Sítio arqueológico de Machu Picchu terá tour acessível para cadeirantes

Agência que oferece o tour foi criada por amigos que viajaram para a Patagônia com cadeira de rodas

Homem em cadeira de rodas adaptada, com animais ao fundo
Turista em cadeira de rodas adaptada, em Machu Picchu, no Peru - Divulgação
São Paulo

​​Quem usa cadeira de rodas agora pode visitar o sítio arqueológico de Machu Picchu, no Peru.

A agência de turismo Wheel the World, sediada na Califórnia (EUA), está vendendo um tour acessível para cadeirantes.

A empresa reserva hotéis, traslados e cadeiras de rodas adaptadas para trilhas. O passeio conta com guias que ajudam na locomoção dos viajantes e falam inglês, espanhol e, às vezes, até português.

O tour acessível por Machu Picchu é o último lançado pela empresa, que também trabalha com passeios no Chile e no México.

O roteiro nas ruínas pode ser de um dia (US$ 990 ou R$ 3.692) ou de seis, com passeios em Cusco e de bicicleta adaptada, a partir de US$ 1.490 (R$ 5.526). As passagens aéreas não estão incluídas.

A iniciativa é dos amigos chilenos Camilo Navarro e Álvaro Silverstein, ambos com 33 anos, e surgiu depois que eles tiveram dificuldades para viabilizar uma viagem à Patagônia. Silverstein sofreu um acidente de carro aos 18 anos e é cadeirante desde então.

Para fazer a viagem, precisariam de uma cadeira de rodas adaptada para trilhas, que era cara demais para eles. “Fizemos uma campanha de financiamento coletivo, nossa história viralizou e chamamos a atenção de empresas que quiseram fazer parcerias conosco, como operadores de turismo locais”, conta Navarro.

Os dois se mudaram para os Estados Unidos para fazer especializações na universidade de Berkeley, na Califórnia, e então decidiram criar uma empresa de viagens para pessoas com necessidades especiais.

"Notamos uma demanda por algo que facilite a viagem para a pessoa com deficiência", diz.

A Wheel the World existe há dois anos e atendeu mais de 600 passageiros, segundo Navarro.

Eles pretendem oferecer em breve opções de passeios no Havaí e no Alasca.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.