. Porque aí é um inimigo que não foi você quem criou, portanto não é você quem manipula”, afirma Dunker.

Ao se dar conta disso, diz o professor, Bolsonaro tentou negar a gravidade do vírus. “A negação é uma atitude psíquica, a mais simples diante do desconhecido”, diz.

Teorias conspiratórias, como a de que existia manipulação da crise para atrapalhar seu governo, são condizentes com o negacionismo. Elas permitem que o poder da narrativa permaneça com o conspirador, como a continuação de uma lógica já conhecida.

Para a professora Miriam Debieux Rosa, da USP e da Rede Interamericana de Psicanálise e Política, Bolsonaro tenta agora transpor para a gestão política sua “lógica de guerra”, de respostas violentas a problemas, que defendia enquanto deputado. O resultado disso são crises incessantes.

“É uma cultura que não admite desaforo. O que o outro diz e que é contra o que eu estava pensando já é considerado uma ameaça.”

Desde a posse, o presidente rompeu com aliados de primeira hora, como o chefe de sua vitoriosa campanha, Gustavo Bebianno, ex-ministro que morreu de infarto em março, e a direção do partido pelo qual foi eleito, o PSL.

O psicanalista e escritor Mário Corso vê nas reações exacerbadas contra os mais variados atores uma consequência de um sentimento de fragilidade.

“Ele se sente inferiorizado e ataca. Sai em ataque de tudo, mas justamente pela fraqueza intelectual dele. Quando não tem argumento, troca de assunto chutando canelas do adversário. Ele não faz discussão nenhuma. Só ataca o adversário porque ele é consciente da sua fragilidade intelectual”, afirma.

Vem daí também, afirmam os psicanalistas, a necessidade de reafirmar sua autoridade com frequência. Na última terça (31), disse a jornalistas: “Não se esqueça que eu sou o presidente”.

Na crise do coronavírus, o presidente, além de minimizar o impacto da pandemia sobre a população, deu mostras de indiferença em relação aos riscos que ele próprio corre diante da doença.

Em pronunciamento em rede nacional no dia 24, disse não estar preocupado com a moléstia por causa de seu “histórico de atleta” —afirmação que não tem nenhum respaldo científico.

Em duas ocasiões ao longo do mês, saiu para conversar e cumprimentar apoiadores em Brasília, mesmo estando no grupo de risco da Covid-19, já que tem 65 anos, e tendo convivido com auxiliares infectados.

Para os especialistas, insuflado por um grupo de apoiadores incondicionais, por uma votação de 57 milhões de votos, em 2018, e rótulos como o do “mito”, o presidente dá indícios de um sentimento de onipotência.

Diariamente, Bolsonaro vai à portaria do Palácio da Alvorada tirar fotos com fãs que vão a Brasília de diversas partes do país. O contato com simpatizantes e as manifestações de apoio costumam ser publicadas em suas redes sociais.

“Pessoas onipotentes se expõem mais. Faz parte de quem tem poder se sentir acima dos mortais, de que as coisas não acontecem com ele. É um predestinado da natureza, não vai pegar doença’”, diz Mário Corso.

Outra das marcas do comportamento do presidente na pandemia foi a defesa da hidroxicloroquina, medicamento ainda em fase experimental no tratamento para a Covid-19.

Desde o início da crise, ele já mandou o Exército produzir mais doses da substância, postou em redes sociais um vídeo falando sobre a “possível cura” e mencionou o medicamento em reunião do G20.

Para Dunker, a insistência tem raízes na formação de um discurso messiânico. “É dele que tem que vir a palavra: ‘A cura está aqui’.”

Sérgio de Castro, diretor-geral da Escola Brasileira de Psicanálise, considera que o presidente busca demonstrar que “não vacila” e não abre “nenhuma brecha para se questionar”. “Isso tudo é perfeitamente articulado com um narcisismo desmedido”, afirma.

Levado ao extremo, esse funcionamento psíquico faz uma pessoa direcionar toda a sua energia para si próprio. O narcisista acaba inapto para reconhecer as necessidades e desejos do outro.

A convicção em seu projeto de poder, afirma Castro, é quase delirante. Análise com a qual Tales Ab’Sáber, professor da Universidade Federal de São Paulo, concorda.

“O delírio é a construção de um campo de sentidos particulares que a relação com outro e com a linguagem não reconhece. Você está em um polo em que a realidade é inteiramente o que você
concebe”, afirma. “Ele cria uma política do eu sozinho contra o seu próprio governo, contra a sociedade, contra o país.”

Para Marcelo Galletti Ferretti, professor da Escola de Administração da FGV (Fundação Getulio Vargas), classificar o presidente como alguém psicopatologicamente acometido, como fazem alguns de seus opositores, é preocupante porque pode desresponsabilizá-lo por suas atitudes, como a de estimular a população a sair de casa em meio a uma pandemia.

“O impulso de colocar na conta da loucura as idiossincrasias dele tira a discussão do campo político para o campo psicopatológico.”

A professora Tânia Coelho dos Santos, do programa de pós-graduação em teoria psicanalítica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, vai em direção diversa da de seus colegas e considera que o presidente tem uma personalidade teatral e histérica, que faz com que possua grande habilidade em conquistar o interesse das pessoas devido à sua espontaneidade. Não o vê tomado de um sentimento de inferioridade.

Para ela, seria quase um “desafio clínico” analisar, ao mesmo tempo, o comportamento encrenqueiro e inábil de Bolsonaro com o histórico de quem montou um bom time de ministros, “com valores bastante raros na cultura política brasileira”.

“Ele é tão colorido em matéria de sentimentos que vai ter raiva, vai ter ressentimento, afeto. Ele é muito muito espontâneo. Não dá para dizer que é um ressentido crônico, de jeito nenhum.”

Psicanalistas e o comportamento de Bolsonaro

Aspectos mencionados por parte dos especialistas acerca de atitudes do presidente

Insegurança
Menções frequentes a seu poder no cargo ecoam uma sensação de inferioridade ao exercer a Presidência

“Não se esqueça que eu sou o presidente" na terça (31), sobre manutenção das recomendações de
isolamento por Mandetta

Onipotência
A ida a uma manifestação a seu favor, no último dia 15, e o passeio por Brasília, no domingo passado, apontam despreocupação com os riscos da Covid-19, o que indica uma sensação de ser inatingível pela moléstia

“Não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar" no dia 20 sobre a possibilidade de ter contraído Covid-19
em viagem aos EUA

Lógica paranoica
A relação de confiança é rara e vinda basicamente da família; mesmo aliados são vistos como adversários em potencial. Fenômenos de fora da política são vistos como meios para prejudicá-lo

“Em 2009, 2010, teve crise semelhante, mas, aqui no Brasil, era o PT que estava no poder e, nos Estados Unidos, eram os Democratas, e a reação não foi nem sequer perto do que está acontecendo" em entrevista sobre o coronavírus no último dia 15

Messianismo
A insistência nas menções ao tratamento com hidroxicloroquina indicam uma tendência a querer ser aquele que vai apresentar a cura para a moléstia

“Graças a Deus, Deus é brasileiro, a cura tá aí" sobre hidroxicloroquina em giro por Brasília, no dia 29.03

Estilo narcísico
A oposição veemente a um movimento global de combate à doença e a recomendações de todas as autoridades de saúde sugere uma valorização exclusiva da própria opinião

“Não é isso tudo que dizem. Até que na China já está praticamente acabando" no dia 16, sobre a Covid-19

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.