Defensor da cannabis, padre Ticão é ameaçado após evento com católicas feministas em SP

Líder religioso na zona leste, padre sofreu ameaças de grupos extremistas da própria igreja

Cristina Camargo Dhiego Maia
São Paulo

Líder comunitário na zona leste de São Paulo, o Padre Ticão passou a ser alvo de ataques por meio de mensagens de ódio e ameaças de morte desde a realização da 36ª Semana da Juventude, na Paróquia São Francisco de Assis, em Ermelino Matarazzo. 

Ticão é conhecido por opiniões polêmicas, como a defesa da cannabis para o uso medicinal.

Na tarde deste sábado (10), um ato realizado em frente à paróquia colocou, em lados opostos, defensores e pessoas que reivindicam a expulsão do padre da Igreja Católica. Não houve tumulto.

Padre Ticão em missa na Paróquia São Francisco de Assis, em Ermelino Matarazzo
Padre Ticão em missa na Paróquia São Francisco de Assis, em Ermelino Matarazzo - Luis Ushirobira - 07.out.2012/Valor

Com terços nas mãos, os manifestantes que não apoiam as ideias defendidas por Ticão rezaram e gritaram palavras de ordem como "Viva a Santa Igreja" e "Salve Roma".

Já os apoiadores de Ticão reuniram-se com representantes de OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), ABI (Associação Brasileira de Imprensa), além de políticos da região, para chamar a atenção da comunidade de Ermelino Matarazzo para as ameaças direcionadas ao padre e aos funcionários da paróquia.

Um inquérito instaurado no 62º DP (Ermelino Matarazzo) apura os crimes de ameaça, injúria e difamação. Um homem que não é policial militar e enviou ameaças de morte ao padre vestido com farda da Polícia Militar também é investigado. 

O padre não solicitou reforço de sua segurança. Procurado pela reportagem da Folha, não quis se manifestar sobre o assunto.

ENTENDA O CASO

O padre passou a ser ameaçado durante a realização da Semana da Juventude, organizada pelo grupo da comunidade Renovação Jovem, no início deste mês. Foram realizadas rodas de conversa sobre cannabis medicinal, conduzida pelo próprio padre Ticão, e uma palestra sobre gênero, direitos sexuais, direitos reprodutivos e religião, com a participação da organização Católicas pelo Direito de Decidir. ​

Eventos sobre racismo, políticas públicas, juventudes, uma celebração ecumênica e uma romaria de jovens à Basílica de Nossa Senhora Aparecida também fizeram parte da programação. 

Segundo a organização feminista Católicas pelo Direito de Decidir, os ataques são feitos por grupos extremistas da própria Igreja Católica e direcionados ao padre, a integrantes da Paróquia São Francisco de Assis e aos jovens do grupo Renovação. A organização não citou os nomes dos grupos supostamente responsáveis pelas ameaças. 

"Provocada por quem não se propõe a exercitar o diálogo, a avalanche de violência tenta sufocar as vozes de uma comunidade de fé conhecida pela luta nas questões sociais", diz nota de apoio ao Padre Ticão divulgada pela organização.

No site e nas redes sociais de grupos conservadores da igreja foram divulgados pedidos para que os seguidores denunciassem a participação das feministas no evento da Paróquia São Francisco de Assis. 

Um desses grupos é o apostolado Templário de Maria. No site e nas redes sociais do apostolado há uma publicação com o texto: "Urgente! Grupo de feministas pró-aborto estará na Semana da Juventude em uma paróquia de São Miguel Paulista". Os leitores são estimulados a "denunciar" a participação. No site foram divulgados os telefones da Diocese de São Miguel Paulista, da Paróquia de São Francisco e do vigário da Paróquia. 

O apostolado Templário de Maria afirma ter sido fundado com o objetivo de propagar a "total consagração à Santíssima Virgem, bom como a sã doutrina da Santa Igreja Católica Apostólica Romana". 

Outro grupo conservador, o Salve Roma, é mais radical. No dia 3 de agosto, publicou nas redes sociais um texto pedindo que os "hereges" fossem denunciados.

"A Paróquia de São Francisco de Assis promove evento onde feministas defenderam a legalização do aborto, contrariando o Magistério da Igreja e o Papa Francisco. O evento mostrou que os organizadores são hereges públicos e devem ser afastados pela Diocese de São Miguel Paulista por 'FALTA GRAVE'. Um grupo de católicos, bravamente, defendeu a integridade da fé e o Magistério da Santa Igreja contra os rebeldes e desobedientes da paróquia", diz a postagem. 

Waldir Augusti, 55, agente de Pastoral da São Francisco, também recebeu ameaças. Bilhetes fixados no seu carro diziam: "Cuidado! Os anticristos morreram na fogueira".

Para Augusti, a igreja não pode ficar avessa aos temas da atualidade. "Nos eventos da juventude discutimos de ideologia de gênero a violência contra a mulher. São temas contemporâneos e de extrema importância ao país", diz. "Mas é uma pena que o Ticão está sendo ameaçado justamente por cumprir o que o papa Francisco pediu: sair da igreja e pregar o evangelho".

Padre Júlio Lancelotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo, saiu em defesa de seu colega de batina. "As ameaças que ele sofreu vieram de grupos conservadores que estão contestando a discussão de ideias diferentes", afirmou.

Lancelotti já foi agredido e também recebeu ameaças de morte pelas denúncias que faz contra os abusos cometidos contra a população de rua. A OEA (Organização dos Estados Americanos), inclusive, cobrou das autoridades brasileiras a proteção do pároco.

PADRE TICÃO

Paulista de Urupês, Antonio Luiz Marchioni, o padre Ticão, chegou na capital paulista nos anos 1970, após apoiar greves de bóias-frias e de professores na região de Araraquara (SP). "No interior, me chamavam de comunista", disse ele certa vez em entrevista à Folha

Ele já invadiu, ao lado de fiéis, o prédio da Secretaria de Estado da Habitação, nos anos 80. Queria pressionar o então governador Franco Montoro (1983-87) a construir conjuntos habitacionais. 

Também foi um dos líderes pela criação do Parque Dom Paulo Evaristo Arns e do Hospital de Ermelino Matarazzo, ambos na zona leste. Ele também participou da mobilização para a instalação da USP Leste e da Universidade Federal de São Paulo na zona leste. Na região, entre suas obras estão o Centro de Convivência para Melhor Idade e o Centro de Recuperação de Crianças Deficientes. 

Em março deste ano, o padre provocou controvérsias ao criar na paróquia um curso sobre o uso medicinal da maconha em parceria com a Universidade Federal de São Paulo. "Não vou dizer que Deus é maconheiro, eu realmente não sei. Mas com certeza ele é cannabista”, disse em entrevista à Carta Capital. 

Ele defende o uso da cannabis para tratamentos médicos e afirma que ela só não é liberada no Brasil devido ao interesse de grandes grupos pelo monopólio. Segundo o padre, os moradores da região de sua paróquia demonstraram interesse pelo curso, principalmente porque a cannabis pode ajudar no tratamento de crianças com deficiências.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.