Maior anúncio de Bolsonaro no esporte não saiu do papel após 9 meses

Comitê Paralímpico assume responsabilidade por atraso em convênio de 10 mi com a Caixa

São Paulo

Um dos raros acenos de investimento do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) para o esporte, uma verba de R$ 10 milhões anunciada em junho do ano passado para o Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, até o momento está apenas no papel.

O anúncio do termo de compromisso entre a Caixa Econômica Federal e o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) foi feito durante cerimônia realizada no próprio centro. Ela contou com a presença do presidente da República e do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), entre outras autoridades, além de cerca de 1.500 convidados.

Esse foi o principal evento de governo ligado ao esporte que contou com a participação de Bolsonaro desde o início de sua gestão, em janeiro de 2019.

O presidente Jair Bolsonaro assina termo de compromisso em cerimônia com o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Mizael Conrado, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e o governador de São Paulo, João Doria
Bolsonaro assina termo com os presidentes do CPB, Mizael Conrado, e da Caixa, Pedro Guimarães, e o governador de São Paulo, João Doria - Daniel Zappe 19.jun.2019/Exemplus/CPB

Conforme comunicado na época, os R$ 10 milhões sairão do Fundo Socioambiental da Caixa, que já patrocina o CPB, ao longo de quatro anos. Eles serão investidos num projeto para a iniciação esportiva de 550 alunos com deficiência de 10 a 17 anos das redes públicas municipais e estadual de São Paulo.


Foi prometido que os estudantes terão acesso a oito modalidades do esporte paraolímpico: atletismo, bocha, futebol de 5, goalball, judô, natação, tênis de mesa e vôlei sentado. O dinheiro deverá ser investido em material esportivo, alimentação e transporte, além da contratação de técnicos e estagiários.

Em contrapartida, a instituição estatal terá direito aos naming rights do centro, e o local passará a ser chamado de Centro Paralímpico Caixa.

"Servir a pessoas especiais como vocês não tem preço. Nós colaboraremos no que for possível para atender a vocês", disse Bolsonaro durante a cerimônia, que também contou com a presença da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Ela tem atuação conhecida em projetos para pessoas com deficiência.

Procurada pela Folha ao longo da semana passada, a assessoria de imprensa da Caixa informou que “o protocolo de intenções assinado entre a Caixa e o Comitê Paralímpico Brasileiro está em vigor e o processo de implementação das ações está em andamento".

O banco não deu uma previsão sobre quando ocorrerão os primeiros pagamentos para dar início efetivo ao projeto.

Após a publicação da reportagem, nesta segunda, o banco estatal enviou nota à Folha.

"Em relação à matéria publicada hoje (9.mar), a Caixa esclarece que o acordo citado pela reportagem prevê naming rights e se encontra em fase final de execução, o que permitirá o atendimento de um número ainda maior de crianças em outros núcleos pelo Brasil."

O Centro de Treinamento Paralímpico, localizado no bairro do Ipiranga, na capital paulista, é um espaço multidesportivo construído na preparação para os Jogos do Rio-2016, em uma parceria entre os governos federal e estadual.

O CPB tem acordo de cooperação, assinado com a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, para administrar o espaço.

Alguns dos principais medalhistas paraolímpicos do país treinam no local, que já tem em funcionamento um projeto de escolinhas para alunos da rede pública. A ideia é que a parceria com o banco estatal amplie essa iniciativa.

Doria e Mizael Conrado, presidente do CPB, estiveram juntos na manhã desta segunda (9) em um evento com a presença de atletas paraolímpicos no Palácio dos Bandeirantes.

“Essa verba é um investimento da Caixa Econômica Federal, foi anunciada pelo seu presidente, Pedro Guimarães, juntamente com o presidente da República, Jair Bolsonaro. Estavam no lançamento e espero que cumpram o que foi combinado”, disse Doria à Folha.

"Por razões internas do CPB, finalizamos o contrato de naming rights somente agora, em março.
Ressaltamos que a Caixa envidou todos os esforços para assinar o quanto antes novo contrato, o que não ocorreu por responsabilidade exclusiva deste comitê", informou a entidade paraolímpica em nota.

O anúncio de R$ 10 milhões foi um dos poucos atos do governo federal para iniciativas da área esportiva no primeiro ano de gestão de Bolsonaro. No início de seu mandato, ele transformou o antigo Ministério do Esporte em uma secretaria subordinada ao Ministério da Cidadania.

Em janeiro de 2019, a Caixa encerrou contrato de patrocínio com 25 clubes de futebol –esses acordos totalizavam R$ 120 milhões. Responsável pelos maiores investimentos esportivos entre as estatais do país até então, também cortou verbas para corridas de rua, eventos esportivos pontuais e projetos sociais.

A entidade mantém os patrocínios ao CPB, às confederações de ginástica e atletismo e às ligas brasileiras de basquete. Os contratos se encerram neste ano.

No dia do anúncio da verba, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que nenhum contrato esportivo em vigor até os Jogos de Tóquio-2020 será cortado.

"A mudança é que a gente vai investir diretamente nos atletas e nas pessoas mais humildes. Ainda estamos discutindo como fazer esse projeto. Até a Olimpíada, vamos fazer ginástica, atletismo, basquete e todos os esportes paraolímpicos. Mas algo que a gente não fazia antes e que é foco total da Caixa é o apoio pelo país inteiro. Disso eu não abro mão", declarou.

Na época do ato de assinatura do convênio entre a Caixa e o CPB, Bolsonaro e Doria ainda cultivavam boas relações. Naquele dia, ambos passaram por evento de formatura da academia da Polícia Militar, que estava sendo realizado no centro, e fizeram flexões de braço com os formandos.

“Presidente Jair Bolsonaro mandou pagar 10, a gente paga, né?”, escreveu Doria em postagem no Facebook com o vídeo da cena.

Veja na íntegra a nota do Comitê Paralímpico Brasileiro

A Caixa é a maior patrocinadora do desporto Paralímpico no Brasil e no mundo, temos um contrato vigente de R$ 95 milhões, recurso fundamental para o custeio dos programas do CPB e atendimento a mais de 10 mil atletas em 11 modalidades. Com relação às escolinhas de esportes, por estas serem prioridades do Comitê e da Caixa, elas funcionam a pleno vapor, atendendo um número inclusive superior às 550 crianças estimadas no início do projeto diariamente, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo. Iniciaremos as atividades das escolinhas também nos 14 centros de referências mantidos pelo CPB em 14 cidades de todas as Regiões do país, projeto do qual a Caixa terá um papel fundamental. Por razões internas do CPB, contudo, finalizamos o contrato de naming rights somente agora, em março.

Ressaltamos que a Caixa envidou todos os esforços para assinar o quanto antes novo contrato, o que não ocorreu por responsabilidade exclusiva deste comitê.

Veja na íntegra a nota da Caixa Econômica Federal

A CAIXA é a maior incentivadora do esporte Paraolímpico do Brasil e do mundo. Entre 2017 e 2020, por intermédio da CAIXA, o Comitê Paraolímpico Brasileiro deve receber R$ 95 milhões em patrocínios, possibilitando o atendimento de mais de 10 mil atletas em 11 diferentes modalidades. No Centro Paraolímpico de São Paulo, o projeto atende atualmente mais de 600 crianças em diversas modalidades esportivas.

Em relação à matéria publicada hoje (09/03), a CAIXA esclarece que o acordo citado pela reportagem prevê "naming rights" e se encontra em fase final de execução, o que permitirá o atendimento de um número ainda maior de crianças em outros núcleos pelo Brasil.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.