Em estado grave, dom Pedro Casaldáliga é levado a hospital no interior de SP

Aos 92 anos, o bispo de São Félix do Araguaia (MT) tem problemas respiratórios; religioso é defensor da reforma agrária e dos povos indígenas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O bispo emérito dom Pedro Casaldáliga, da Prelazia de São Félix do Araguaia (MT) foi transferido em estado grave para o hospital da Congregação dos Claretianos em Batatais (SP), a 354 km da capital. Ele foi levado para a cidade do interior de São Paulo nesta terça-feira (4), após uma semana de internação em Mato Grosso.

Aos 92 anos, Casaldáliga tem problemas respiratórios e precisou ser transferido para receber um atendimento mais adequado ao seu estado de saúde. Ele também tem mal de Parkinson.

"O estado de saúde está muito fragiizado", informou a organização Casaldáliga Causas. O teste para Covid-19 deu negativo.

Nascido na Catalunha, Espanha, o religioso chegou ao Brasil com a Congregação dos Claretianos em 1968 como missionário e, em 1971, foi nomeado primeiro bispo da Prelazia de São Félix do Araguaia, uma região marcada pelos conflitos agrários.

Ele nunca mais voltou para a Catalunha e, ao longo dos anos, desenvolveu um trabalho junto aos camponeses, trabalhadores sem terra e povos indígenas no Araguaia.

Defensor da reforma agrária, organizou projetos de assentamentos para pequenos agricultores na região onde vive há cinco décadas.

O bispo é considerado um dos seguidores mais fiéis da Teologia da Libertação, que combina ensinamentos religiosos e luta por justiça social. É um dos fundadores do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) e da CPT (Comissão Pastoral da Terra).

Durante a ditadura militar, teve atuação marcante ao denunciar o trabalho escravo e o descaso com os povos indígenas e os ribeirinhos.

A trajetória de Casaldáliga é contada no filme "Descalço sobre a Terra Vermelha", de 2014, uma coprodução entre o Brasil e a Espanha.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.