Descrição de chapéu Coronavírus

Adesão à quarentena cai, e Doria ameaça prender quem desrespeitar regras

Bolsonaro e empresários defendem reabertura de comércios, fechados por coronavírus

São Paulo

Sistemas que monitoram aglomerações e deslocamentos indicam que mais brasileiros saíram às ruas nos últimos dias, marcados pela pressão do presidente da República e de parte das empresas por um afrouxamento nas restrições ao funcionamento de comércio e escolas. Com isso, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que poderá ordenar a prisão de quem não obedecer à quarentena.

"Se não houver neste final de semana consciência das pessoas, seja na capital de São Paulo ou em qualquer outra região neste fim de semana, nós estamos monitorando isso pelos celulares, a partir de segunda-feira o governo do estado de São Paulo tomará medidas mais rigorosas e mais duras, inclusive com a penalização de prisão para as pessoas que desobedecerem essa orientação", declarou Doria em entrevista ao SPTV, da Rede Globo.

Segundo ele, a movimentação deste fim de semana será avaliada e, se não atingir os parâmetros desejados —Doria espera obter ao menos 60% de abrangência da quarentena no estado, e nesta quinta-feira (9) o governo estadual afirmou ter aferido uma adesão de 49%—, medidas mais duras serão anunciadas a partir da próxima segunda (13), em conjunto com a prefeitura da capital.

"Eu espero sinceramente que nós não tenhamos que chegar a esse patamar, a esse nível, mas, se tivermos que fazer, vamos fazer em defesa da vida", afirmou. "Eu queria evitar isso", disse ainda o governador, acrescentando que "as pessoas precisam ter consciência da gravidade da situação em que nós estamos".

"Nós não estamos fazendo aqui um programa de férias para que você fique em casa, é um programa de preservação de vida."

A fim de evitar a disseminação do novo coronavírus, o contágio acelerado e o colapso dos sistemas de saúde, todos os 26 estados e o Distrito Federal suspenderam as aulas e a maior parte deles mandou fechar o comércio.

A medida provocou redução brusca na circulação de pessoas. A In Loco, empresa que usa uma base de dados de aplicativos que pedem acesso à geolocalização do usuário, chegou a identificar que 57,6% da população do país estava em isolamento no último dia 26.

Monitoramento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), que analisa diariamente dados do aplicativo Waze, mostra que um dia depois, em 27 de março, o trânsito no país era 73% menor do que a média da primeira semana daquele mês.

Temendo o impacto na economia que a medida causaria, porém, empresários e até o presidente Jair Bolsonaro passaram a questionar as medidas do estados, defendendo que apenas a população do grupo de risco da Covid-19 (idosos e pessoas com outras doenças) fique isolada.

Prefeitos e alguns governadores, como o de Rondônia, passaram a readmitir a abertura dos comércios, e o Ministério da Saúde orientou que cidades que tiverem menos de 50% dos leitos médicos ocupados podem adotar regras mais brandas, isolando apenas grupos de risco e reabrindo comércio. Nesta quinta, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), ofereceu apoio a prefeitos que queiram programar uma abertura controlada.

As discussões aparentemente provocaram impacto no isolamento da população. O monitoramento da In Loco mostrou que na última terça (7) mais da metade (50,4%) da população do país estava em casa.

Os dados do BID mostram que São Paulo, que chegou a registrar queda de 91% no trânsito em relação ao começo de março, viu essa redução diminuir e chegar a 80% na última quarta (8).

O mesmo foi constatado pelo governo de SP, que usa dados enviados pelas operadoras Vivo, Claro, Oi e Tim. Na quarta, só 49% da população do estado estava em casa, e 51% da capital. O ideal seria que esse índice chegasse a 70%, afirmou Doria.

Comércios e restaurantes estão fechados desde o dia 24 de março no estado, e o governo sustenta que não pretende afrouxar a quarentena, prevista, por enquanto, até 22 de abril.

"Infelizmente há informações e estímulos pelas redes sociais de pessoas que são absolutamente irresponsáveis, propondo e estimulando o relaxamento das medidas de isolamento", disse Doria em entrevista coletiva nesta quinta, tentando explicar o motivo de haver mais gente na rua.

