Descrição de chapéu Cinema mostra de cinema

'A Voz Humana', curta de Almodóvar, destaca Tilda Swinton na Mostra de SP

Peça de Jean Cocteau sobre mulher abandonada pelo marido inspira curta do espanhol e montagem no Theatro Municipal

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Gustavo Zeitel
São Paulo

Tudo começou com Jean Cocteau. Em 1929, o artista francês de mil faces --poeta, escritor, desenhista, dramaturgo, cineasta-- escreveu a peça "A Voz Humana", imaginando uma mulher sozinha, no palco, falando ao telefone com seu marido, que a havia abandonado por um novo amor. Cocteau descia à banalidade para alcançar a expressão máxima da voz de uma atriz. Uma mulher, um adereço, uma cadeira.

A simplicidade da cena, montada pela primeira vez no palco da Comédie Française, em Paris, em 1930, com a atriz belga Berthe Bovy no papel-título, se juntava à modernidade do telefone, com o qual a sociedade ainda se acostumava. O público não escutava, em momento algum, a voz do homem do outro lado da linha. No livro, suas falas são eclipsadas por longas reticências. Na peça, são escondidas pelo silêncio.

Segundo Cocteau, a obra representou mais um passo à incompreensão entre os surrealistas, que, incomodados com suas muitas fases artísticas, o chamavam de "Cocktail de Cocteau". Seus epítetos se multiplicavam nos cafés de Paris, de "Príncipe Frívolo" a "L'Enfant Terrible", expressão conhecida até hoje. De apelido em apelido, a voz de Cocteau atravessaria o tempo, inspirando grandes artistas, como o cineasta Pedro Almodóvar.

mulher de vestido vermelho de veludo rodado é abraçada por homem de cabelos grisalhos pela cintura
A atriz Tilda Swinton e o diretor espanhol Pedro Almodóvar em imagem de divulgação do curta 'A Voz Humana', em que trabalharam juntos - IMDb/Divulgação

Até o dia 30 deste mês, a 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo exibe, em diferentes salas da cidade, o curta "A Voz Humana", adaptação de Almodóvar da peça de 1930.

De acordo com Renata de Almeida, diretora da Mostra, o filme, o primeiro de Almodóvar em inglês, é um presente para os fãs do cineasta. "É uma reunião de todas as características dele. Tem uma mulher à beira de um ataque de nervos, cores fortes e relacionamentos conturbados", afirma. A britânica Tilda Swinton foi escolhida para interpretar a personagem. Já no primeiro plano, ela aparece com um vestido Balenciaga armado, com um tom vermelho que contrasta com o fundo cinza de um set de filmagens.

Durante o filme, sabemos que o apartamento da mulher sem nome fica em um estúdio, deixado por ela apenas em um momento, quando vai até uma loja para comprar um machado, com o qual destrói o paletó do marido.

No lugar do telefone, Swinton aparece de "air pods". "Gosto de como ele usa os ruídos da conversa. Queremos saber o que o homem está dizendo. E, por ser num estúdio, a relação entre cinema e teatro é explícita", afirma Almeida.

Gravado durante a pandemia, o filme estreou no Festival de Veneza do ano passado, sendo a realização de um sonho antigo de Almodóvar. Em "A Lei do Desejo", de 1987, o diretor inseriu um trecho da peça de Cocteau no roteiro. Já "Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos", de 1988, nasceu como uma adaptação experimental do texto. Em "A Voz Humana", Almodóvar acena à contemporaneidade, com um destino alternativo para a mulher abandonada. No filme, a languidez de Swinton, uma mulher alta e de tez pálida, convive com decisões impulsivas.

Não é a primeira vez que a peça de Cocteau ganha uma adaptação cinematográfica. Em "L'Amore", de 1948, o cineasta italiano Roberto Rosselini criou sua versão para o enredo, estrelado por Anna Magnani. Muito antes, porém, o próprio Cocteau se juntou ao compositor francês Francis Poulenc para criar uma tragédia lírica em um ato.

Na noite desta segunda-feira, a soprano lírica Rosana Lamosa subiu ao palco do Theatro Muncipal de São Paulo para o primeiro ensaio geral da ópera "A Voz Humana", de Poulenc, que estreia na próxima sexta-feira. Lamosa se posicionou de frente para a orquestra, a fim de repassar o monodrama. "Aproveitem que hoje ela está cantando para vocês. No próximo ensaio, ela estará de frente para a plateia", brincou o maestro Alessandro Sangiorgi.

Durante o ensaio, o canto de Lamosa esteve ora rente à fala, ora em notas altas, como o dó natural, alcançado quando a personagem quase enlouquece. "Como cantora lírica, tenho que me preparar vocalmente, mas as pausas fazem com que a personagem seja muito dramática", conta ela.

Coube à soprano Denise Duval cantar pela primeira vez a ópera, em 1959, na Salle Favart, em Paris. Um dos integrantes do afamado grupo "Les Six", Poulenc soube incorporar a síncope do jazz para driblar os excessos do romantismo. Cocteau, espécie de porta-voz do grupo, soube explorar o som --e o silêncio-- do parceiro. "A relação com o teatro é forte, mas na ópera existe uma diferença. Temos as respostas do marido, Poulenc fala", pondera o diretor André Heller-Lopes.

Sua concepção de "A Voz Humana" é um contraponto às cores de Almodóvar. O cenário é sóbrio --ao lado de uma cama desarrumada, livros pelo chão criam o ambiente. Ao fundo, imensos espelhos refletem a expressão da soprano. A adaptação de Heller-Lopes oferece liberdade à mulher abandonada e a leva a um plano etéreo. "Ela começa a ópera já morta. É um réquiem para um amor. Um amor que não existe mais", ele diz.

Na sequência da obra de Poulenc, o programa traz ainda a "Ópera Aberta para Cantora e Halterofilista", um "happening", concebido, em 1977, pelo compositor Gilberto Mendes. Nele, Lamosa contracena com um halterofilista, propondo diversas esquetes.

"Não há nem mesmo partitura. É uma provocação com a autorreferência das divas da ópera e dos atletas. A cantora é a atleta da voz", diz Lamosa. Do teatro ao "happening", as versões da mesma tragédia só reafirmam a frase de Cocteau. "Nunca quis pertencer a uma escola, porque elas começam em pé e acabam sentadas."

A Voz Humana

  • Quando Mostra de SP: Qua. (20), às 20h, no Espaço Itaú Frei Caneca; Seg. (25), às 20h40, no Cine Marquise; Qui. (28), às 14h, no Reserva Cultural; Sáb. (30), às 13h30, no Petra Belas Artes
  • Classificação 18 anos
  • Elenco Tilda Swinton
  • Produção Espanha, 2020
  • Direção Pedro Almodóvar

A Voz Humana

  • Quando Sex. (22), às 19h; sáb. (23), às 17h; seg. (25), às 20h
  • Onde Theatro Municipal - pça. Ramos de Azevedo, s/nº, São Paulo
  • Preço R$ 10 a R$ 80
  • Classificação Livre
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.