Descrição de chapéu Livros

Nobel de Literatura de 2023 premia norueguês Jon Fosse, autor de obras existenciais

Escritor de mais de 40 peças amplia seu leitorado no Brasil com dois romances publicados agora por editoras diferentes

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

foto em preto e branco de homem loiro barbado em meio a sombras

O escritor norueguês Jon Fosse, vencedor do Nobel de Literatura de 2023 Tom A. Kolstad/Divulgação

São Paulo

O norueguês Jon Fosse, de 64 anos, venceu o prêmio Nobel de Literatura de 2023, segundo anunciou a Academia Sueca na manhã desta quinta-feira.

O escritor é conhecido principalmente por suas mais de 40 peças, mas também por sua produção de obras infantojuvenis, poemas e romances, um leque que está sendo ampliado no Brasil.

Um de seus livros, "É a Ales", finalista do prêmio Booker Internacional, acaba de sair no Brasil pela Companhia das Letras, somando-se a "Melancolia", já publicado pela Tordesilhas. A Fósforo está prestes a lançar outro, "Brancura".

A obra de Fosse é marcada por personagens imersos em investigações existenciais líricas que perpassam tempo e espaço. O porta-voz da Academia Sueca citou o também nobelizado irlandês Samuel Beckett como um escritor próximo a ele e o saudou por "sua dramaturgia e prosa inovadora que dá voz ao indizível".

Para se ter uma ideia da relevância de Fosse na Noruega, ele é o dramaturgo mais montado ali desde Henrik Ibsen —um dos pais do teatro moderno— e há uma década mora numa residência oficial concedida pelo rei àqueles que contribuem com a arte e cultura norueguesa.

Um texto da revista americana Paris Review de oito anos atrás diz que, se os autores noruegueses fossem os Beatles, Karl Ove Knausgard seria Paul McCartney e Fosse, que foi professor de escrita criativa do primeiro, seria George Harrison, "o quieto, místico, espiritual, provavelmente o melhor artífice de todos eles".

O primeiro romance de Fosse, "Raudt, Svart", saiu em 1983, o pontapé inicial numa carreira que depois alcançaria mais de 50 idiomas.

Conforme avançou seu projeto literário, o autor se notabilizou por um estilo próprio de fluxo de consciência, perpassando os pensamentos e sensações de suas personagens num lirismo de quilate incomum para prosa.

Desde 1901, a centenária Academia escandinava distribui esta que é considerada a maior distinção literária do mundo, já tendo laureado 120 pessoas, entre interrupções por guerras ou escândalos sexuais. O escolhido leva 10 milhões de coroas suecas, o que hoje equivale a cerca de R$ 4,7 milhões.

Fosse é a quarta pessoa norueguesa a vencer o Nobel de Literatura —mas a última premiada, Sigrid Undset, recebeu o troféu há 95 anos.

Antes dela, vieram Knut Hamsun e Bjornstjerne Bjornson, o que faz sentido quando se lembra que o prêmio foi originalmente criado para propagar a cultura escandinava. Oito autores suecos, um finlandês e três dinamarqueses já ganharam o Nobel.

Dentre todos esses vencedores, o prêmio já destacou 17 mulheres contra 103 homens, a mais recente sendo a francesa Annie Ernaux, no ano passado.

Foi o raro caso de uma escritora que já vinha angariando bom leitorado no país antes do prêmio, com obras como "O Lugar" e "O Acontecimento" —e ainda mais depois da vinda da escritora à Flip, logo depois, numa feliz coincidência para a festa literária paratiense.

A popularidade não era o caso dos autores que foram premiados logo antes, a poeta americana Louise Glück, que só veio ter sua obra bem editada no Brasil depois do Nobel, e o romancista tanzaniano Abdulrazak Gurnah, nunca publicado no país antes de vencer.

É rara a coincidência de um autor estar avançando sua publicação brasileira enquanto é premiado pelo Nobel, ainda que Fosse constasse entre os principais cotados pelas casas de apostas há pelo menos dez anos, ao lado de eternos lembrados como a chinesa Can Xue e o queniano Ngugi wa Thiong'o.

Mas o favoritismo normalmente não quer dizer muita coisa —o japonês Haruki Murakami que o diga.

Se o Nobel é capaz de catapultar a leitura de escritores no Brasil, como foi o caso de Svetlana Aleksiévitch e Olga Tokarczuk, às vezes ele calha de premiar autores já bem conhecidos como Kazuo Ishiguro, vencedor de 2017, e —ainda mais— o compositor Bob Dylan, que ganhou um ano antes dele.

