Planalto teme Wajngarten na CPI da Covid e considera depoimento imprevisível

Após presidente da Anvisa constranger governo, fala de ex-chefe da Secom prevista para esta quarta é vista com apreensão

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Depois de avaliarem como constrangedoras as falas do presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, na CPI da Covid, integrantes do Palácio do Planalto estão apreensivos com o depoimento do ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten, marcado para esta quarta-feira (12).

Senadores da base governista e auxiliares presidenciais próximos do presidente Jair Bolsonaro avaliam que as respostas que Wajngarten dará na comissão serão uma surpresa e não há como prever o teor das declarações. Há o receio, porém, de que ele culpe o governo pela demora na compra e entrega de vacinas.

O ex-chefe da Secom Fabio Wajngarten
O ex-chefe da Secom Fabio Wajngarten - Pedro Ladeira - 27.abr.2020/Folhapress

A oitiva do ex-secretário ocorre um dia após um depoimento considerado desastroso pelo Planalto. Nesta terça-feira (11), o presidente da Anvisa criticou as falas e ações negacionistas do chefe do Executivo e pediu para que ninguém siga suas orientações.

Barra Torres, que é aliado próximo e amigo do presidente, ainda confirmou a tentativa de alterar, por meio de um decreto presidencial, a bula da hidroxicloroquina, com objetivo de ampliar o seu uso para que pudesse ser usada no tratamento da Covid.

O presidente da Anvisa disse ser contra a indicação da droga, que não tem eficácia comprovada contra o coronavírus.

Interlocutores de Bolsonaro destacaram que as declarações de Barra Torres aumentam a pressão sobre o presidente por ser um aliado próximo discordando publicamente da linha adotada pelo mandatário durante a pandemia.

Eles avaliam ainda que a oitiva dele deve servir para reforçar a imagem de mandatário como um líder que ignorou recomendações técnicas para o enfrentamento do vírus.

Nesta quarta, auxiliares do chefe do Executivo avaliam que ele estará novamente sob pressão na mira da CPI com o depoimento de Wajngarten.

O ex-secretário de Comunicação provocou polêmica recentemente ao afirmar em entrevista à revista Veja que a vacina desenvolvida pela americana Pfizer não foi comprada por incompetência do Ministério da Saúde, durante a gestão do general da ativa Eduardo Pazuello.

Além disso, de maneira deliberada ou não, acabou atraindo a questão para dentro do Palácio do Planalto, ao afirmar que ele próprio participou das tratativas com a empresa. Wajngarten citou também que Bolsonaro participou de ao menos uma reunião em que houve negociação com o laboratório.

CONVOCADOS NA CPI DA COVID

  • Fabio Wajngarten (quarta-feira, 12.05)

  • Presidente da Pfizer no Brasil (quinta-feira, 13.05)

  • Ernesto Araújo (terça-feira, 18.05)

  • ​General Eduardo Pazuello (quarta-feira, 19.05)

Senadores que integram a tropa de choque governista na comissão foram ao Planalto em busca de informações sobre a fala do ex-secretário e orientações de como proceder. Ouviram que o conteúdo do depoimento de Wajngarten é uma incógnita.

Os congressistas também ouviram que Wajngarten é considerado por auxiliares próximos do presidente como um aliado confiável. Por outro lado, há estranhamento pelo distanciamento recente.

Uma das desconfianças é que o ex-secretário de Comunicação teme ser acusado de ter atuado indevidamente durante as negociações com a Pfizer e agora estaria com receio de ser implicado.

Por isso, dizem pessoas próximas de Bolsonaro, o temor é que Wajngarten use seu depoimento para se defender, não importando se isso vai representar implicar o governo e o próprio presidente.

Na entrevista à Veja, Wajngarten tentou poupar Bolsonaro ao direcionar a Pazuello a culpa por não ter fechado acordo com a Pfizer. A estratégia, no entanto, não deixa de atingir o mandatário, avaliam aliados.

A CPI EM CINCO PONTOS

  • Foi criada após determinação do Supremo ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG)

  • Investiga ações e omissões de Bolsonaro na pandemia e repasses federais a estados e municípios

  • Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias para realizar procedimentos de investigação

  • Relatório final será encaminhado ao Ministério Público para eventuais criminalizações

  • É formada por 11 integrantes, com minoria de senadores governistas

O depoimento desta quarta será o quinto prestado na CPI. Na semana passada, foram ouvidos os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, além do atual titular da Saúde, Marcelo Queiroga. Nesta terça, falou Barra Torres.

Os ex-ministros disseram que deixaram o governo por falta de autonomia para levar adiante as próprias políticas. Eles ainda discordaram do uso da cloroquina no tratamento da Covid-19, o que é defendido por Bolsonaro.

As declarações de Mandetta e Teich contrastaram com as de Queiroga, que se omitiu em diversas respostas para proteger o presidente. O ministro, que é médico, se esquivou sobre como avalia o uso da cloroquina.

Nesta terça, depois da oitiva de Barra Torres, coube novamente ao atual ministro da Saúde defender o chefe.

No Palácio do Planalto, Bolsonaro abriu mão de discursar, mesmo com o púlpito montado. O presidente cedeu o lugar ao auxiliar. Queiroga elogiou o comportamento do presidente em relação à liberdade de atuação de médicos.

"O senhor sempre foi um amigo da classe médica. O senhor sempre defendeu a autonomia dos médicos. E os médicos, com os demais profissionais de saúde, são os verdadeiros soldados que vão ajudar a superar essa difícil situação sanitária que se instala no mundo e no nosso país", disse Queiroga.

O ministro João Roma (Cidadania) também discursou na cerimônia. Ele enalteceu a atuação da gestão Bolsonaro e disse que "o governo vem tomando várias medidas de proteção social".

Logo depois do evento, Bolsonaro foi para o Palácio da Alvorada. Questionado sobre a CPI da Covid por apoiadores, não citou o nome de Barra Torres.

"Hoje de novo, foram na tecla da cloroquina agora à tarde. Perguntou por que os EUA doaram para a gente 2 milhões de comprimidos. O tempo todo. O que eu falo aqui o pessoal bota lá. Eu tomei e me dei bem", disse.

Se, por um lado, a fala de Barra Torres como testemunha na CPI aumentou a pressão sobre Bolsonaro, por outro lado, auxiliares destacaram que o presidente da Anvisa descartou que tenha havido tentativa de ingerência do Planalto sobre a agência para influenciar, por exemplo, liberação ou recusa de vacinas.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.