Descrição de chapéu Incêndio no CT do Flamengo

Com irregularidades, clubes da Série A alojam mais de mil jovens

Há uma semana, dez jogadores da base do Flamengo morreram após incêndio

Mais de mil atletas menores de idade vivem em alojamentos nos principais clubes do Brasil, vários deles em meio a situação de improviso e irregularidades.

Na última sexta (8), dez jovens morreram após o centro de treinamento Ninho do Urubu, do Flamengo, pegar fogo. Até agora, ninguém foi responsabilizado pelas autoridades. O local onde os jovens dormiam não tinha autorização para funcionar como alojamento, e o clube chegou a ser multado mais de 30 vezes por falta de alvará.

Pelo menos metade dos 20 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro têm pendências a serem resolvidas em seus centros de treinamento que alojam meninos das categorias de base, como ausência de alvará emitido pelo Corpo de Bombeiros ou de equipamentos de incêndio.

 

A Prefeitura de Santos disse à Folha que o processo para a obtenção do documento no CT Rei Pelé já foi autorizado, mas que a emissão depende de um auto de vistoria do Corpo de Bombeiros.

O Botafogo não possui alvará para o alojamento no estádio de Caio Martins. A Polícia Civil fechou o local nesta quarta-feira (13) por irregularidades. O clube afirma estar tomando providências.

A Prefeitura de Salvador disse à Folha que o Bahia não possui alvarás de construção e habite-se para os alojamentos da base. A última fiscalização foi feita nesta quinta (14). O clube disse que possui alvarás de funcionamento para realizar as atividades e está em situação regular. 

O time baiano aloja 49 menores de idade. Os dormitórios ficam no CT do Fazendão, no prédio da base, ao lado do edifício do time de futebol profissional.

Juntos, Santos, Botafogo e Bahia possuem cerca de 200 jovens que moram em suas categorias de base.

A última vistoria nos CTs de Ceará e Fortaleza foi feita na segunda (11), a pedido do Ministério Público. Faltavam extintores e indicações de rotas de fuga. Nenhum deles tem alvará dos bombeiros, da prefeitura ou projetos aprovados.

Os clubes foram notificados. Na próxima semana acontecerá uma reunião para saber que medidas foram tomadas.

 

O Ceará disponibilizou em seu site os alvarás que possui. O Fortaleza diz que não aloja jogadores abaixo dos 16 anos e que no momento são 17 jovens da categoria sub-17 vivendo nas dependências do clube. O time disse que está à disposição das instituições responsáveis pelas fiscalizações que se fizerem necessárias.

Cruzeiro, Grêmio e Corinthians são outros clubes com problemas de alvarás em seus alojamentos das categorias de base. O primeiro não possui autorização do poder público e nem o auto de vistoria dos bombeiros --a direção atual diz que vai resolver o assunto. Já os outros dois estão com as moradias irregulares.

O Corinthians mantém seus atletas com idades entre 14 e 17 anos em uma residência privativa de uso coletivo próxima ao clube, chamada Casa dos Atletas. A moradia é limitada a 35 adolescentes e está irregular, pois não possui alvará específico para dormitórios.

O clube disse que vai conseguir a permissão em até dez dias e que um novo local de alojamento está em construção. O Cruzeiro tem hoje 35 menores de idade. O número dobra durante o ano, já que no momento a categoria sub-17 está em férias.

O Grêmio tem cerca de cem jogadores menores de idade na Residência Esportiva, localizada próxima ao CT Presidente Hélio Dourado. Nesta quarta (13), o clube foi notificado pela Prefeitura de Porto Alegre sobre a utilização do local como moradia.

 

A Prefeitura de São Paulo montou uma força-tarefa com integrantes de diferentes secretarias para averiguar irregularidades dos clubes profissionais da cidade. Os dirigentes foram convocados para uma reunião na última quarta (13) e se comprometeram a resolver todas as pendências. 

O Palmeiras possui cerca de cem atletas morando às custas do clube em suas categorias menores. Eles não ficavam em alojamentos próprios, mas em apartamentos ao lado do Allianz Parque, nos bairros de Pompeia e Perdizes. Após notificação da prefeitura, o clube disse que foi informado sobre a restrição imediata do uso dos dormitórios e transferiu os jovens a um hotel em São Paulo.

Referência no assunto após a construção do CT de Cotia, o São Paulo é o time que possui mais jovens em suas instalações. Dos 250 atletas das categorias de base, 150 vivem no local. Desses, 110 ainda não completaram 18 anos.

No CT de Cotia, o clube tem dois tipos de instalação: casas de concreto e um edifício semelhante a um pequeno hotel, com cerca de 30 quartos, também de concreto, todos com ar condicionado, saguão e laudo dos bombeiros.

No total, o clube gastou cerca de R$ 50 milhões com as obras no local. Segundo seu balanço financeiro, o São Paulo gasta cerca de R$ 27 milhões anuais com a base.

O Atlético-MG declarou ter vaga para abrigar até 120 jovens, sendo que no momento hospeda 95 menores de idade, usando o restante para atletas em avaliação. Os que não moram na Cidade do Galo vivem em Belo Horizonte ou em sua região metropolitana, morando com pais ou parentes.

O centro de treinamento possuiu diversos modelos de quarto: 15 deles quádruplos, 12 triplos e quatro para seis pessoas (usados, sobretudo, para os jogadores em período de avaliação).

O clube disse que dispõe de todos os laudos necessários, além de realizar treinamentos de segurança periódicos. A prefeitura confirmou que o local está em dia.

No Rio de Janeiro, estado afetado pela tragédia no Flamengo, o time rubro-negro tinha 26 meninos no alojamento no dia do incêndio, que matou dez deles. O número se multiplica durante o ano, já que muitos atletas menores de idade estavam em férias.

A Prefeitura do Rio de Janeiro disse que o Vasco será multado, pois o local tem obras em andamento não licenciadas. O clube informa que hoje são entre 40 e 45 meninos, todos de 14 a 17 anos. Eles dormem na Pousada do Almirante, no complexo esportivo de São Januário, que comporta 13 quartos. A segurança é feita por quatro monitores ao longo do dia, que revezam em esquema de plantão.

O Fluminense já foi autuado pela Secretaria da Fazenda por falta de alvará de licença.

A equipe tem atualmente 44 atletas morando em Xerém, sendo que, ao longo do ano, o número aumenta para uma média de 70, mas a capacidade máxima é de 90. O clube disse que toda a estrutura é de alvenaria. São dois andares com quartos para duas ou quatro crianças.

O Goiás abriga 40 meninos na Casa do Atleta, no CT do clube. A agremiação declarou que deixa um brigadista à disposição e que o local possui uma rota de fuga, para-raios, extintores de incêndio e lâmpada de emergência

O Internacional possui hoje 30 atletas alojados, com 20 dormitórios à disposição com camas, colchões, televisores e banheiros. Durante o ano, o número de jogadores cresce.

A Chapecoense abriga 50 meninos em alojamento a uma quadra da Arena Condá. Já o Avaí tem 44 menores de idade em alojamentos e, nesta quinta, apresentou alvarás dos bombeiros e disse estar em dia com suas documentações. A Prefeitura de Florianópolis confirmou.

Entre os 20 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro, apenas CSA e Athletico não responderam às perguntas enviadas pela Folha.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.