Descrição de chapéu The New York Times Financial Times

Arábia Saudita abre fronteiras para o turismo e oferece visto online

Embaixada do país afirma que brasileiros podem conseguir o documento

São Paulo | The New York Times e Financial Times

A Arábia Saudita anunciou nesta sexta (27) que vai começar a oferecer visto para turistas de 49 países.

Até agora, apenas cidadãos do Bahrein, Kuwait, Omã e Emirados Árabes Unidos podem viajar livremente para lá. Peregrinos muçulmanos de outros países podem conseguir a permissão para ir a cidade de Meca, mas vistos para turistas não eram concedidos.

O objetivo da nova política é diversificar a economia local e reduzir a dependência do petróleo.

Visitantes dos países elegíveis poderão se inscrever para um visto de múltipla-entrada que é válido por um ano e autoriza a permanência por até 90 dias. 

A lista de países que poderão conseguir o visto está sendo atualizada e pode ser ampliada. 

Segundo a embaixada da Arábia Saudita em Brasília, cidadãos brasileiros também podem requisitar o documento. 

Pedra com formado de elevante
A Pedra do Elefante, no deserto de Ula, próximo da cidade saudita de al-Ula, e um dos atrativos do país - Fayez Nureldine/AFP

Com a tensão crescente entre o reino e o Irã, a guerra contra o Iêmen e as consequências do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, cometido no consulado do país em Istambul, não parece um momento oportuno para atrair visitantes internacionais. Ainda assim, o turismo do país está ganhando força. 

No mês passado, foi anunciada uma parceria com o rede de hotéis de luxo Aman, que vai construir três resorts na região de Al-Ula, casa de atrações arqueológicas como Mada’in Saleh, conhecida como a “Petra da Arábia Saudita”. 

Enquanto isso, um grande projeto está em curso para desenvolver o turismo de luxo ao longo de 28 mil quilômetros quadrados na costa do Mar Vermelho, incluindo hotéis, marinas e áreas residenciais. A primeira fase da obra deve ser inaugurada em 2022. 

A Arábia Saudita está ansiosa para atrair investimentos, mas ainda não está claro o quão será o destino para visitantes: o país é notoriamente repressivo, atraindo condenações por sua interpretação austera do Islã, que inclui regras sociais rígidas

​Ahmed Al-Khateeb, diretor de turismo do país, disse à Reuters que as abayas —vestido comprido que deve ser usado em público pelas mulheres sauditas— não será mandatório para as visitantes estrangeiras, mas que roupas “modestas” serão obrigatórias, até mesmo nas praias. 

Ele afirmou ainda que não vai abrir uma exceção para permitir o consumo de álcool pelos turistas, expressando confiança de que o país tem atrações suficientes para os viajantes “aproveitarem outras coisas”.   

Em comunicado, al-Khateeb apontou que a abertura do reino para visitantes estrangeiros era “um momento histórico”.

Afirmou ainda que o país espera que o turismo seja responsável por 10% do PIB da Arábia Saudita, comparado com os atuais 3%, e que “bilhões de dólares estão sendo gastos para melhorar a infraestrutura e desenvolver patrimônios e espaços de cultura e entretenimento”. 

Adam Coogle, que pesquisa a Arábia Saudita para a Human Rights Watch, disse que o reino há muito tempo pensa em ter uma abordagem mais ampla do turismo, como parte de “uma série de outros passos que estão sendo feitos para tornar o país um pouco mais palatável ao investimento de empresas estrangeiras".

“Eles estão tentando criar uma narrativa para que essas empresas possam investir no país sob o pretexto de que a Arábia Saudita está mudando”, disse. 

Coogle também alertou que os visitantes devem ter cuidado ao discutir temas que possam ser considerados politicamente sensíveis, porque não há liberdade de expressão no país.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.