Corintiano retirado após xingar Bolsonaro verá jogo em camarote

Rogério Lemes foi conduzido pela PM em clássico Corinthians x Palmeiras

Carlos Petrocilo João Gabriel
São Paulo

O torcedor corintiano Rogério Lemes, 44, que foi conduzido ao Jecrim por agentes do Batalhão de Choque da Polícia Militar após ter protestado contra Jair Bolsonaro,  antes do clássico Corinthians x Palmeiras, no domingo (4) vai acompanhar o jogo contra o Goiás nesta quarta (7) às 19h15, pelo Campeonato Brasileiro, a convite de Andrés Sanchez, presidente do clube.

A assessoria de imprensa do Corinthians confirmou a presença de Lemes nesta quarta (7). Ele acompanhará a partida no camarote de Sanchez. Ex-deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Sanchez não quis falar sobre o convite.  O Corinthians emitiu nota nesta terça (6) repudiando a ação dos policiais. 

Andres Sanchez, presidente do Corinthians, na arena Itaquera. - Nacho Doce/Reuters

“O clube historicamente reitera seu compromisso com a democracia e a defesa do direito constitucional de livre manifestação, desde que observados os princípios da civilidade e da não violência. A agremiação lembra que diferentes autoridades, entre elas o presidente do clube, já foram alvo de manifestações da torcida durante os mais variados eventos esportivos realizados no local e o episódio caracteriza-se como um grave atentado às liberdades individuais no Estado Democrático de Direito”, diz trecho da nota emitida pelo clube.

No clássico com o Palmeiras, no domingo (3), Lemes gritou 'ei Bolsonaro vai tomar no cu' durante a execução do hino nacional e foi retirado das arquibancadas pelos policias militares.

A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP) do estado de São Paulo disse, em nota enviada à imprensa, que "não houve prisão, mas a condução dele ao posto do Juizado Especial Criminal (Jecrim), onde foi registrado boletim de ocorrência não criminal e depois liberado para voltar a assistir à partida de futebol".

Lemes, no entanto, disse à Folha que algemado e agredido, inclusive com um mata-leão, em uma sala reservada na arena Corinthians. “Fui humilhado, algemado e um policial me deu um mata-leão. Quando me derrubaram, eu uso prótese após ter necrose na cabeça do fêmur, pedi para me levantarem e gritaram comigo: 'você não é bom? Agora se vira'. Ainda estou com corpo dolorido, um pegou o meu dedo e começou a torcer”, disse Lemes.

O corintiano conta também que teve o celular apreendido e vasculhado pelos policiais. O aparelho, segundo ele, foi devolvido. “Eu perguntei para a delegada qual crime havia cometido, eu apenas expressei meu protesto político. Ela me respondeu que ali [no estádio] não é lugar para isso”, afirmou o torcedor.

A Secretaria de Segurança Pública afirma que o torcedor em momento nenhum "mencionou ter sido agredido" pelos agentes e informou que denúncias contra ações de policiais podem ser feitas na Corregedoria da Polícia Militar.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.