Descrição de chapéu Tecnologia

Startups levam inovação aos canteiros de obras

Construtechs criam ferramentas que ajudam a reduzir custos, controlar prazos e acompanhar projetos

Cristiane Teixeira
São Paulo

As construtechs, ou startups de construção civil, estão começando a mudar os canteiros de obras. Entre as inovações trazidas por essas empresas estão drones que supervisionam equipes, aplicativos para gerenciar projetos e sistemas modulares que reduzem o desperdício. 

Em 2018, 16% das startups brasileiras do segmento imobiliário atuavam na construção —56 das 354 empresas, segundo o Mapa das Construtechs e Proptechs, assinado pela Construtech Ventures. 

Para especialistas, o número ainda é baixo porque o setor demora a investir no novo

“Precisamos que a tecnologia nos ajude a ter dados precisos desde o início de um empreendimento”, diz Guilherme Sawaya, diretor de transformação digital da Cyrela.

Um levantamento da FGV (Fundação Getulio Vargas) revelou que só 9,2% das empresas brasileiras usam o BIM (modelagem de informação da construção, na sigla em inglês). Bastante difundida no Reino Unido, Noruega e Dinamarca, a modelagem possibilita planejar de ponta a ponta uma edificação e corrigir erros antes que eles aconteçam.

 

“Não adianta continuar empilhando blocos e querer que o resultado seja diferente”, diz Diego Mendes, analista de sistemas e engenheiro civil. Em sociedade com Leandro Mascarenhas, ele fundou a Construcode, plataforma que organiza projetos de uma obra em etiquetas de QR Code, eliminando o papel do canteiro. 

Em cada andar de um prédio em execução há plaquinhas de diferentes cores com o código, uma para o sistema de ar condicionado, outra para os pontos de luz, outra para a hidráulica etc. “Basta aproximar o celular e escanear o código para abrir o projeto”, diz o empreendedor. 

Quando o projetista altera uma planta no sistema, ela é atualizada para todos os envolvidos. Isso evita que os profissionais em campo se baseiem em um projeto inválido e ainda economiza papel. 

Desde 2013, a Construcode já atendeu 513 obras. Hoje, são 80 clientes, entre eles Andrade Gutierrez e Método.

Ao oferecer uma ferramenta que ajuda a prevenir falhas de execução, a Construcode atua sobre um dos principais problemas enfrentados por quem constrói no Brasil. Foi o que identificou um levantamento do EnRedes, núcleo de inovação, qualidade e sustentabilidade do Centro de Tecnologia de Edificações (CTE).

“Queríamos entender quais dores de construtoras as startups poderiam tentar solucionar”, diz o engenheiro civil Roberto de Souza, presidente do CTE e idealizador do EnRedes.

“Cruzamos as respostas de incorporadoras com os perfis de 350 construtechs brasileiras, além de outras 250 do Vale do Silício”, afirma Souza. O núcleo ajuda a conectar startups com grandes companhias.

Outro gargalo do setor é a gestão da obra. “O responsável por vistoriar os serviços pode não ver alguma coisa, porque não está lá o tempo todo”, afirma Danielle Ávila, coordenadora do EnRedes. 

Prevenir esse risco é a função da Maply, plataforma que faz uso de imagens captadas por drones para gerar modelos 3D. “A definição e a precisão são tão grandes que é possível visualizar o diâmetro de uma tubulação”, diz o engenheiro Alexandre Miranda, cofundador da startup.

Miranda e seus sócios pensaram em um aplicativo que automatiza o sobrevoo do drone, dispensando a necessidade de um profissional para operá-la. “Cabe à construtora disponibilizar um drone para a obra. Aí, é só alguém clicar num botão e ele faz o mapeamento sozinho”, diz. 

Canteiro de obras visto de cima, com prédios sem acabamento
Imagem feita por drone da Maply em canteiro de obras da MRV - Divulgação

De acordo com ele, a tecnologia propicia uma redução de até 80% no tempo de coleta de informações. 

Desde 2018, a Maply já mapeou quase 100 mil hectares de serviços de drenagem, infraestrutura elétrica, terraplanagem, linhas de transmissão de energia etc. 

No segmento imobiliário, a startup colaborou com a MRV em 12 empreendimentos. 

“Foi possível visualizar um mapa 2D do terreno e comparar voos realizados em vários momentos para acompanhar as obras”, diz Túlio Pereira Barbosa, que é diretor de produção da MRV. 

A Maply ainda não monitora as áreas internas, mas isso deve mudar, segundo Miranda. 

Caminhando a passos mais lentos está a Neogyp, que aposta em um sistema de construção com blocos de gesso. O método agiliza a construção, gera menos resíduos e diminui o consumo de cimento, ferro e areia. 

Segundo o sócio da startup tocantinense Franknei Santos de Souza, o bloco da Neogyp é ultrarresistente, não absorve água e aguenta a tração. “É destinado à alvenaria estrutural, para construir prédios de até oito pavimentos”, afirma.  

O empreendedor explica que a matéria-prima pode vir de três fontes: de minas de gesso, da reciclagem de materiais e do aproveitamento de gesso químico que resulta da fabricação de fertilizantes.

Mas, apesar de ter recebido algumas premiações —como a da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial—, o produto ainda não foi homologado. “É um material inovador, que não tem referências de durabilidade”, diz o empreendedor, que continua empenhado no processo de certificação. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.