Pivô de nova apuração na PF, Flávio Bolsonaro escancara sua ausência do Senado na pandemia

Parlamentares com cargos mais influentes na Casa não se lembram de ter ouvido a voz do filho do presidente

Brasília

Com 39 anos completados em 30 de abril, Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) é um senador de voz desconhecida para a maioria dos seus colegas de mandato no Senado.

Filho de número 01 do presidente Jair Bolsonaro, Flávio está no seu segundo ano de mandato, e, desde que assumiu, nem mesmo os parlamentares com cargos mais influentes na Casa se lembram de, ao menos, ter ouvido a voz do colega.

“Acho que nunca ouvi a voz dele. Nunca conversei com ele. Não que me lembre”, diz a presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Simone Tebet (MDB-MS).

Desde que tomou posse como senador, Flávio não costuma ser presença constante e ativa em plenário, segundo seus colegas.

Flávio é investigado desde janeiro de 2018 sob a suspeita de recolher parte do salário de seus subordinados (prática chamada de “rachadinha”) na Assembleia Legislativa do Rio de 2007 a 2018, quando o filho do presidente era deputado estadual.

Os crimes em apuração são peculato, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e organização criminosa. Para alguns senadores, o filho do presidente aproveitou as sessões virtuais, implementadas pelo Senado desde o último dia 24 de março, para intensificar seu afastamento parlamentar.

Flávio agora também se tornou peça central em outra apuração da Polícia Federal. A corporação vai investigar o relato do empresário Paulo Marinho à Folha sobre suposto vazamento de uma operação da Polícia Federal ao senador. O Ministério Público Federal também instaurou um procedimento para analisar o caso.

Além de apurar o vazamento, a pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) a PF vai ouvir o depoimento de Marinho no inquérito já aberto para investigar, com base em acusações do ex-ministro Sergio Moro (Justiça), se o presidente Bolsonaro tentou interferir indevidamente na corporação.

Na entrevista a Mônica Bergamo, colunista da Folha, o empresário disse que, segundo ouviu do próprio filho do presidente, um delegado da Polícia Federal antecipou a Flávio em outubro de 2018 que a Operação Furna da Onça, então sigilosa, seria realizada.

Os desdobramentos da operação revelaram o esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio e atingiram Fabrício Queiroz, policial militar aposentado amigo de Jair Bolsonaro e ex-assessor de Flavio na Assembleia.

Em mais de um mês de sessões à distância, o senador registrou o voto, mas não fez aparição por vídeo diante dos colegas. “Acho que o problema dele (Flávio) são as denúncias que pesam contra ele”, avalia o senador Esperidião Amin (PP-SC).

José Serra (PSDB-SP), por exemplo, que é conhecido pelos colegas por não ser adepto de participar das reuniões por meio das câmaras, costuma expressar seu voto ao telefone.

Pela primeira vez desde que a sessão virtual foi instituída, no final de março, Flávio manifestou seu voto por telefone na terça-feira (19), pois houve pane no sistema.

Ele foi o único senador a se manifestar contra a proposta de adiar o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) na sessão de terça, quando o texto-base da medida passou por 75 votos a 1. O líder do MDB, Eduardo Braga (AM), também votou contra, mas pediu que seu voto fosse retificado pois teria se enganado. Nesta quarta-feira (20), o Ministério da Educação anunciou o adiamento do exame.

A Folha pediu um posicionamento do senador por meio de sua assessoria, mas não obteve retorno.

“Ele sempre foi um senador de baixa participação em projetos, em plenário, em atuação com os colegas. A sessão virtual só deixou isso mais visível”, diz o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE).

Nos registros do Senado, o último pronunciamento de Bolsonaro em plenário ocorreu no dia 19 de novembro do ano passado.

Na ocasião, Flávio rebateu o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que alegou que haveria uma relação entre o então ministro Sergio Moro e o presidente Bolsonaro antes da eleição geral de 2018 e que o convite ao ministério teria ocorrido antes da eleição.

À época do último pronunciamento público de Flávio no Senado, Moro ainda estava à frente do Ministério da Justiça e se consolidava como o ministro mais bem avaliado no primeiro ano de governo do pai do senador, com apoio popular maior do que o do próprio presidente.

