Descrição de chapéu Futebol Feminino

Com reforços e estrutura, Palmeiras desafia Corinthians no Brasileiro Feminino

Time alviverde lidera Nacional e pode abrir vantagem após dérbi deste domingo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

No futebol masculino, Corinthians e Palmeiras carregam histórias vitoriosas e centenárias. Já no feminino, no entanto, é recente a implementação da modalidade em cada clube, sobretudo no time alviverde, que viu o rival se transformar em uma potência nos últimos anos, enquanto ainda busca se estabelecer.

Para se tornar um time competitivo, o Palmeiras tem apostado em dois pilares desde 2019, quando voltou a ter uma equipe feminina: montar uma estrutura completa e formar um elenco com atletas experientes.

No cenário nacional, o principal objetivo é conquistar o inédito título brasileiro. Na última rodada, o time do técnico Ricardo Belli deu passo importante para isso, ao ultrapassar justamente o Corinthians e assumir a liderança do campeonato —as palmeirenses golearam o Grêmio (4 a 1), enquanto as corintianas perderam do Santos (2 a 1).

Separados por apenas um ponto na classificação (13 a 12), os dois clubes duelam neste domingo (9), às 20h, no Parque São Jorge —a Band transmitirá a partida.

Beatriz Zaneratto durante partida do Palmeiras no Campeonato Brasileiro Feminino
Beatriz Zaneratto durante partida do Palmeiras no Campeonato Brasileiro Feminino - Lucas Figueiredo - 18.abr.21/CBF

Espera-se um duelo equilibrado, mas o Palmeiras tem a vantagem de contar com o faro de gol de Beatriz Zaneratto, 27, que iniciou a rodada como artilheira do Nacional, com quatro gols.

Ela foi uma das dez contratações feitas pelo clube em 2020, ano em que a comissão técnica deu prioridade à busca por atletas experientes. Zaneratto, por exemplo, disputou três Mundiais (2011, 2015 e 2019) e tem sido presença constante nas convocações de Pia Sundhage, que deve levá-la para os Jogos de Tóquio.

A meio-campista Camilinha, 26, a zagueira Tainara, 22, a meia Julia Bianchi, 23, e a atacante Chú, de 31, também fizeram parte da lista mais recente da treinadora da seleção para a disputa do SheBelieves Cup, nos Estados Unidos.

Tainara, Julia e Chú chegaram ao time alviverde neste ano com mais dez jogadoras para reforçar o elenco.

"Isso mostra o quanto o futebol feminino tem crescido e o quanto o Palmeiras também tem investido na modalidade", disse Zaneratto.

O Palmeiras foi um dos clubes que reativou o futebol feminino na esteira da obrigatoriedade imposta pela Conmebol em 2019 para que os times pudessem disputar os torneios masculinos da entidade.

A partir dessa determinação, o clube decidiu estruturar um projeto para que também pudesse brigar por títulos. Assim nasceu uma parceria com a cidade de Vinhedo, onde as jogadoras dispõem de uma estrutura com campos, academia, salas de recuperação física, além dos apartamentos em que moram, com os custos bancados pelo time alviverde.

"Em 2 anos, contando valores de aluguel, restaurante, supermercado, academia e outros custos, foram aproximadamente R$ 1,6 milhão que o clube investiu na cidade, sem contar algumas ações importantes que fizemos no Estádio Nelo Bracalente, onde mandamos nossos jogos", diz o diretor-executivo do futebol feminino palmeirense, Alberto Simão.

Neste período, o time ganhou, por enquanto, a Copa Paulista 2019, um torneio organizado pela Federação Paulista de Futebol, que reuniu quatro equipes (Palmeiras, São Paulo, Juventus e São José).

O contrato de parceria com a cidade de Vinhedo vai até dezembro e já há conversas para renovar o acordo. A partir deste ano, contudo, o Palmeiras passou a mandar os jogos de torneios organizados pela CBF na capital paulista, em três locais: Academias de Futebol I e II (Barra Funda e Guarulhos) e Allianz Parque.

Depois de ser promovido da Série A do Campeonato Brasileiro em 2019, o Palmeiras chegou à semifinal da elite no ano passado, quando acabou eliminado justamente pelo Corinthians, que conquistaria o título depois ao vencer o Avaí-Kindermann na decisão.

Foi o segundo título brasileiro conquistado pelas corintianas, campeãs também em 2018 e vice em 2019.

Desde 2016, quando o clube do Parque São Jorge reativou o futebol feminino, primeiro em parceria com o Audax, até 2018, e depois com gestão própria, foram sete títulos conquistados. Além dos dois Brasileiros, o time ganhou duas Libertadores (2017 e 2019), uma Copa do Brasil (2016) e dois Paulistas (2019 e 2020).

Com isso, transformou-se no clube a ser batido entre as equipes brasileiras do futebol feminino, líder do ranking de times da CBF, estabelecido a partir de um cálculo sobre o desempenho em competições nas últimas cinco temporadas.

O Palmeiras é o 21º desse ranking e almeja conquistar o inédito título brasileiro neste ano para ganhar posições e, aos poucos, transformar-se também em uma potência na modalidade.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.