VEJA TODOS OS VENCEDORES DO NOBEL DE LITERATURA ATÉ HOJE

2023: Jon Fosse (Noruega)
2022: Annie Ernaux (França)
2021: Abdulrazak Gurnah (Tanzânia)
2020: Louise Glück (EUA)
2019: Peter Handke (Áustria)
2018: Olga Tokarczuk (Polônia)
2017: Kazuo Ishiguro (Reino Unido)
2016: Bob Dylan (EUA)
2015: Svetlana Aleksiévitch (Bielorrússia)
2014: Patrick Modiano (França)
2013: Alice Munro (Canadá)
2012: Mo Yan (China)
2011: Tomas Tranströmer (Suécia)
2010: Mario Vargas Llosa (Peru)
2009: Herta Müller (Romênia-Alemanha)
2008: J.M.G. Le Clézio (França)
2007: Doris Lessing (Reino Unido, mas nasceu no Irã e cresceu no Zimbábue)
2006: Orhan Pamuk (Turquia)
2005: Harold Pinter (Reino Unido)
2004: Elfriede Jelinek (Áustria)
2003: J.M. Coetzee (África do Sul)
2002: Imre Kertész (Hungria)
2001: V.S. Naipaul (nasceu em Trinidad e Tobago, mas vive no Reino Unido)
2000: Gao Xingjian (China)
1999: Günter Grass (Alemanha)
1998: José Saramago (Portugal)
1997: Dario Fo (Itália)
1996: Wislawa Szymborska (Polônia)
1995: Seamus Heaney (Irlanda)
1994: Kenzaburo Oe (Japão)
1993: Toni Morrison (Estados Unidos)
1992: Derek Walcott (Santa Lúcia, ilha do Caribe)
1991: Nadine Gordimer (África do Sul)
1990: Octavio Paz (México)
1989: Camilo Jose Cela (Espanha)
1988: Naguib Mahfouz (Egito)
1987: Joseph Brodsky (EUA, de origem russa)
1986: Wole Soyinka (Nigéria)
1985: Claude Simon (França)
1984: Jaroslav Seifert (Tchecoslováquia)
1983: William Golding (Reino Unido)
1982: Gabriel García Márquez (Colômbia)
1981: Elias Canetti (Reino Unido, de origem búlgara)
1980: Czeslaw Milosz (Polônia)
1979: Odysseus Elytis (Grécia)
1978: Isaac Bashevis Singer (EUA, de origem polonesa)
1977: Vicente Aleixandre (Espanha)
1976: Saul Bellow (EUA)
1975: Eugenio Montale (Itália)
1974: Eyvind Johnson (Suécia) e Harry Martinson (Suécia)
1973: Patrick White (Austrália)
1972: Heinrich Böll (Alemanha)
1971: Pablo Neruda (Chile)
1970: Alexander Soljenítsin (URSS)
1969: Samuel Beckett (Irlanda)
1968: Yasunari Kawabata (Japão)
1967: Miguel Ángel Asturias (Guatemala)
1966: Samuel José Agnon (Israel) e Nelly Sachs (Alemanha e Suécia)
1965: Mikhail Sholokhov (URSS)
1964: Jean-Paul Sartre (França; recusou o prêmio)
1963: Giórgos Seféris (Grécia)
1962: John Steinbeck (EUA)
1961: Ivo Andric (Iugoslávia)
1960: Saint-John Perse (França)
1959: Salvatore Quasimodo (Itália)
1958: Boris Pasternak (União Soviética; renunciou ao prêmio)
1957: Albert Camus (França)
1956: Juan Ramón Jiménez (Espanha)
1955: Halldór Kiljan Laxness (Islândia)
1954: Ernest Hemingway (Estados Unidos)
1953: Winston Churchill (Reino Unido)
1952: François Mauriac (França)
1951: Par Lagerkvist (Suécia)
1950: Bertrand Russell (Reino Unido)
1949: William Faulkner (EUA)
1948: T.S. Eliot (Reino Unido, nascido nos EUA)
1947: André Gide (França)
1946: Hermann Hesse (Alemanha)
1945: Gabriela Mistral (Chile)
1944: Johannes V. Jensen (Dinamarca)
1940-1943: não foi concedido
1939: Frans Eemil Sillanpää (Finlândia)
1938: Pearl S. Buck (EUA)
1937: Roger Martin du Gard (França)
1936: Eugene O'Neill (EUA)
1935: não foi concedido
1934: Luigi Pirandello (Itália)
1933: Ivan Bunin (URSS)
1932: John Galsworthy (Reino Unido)
1931: Erik Axel Karlfeldt (Suécia)
1930: Sinclair Lewis (EUA)
1929: Thomas Mann (Alemanha)
1928: Sigrid Undset (Noruega)
1927: Henri Bergson (França)
1926: Grazia Deledda (Itália)
1925: George Bernard Shaw (Irlanda)
1924: Wladyslaw Reymont (Polônia)
1923: W.B. Yeats (Irlanda)
1922: Jacinto Benavente (Espanha)
1921: Anatole France (França)
1920: Knut Hamsun (Noruega)
1919: Carl Spitteler (Suíça)
1918: Não foi concedido
1917: Karl Gjellerup e Henrik Pontoppidan (ambos da Dinamarca)
1916: Verner von Heidenstam (Suécia)
1915: Romain Rolland (França)
1914: não foi concedido
1913: R. Tagore (Índia)
1912: Gerhart Hauptmann (Alemanha)
1911: M. Maeterlinck (Bélgica)
1910: Paul Heyse (Alemanha)
1909: Selma Lagerlöf (Suécia)
1908: Rudolf Eucken (Alemanha)
1907: Rudyard Kipling (Reino Unido, mas nasceu na Índia)
1906: Giosuè Carducci (Itália)
1905: Henryk Sienkiewicz (Polônia)
1904: Frédéric Mistral (França) e José Echegaray (Espanha)
1903: Bjornstjerne Bjornson (Noruega)
1902: Theodor Mommsen (Alemanha)
1901: Sully Prudhomme (França)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.