Descrição de chapéu Campeonato Brasileiro

Globo arrecada menos que previsto com PPV e alerta clubes

Emissora estimava R$ 500 milhões com vendas de pacotes

Alex Sabino Diego Garcia
São Paulo e Rio de Janeiro

A Globo convocou os 20 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro, além de alguns da Série B, para uma reunião em São Paulo nesta sexta (20). O encontro, na sede da emissora, servirá para tratar, entre outros assuntos, do dinheiro que será distribuído pelo sistema de pay-per-view.

A receita registrada pela Globo com a venda de pacotes ficou abaixo da expectativa projetada para este ano. A emissora estimava pelo menos R$ 500 milhões de arrecadação com a venda de assinaturas do serviço de jogos exclusivos.

Do valor obtido com as vendas dos pacotes, 38% serão repassados para as equipes. A divisão dessa fatia é feita a partir de pesquisa com clientes que assinaram o serviço. O time com maior número de torcedores que pagam pelo pacote do PPV receberá mais. Há uma quantia mínima a ser paga, que varia para cada equipe e foi definida em negociações individuais.

Transmissão de Corinthians e Independiente (COL), em jogo pela Libertadores de 2016
Transmissão de Corinthians e Independiente (COL), em jogo pela Libertadores de 2016 - Eduardo Anizelli-2.mar.16/Folhapress

Das 20 agremiações da principal divisão do país, 19 assinaram acordos com o Grupo Globo em PPV. A única exceção é o Athletico.

A distribuição do dinheiro pelo serviço foi fonte de descontentamento de alguns clubes com a Globo. O Palmeiras, por exemplo, chegou ao acordo após cinco rodadas do Campeonato Brasileiro.

Os dirigentes serão recebidos da sede da Globo às 9h30 da manhã desta sexta, com um café da manhã. Em seguida acontecerá a reunião, e depois dela os dirigentes serão levados para um almoço.

Os clubes assinaram com a Globo contrato que terá duração até 2024. Todas as equipes da Série A fecharam com a emissora para TV aberta, e o Athletico foi exceção para o PPV. Na TV fechada, além do clube paranaense, Santos, Palmeiras, Bahia, Fortaleza, Ceará e Internacional preferiram acertar contrato com a Turner.

A entrada da empresa no mercado representou a primeira vez que a Globo teve uma séria ameaça na disputa dos direitos de transmissão desde o fim do Clube dos 13, em 2011.

Por causa disso e como uma forma de pressionar as equipes, a emissora tentou incluir cláusulas de redução nos valores a serem pagos para os times na TV aberta e PPV para quem assinasse com a concorrente para os canais fechados. Palmeiras e Athletico foram quem mais resistiram, chegando a colocar em risco o modelo de negócios utilizado pela Globo. O redutor poderia chegar a até 20% do valor do contrato.

 

Por ser a única empresa atuante no mercado de direitos de transmissão, a empresa conseguia manejar a tabela para satisfazer as demandas da Rede Globo (aberta), SporTV (fechada) e Premiere (PPV).

Até o acerto do Palmeiras, o pay-per-view esteve impedido de transmitir 10 dos 50 primeiros jogos do Campeonato Brasileiro. Sem o Athletico-PR, ao todo ficará sem 43 das 380 partidas do torneio.

O marketing do serviço de PPV sempre foi apoiado na mensagem que o assinante teria direito a ver todos os jogos do torneio, o que em 2019 não aconteceu. Por causa disso, o Procon de São Paulo notificou Claro, Sky, Vivo, Oi e TIM para que esclarecessem como seria a oferta de pacotes dos jogos para a TV a cabo e se os clientes que já haviam assinado acreditando que todas as partidas estariam disponíveis seriam ressarcidos.

O mercado de pay-per-view movimentou R$ 1,4 bilhão em 2018.

“Consideramos valioso o diálogo com os clubes, os enxergamos como parceiros de enorme relevância, e tenho certeza que a recíproca é verdadeira. Na realidade, fazemos isso [reuniões] o tempo todo, ainda que infelizmente nem sempre seja possível um fórum amplo”, disse Fernando Manuel, diretor de direitos esportivos da Globo.

Ele não comentou a redução de valores. Procurada, a assessoria de imprensa da Globo não respondeu até a publicação deste texto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.