Os dados do governo fazem parte do novo Sistema de Monitoramento Inteligente, que vai disparar SMS para celulares em regiões com alto índice de aglomeração alertando às pessoas que devem ficar em casa.

As informações são anonimizadas e aglutinadas, ou seja, o governo não tem como saber exatamente quem está fazendo aglomerações ou não.

Já os dados do BID agrupam apenas quem usa o aplicativo Waze. O sistema faz uma comparação do trânsito nas cidades latinoamericanas com o índice que elas apresentavam na semana do dia 1º a 7 de março, e mostra que o isolamento no Brasil é bem menor que nos países vizinhos.

Enquanto o dado mais recente no Brasil mostra 57% de queda no trânsito, no Peru foi de 90%, na Colômbia foi de 89% e na Argentina foi de 79%.

Mesmo São Paulo, onde a redução de tráfego é mais acentuada que a média do país, teve 80% trânsito a menos, enquanto Bogotá, Lima e Buenos Aires registraram 94%, 91% e 87% de trânsito a menos.

Já a In Loco parte de uma base de 60 milhões de aparelhos celulares que têm aplicativos de empresas parceiras instalados. Quando um usuário aceita compartilhar sua localização com apps como do banco Santander, da Hering ou do Magazine Luiza, essas informações entram na base de dados da startup, também de forma anônima.

Os dados da empresas mostram que o Distrito Federal, que lidera o número de casos de coronavírus, per capita, tem o maior índice de isolamento social, seguido por Goiás.

Informações são usadas em pesquisas científicas

Os dados da In Loco têm servido como base para estudos científicos, como um da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP e da Plataforma Paster-USP, que tem monitorado a circulação de pessoas na capital.

Em um estudo piloto com 4 milhões de celulares, a faculdade viu que a partir de 14 de março quase todos os distritos da cidade de São Paulo registraram quedas diárias na escala de circulação de pessoas, atingindo grau mínimo no dia 21.

Helder Nakaya, professor da FCF e coordenador da pesquisa, afirma que a metodologia permite ajudar a melhorar as políticas de distanciamento social.

"Várias cidades do Brasil fizeram medidas um pouquinho diferentes umas das outras. Será que quando eu paro as escolas de uma cidade, vou parar a mobilidade lá, ou as pessoas começam a ir para o shopping, começam a ir para outros lugares? Será que se eu parar as escolas e os transportes públicos, eu isolo mais as pessoas?”, diz ele

“Você consegue usar isso para monitorar e saber melhor quais são as medidas que mais funcionam para conter a epidemia; consegue melhorar a economia, no sentido de que você não precisa de repente parar todos os serviços”, afirma professor.

Segundo Paola Minoprio, coordenadora da Plataforma Científica Pasteur-USP, a metodologia também tem mostrado que o isolamento social tem sido maior nos bairros periféricos do que nas regiões centrais da capital. "Esse tipo de medida pode contribui muito para o controle da epidemia."

Os pesquisadores também analisaram a movimentação no aeroporto internacional de Guarulhos, onde vigora restrição parcial de voos, e verificaram que, só no período de 17 de fevereiro a 22 de março, mais de 70 mil usuários dos aplicativos visitaram o local —e muitos deles seguiram viagem para destinos localizados a mais de 2.000 km de distância.

O grupo mantém há alguns anos um projeto chamado SiPoS (do inglês para “sistema de posicionamento de doenças”), que cruza dados de geolocalização registrados por celulares para identificar possíveis focos de doenças infecciosas.

Agora, com a pandemia do novo coronavírus, a equipe de Nakaya está trabalhando junto com pesquisadores do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP para montar uma base de dados com informações de pacientes de Covid-19.

A ideia é monitorar os dados de geolocalização do celular de 600 pacientes diagnosticados com a doença, com autorização deles, para ajudar os cientistas a refinar os modelos epidemiológicos e fazer melhores estimativas sobre o comportamento do vírus SARS-CoV-2.

Por exemplo, uma pessoa antes de ter os sintomas, quanto tempo antes ela transmite; depois que ela tem sintomas, por quanto tempo transmite; se existe uma pessoa que a gente chama de super-spreader, uma pessoa que infecta mais gente – porque em algumas doenças tem pessoas específicas que espalham muito mais do que outras.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.