O cenário foi alterado no final de abril, quando Moro deixou o ministério e passou a integrar as fileiras dos desafetos da família Bolsonaro. De fevereiro de 2019, quando assumiu, até a primeira semana de maio de 2020, Flávio Bolsonaro fez nove pronunciamentos em plenário, segundo os registros do Senado.

Destes, além da defesa sobre a indicação de Moro, o ‘01” do presidente fez uma manifestação rotulada de “explicação pessoal”. Na ocasião, rebateu uma crítica feita em pronunciamento do colega Tasso Jereissati (PSDB-CE), que fez críticas a gestão no Palácio do Planalto durante o governo petista.

“É muito trabalho para desfazer! Pode ter certeza de que nós vamos aqui ter vários embates ainda, porque o Governo Bolsonaro vai sanear isso tudo e, muito rapidamente, vamos começar a gerar milhões e milhões de empregos”, disse Bolsonaro.

Nas raras vezes em que falou, o filho do presidente também defendeu o decreto que regulamentou o estatuto do desarmamento. A fala foi em 8 de maio de 2019, em um ‘pela ordem’, após a fala do senador Marcos do Val (Podemos-ES).

“Hoje as atrocidades acontecem porque as pessoas de bem estão desarmadas. Não é passar a segurança pública para a responsabilidade do indivíduo, é para que o próprio indivíduo, caso haja necessidade, caso cumpra os requisitos legais, que são muitos, tenha acesso a um instrumento para se defender em tom de igualdade com aqueles que, hoje, estão portando armas de guerra."

Em relação às preposições, Flávio Bolsonaro fez um encaminhamento neste ano. A proposta prevê que reuniões, como assembleias de condomínio, possam ser realizadas de forma virtual.

O Senado, contudo, aprovou um projeto mais amplo, de autoria do senador Antonio Anastasia (PSD-MG), que prevê que a medida no período de calamidade pública, decretada pela pandemia causada pelo novo coronavírus.

Longe das telas do Senado, o senador eleito pelo Rio tem sido visto em Brasília desde que a Casa implementou as sessões virtuais. O fato de ser filho do presidente já foi, inclusive, usado por Flávio para tentar se aproximar de alguns colegas senadores. Mas ele tem se mantido à sombra das negociações, conduzidas pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

"Ele é respeitoso quando vê os senadores. Não quero ser maldoso, mas é difícil dizer que ele é um parlamentar ativo", avalia o senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR).

Flávio não é visto nem mesmo no WhatsApp pelos seus colegas. O senador não ficou nem um dia no grupo que reúne todos os senadores, e que foi criado pelo senador Irajá (PSD-TO), no começo de abril.

“Eu coloquei o Flávio no grupo, como coloquei todos os senadores. Ai, teve uns embates de ideias no início, coisa normal, e ele resolveu sair. Disse que quem quisesse pudesse procurar ele em separado”, disse Irajá.

Segundo o senador, embora Flávio tenha se disponibilizado em ajudar junto ao governo, ele nunca o procurou para pedir nada. Quem também diz que nunca pediu ajuda a Flávio é o senador Esperidião Amin (PP-SC).

Amin chegou a viajar para a China com Flávio em uma comitiva. “Foi a vez que mais vi ele. Ele sempre foi cordial e respeitável, cumprimentava a todos. Não sei se dá para dizer que é um bom político, porque isso é abrangente demais”. ​

Ministro do Supremo recebe HD com vídeo de reunião

O ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), recebeu da Polícia Federal, na tarde desta segunda (18), um HD externo com o vídeo da reunião ministerial alvo de um inquérito que apura se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir indevidamente na Polícia Federal.

Em nota, o Supremo informou que ele deve começar a assistir à gravação ainda nesta segunda e, até o fim da semana, decidirá se levanta o sigilo —parcial ou total— do registro.

Mello é o relator do inquérito no Supremo.

O vídeo da reunião, ocorrida em 22 de abril, no Palácio do Planalto, é considerado um elemento fundamental para a investigação.

O encontro foi citado pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro, em depoimento à PF, como uma prova da suposta ingerência do presidente.

A defesa de Moro pediu que a íntegra do vídeo fosse divulgada e compusesse o inquérito.

Já a AGU (Advocacia-Geral da União) e a PGR (Procuradoria-Geral da República) defenderam apenas a abertura de alguns trechos da gravação.

Na agenda presidencial, foram tratados diversos temas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.