Descrição de chapéu Campeonato Paulista

Próximos na defesa, Santos e Corinthians se diferenciam ao atacar

Com propostas distintas, times de Fábio Carille e Jorge Sampaoli se enfrentam neste domingo

Sampaoli e Carille se cumprimentam antes do amistoso entre as equipes em janeiro
Sampaoli e Carille se cumprimentam antes do amistoso entre as equipes em janeiro - Marcello Fim/Ofotográfico/Folhapress
Alex Sabino Luciano Trindade
São Paulo

Semelhantes na defesa, Santos e Corinthians se diferenciam ao atacar neste Campeonato Paulista. As duas equipes se enfrentam neste domingo (10), às 16h, na Arena Corinthians.

Com mais posse de bola, gols marcados e finalizações, o Santos tem números defensivos semelhantes aos do Corinthians no Paulista. O clube do Parque São Jorge repatriou Fábio Carille para repetir 2017, quando teve a melhor defesa do país.

Comandado por Jorge Sampaoli, o Santos tem o melhor ataque do torneio (19 gols), é quem tem maior posse de bola (média de 64%) e o segundo que mais finaliza ao gol (16 por partida, atrás do Red Bull).

As equipes do argentino têm como característica a movimentação constante com a bola, com trocas rápidas de passe para chegar ao gol adversário de forma direta. Na vitória por 4 a 1 sobre o São Bento, por exemplo, o time abriu o placar com apenas 15 segundos de jogo e 16 toques a partir da saída de bola.

Dos 19 gols no Estadual, 17 foram marcados dentro da grande área rival. Cinco deles de cabeça, mostrando também a versatilidade do ataque.

Quem se beneficiou desse modelo de jogo foi o volante Jean Mota, artilheiro do Paulista com sete gols, quase sempre aparecendo como elemento surpresa, infiltrando-se no meio da defesa rival para achar o espaço e marcar.

Fã do técnico Marcelo Bielsa, Sampaoli busca ser protagonista com um jogo ofensivo, sem diferenciar a postura dentro e fora de casa.

"Me agrada poder me defender tendo a posse da bola e não só correr com a bola. Quero que a torcida tenha a expectativa de ver o Santos com a bola em qualquer campo. Isso torna um clube grande", afirmou, ainda no início do ano.

Os números ofensivos do Santos são superiores aos do Corinthians, que anotou oito gols (10º lugar no ranking), é o segundo que menos finaliza (8,8 de média) e tem 57% de posse de bola por jogo.

 

A equipe do Parque São Jorge fez dois gols em uma mesma partida somente uma vez na competição. Foi no clássico contra o São Paulo, em Itaquera, quando venceu por 2 a 1.

Diante do rival tricolor, o Corinthians mostrou sua maior força ofensiva e também sua principal debilidade na defesa. Os dois gols corintianos saíram de jogadas aéreas, via pela qual os comandados de Carille têm encontrado a maioria dos gols no Paulista (seis dois oito marcados).

Santos e Corinthians sofreram oito gols no Paulista até agora. O time de Sampaoli é a equipe que menos permite finalizações do adversário no Estadual (7,7 de média), contra 12,7 do Corinthians.

Com 22 pontos conquistados, o Santos possui a melhor campanha do Estadual. 

"Sabemos que vai ser um clássico intenso, entre equipes com estilos diferentes. O Corinthians nos conhece muito bem", disse Sampaoli após a goleada por 4 a 0 sobre o América-RN na última quinta (7). O resultado classificou o time para a 3ª fase da Copa do Brasil.

Antes do início do Estadual, Santos e Corinthians se enfrentaram em amistoso no Itaquerão. Empataram em 1 a 1.

O trabalho de Sampaoli tem sido elogiado desde então por ter conseguido dar padrão de jogo para elenco de poucos reforços, que perdeu seus melhores atacantes (Bruno Henrique e Gabriel) e terminou 2018 sem nenhum título.

Carille reconhece a qualidade do trabalho desenvolvido pelo rival, mas confessa se sentir incomodado quando é dito que ele apresenta inovações no futebol brasileiro.

"Por característica, não deve ter 5% de técnicos que façam o que ele faz. Algumas coisas que incomodam é uma boa parte da imprensa falar como inovação. É um trabalho de início brilhante, mas é falta de respeito com o que Fernando Diniz fez no Audax, tirando Palmeiras e Corinthians, e jogando melhor que o Santos [na final do Paulista de 2016]. Assemelham-se as ideias", ressalta o corintiano.

Para o técnico do Corinthians, é tudo uma questão de estilo. Ele afirma ter montado sua filosofia com Mano Menezes e Tite, de quem foi auxiliar no clube.

"É o que vejo também em [Diego] Simeone e [José] Mourinho, mais de linha de quatro [jogadores]. A dele [Sampaoli] é mais de movimentação", completa.

Para o clássico deste domingo, o Corinthians não terá Gustavo, artilheiro do time no Paulista com três gols. Lesionado, deverá ser substituído pelo argentino Mauro Boselli. Vagner Love é outra opção para o ataque.

O Santos deverá ter a volta de Cueva, não escalado diante do América-RN, punido por Sampaoli por ter se reapresentado com atraso após a folga de Carnaval. 

CORINTHIANS
SANTOS

Às 16h, no Itaquerão
Na TV: Globo (para São Paulo)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.