Lucro do Bradesco cresce 22% no 1º trimestre e vai a R$ 6,2 bi

Apesar da alta, balanço do banco mostra pistas da fraqueza da economia

Tássia Kastner
São Paulo

O desempenho fraco da economia no primeiro trimestre de 2019 não afetou o resultado do Bradesco e o lucro líquido recorrente do segundo maior banco privado do país saltou 22% na comparação com os primeiros três meses de 2018, a R$ 6,2 bilhões.

Sem descontar efeitos extraordinários sobre o resultado, o lucro contábil avançou expressivos 30%, o mesmo ritmo de crescimento registrado no ano passado.

Na comparação com o quarto trimestre do ano passado, o lucro subiu 7% e mostra algumas pistas da fraqueza da economia. 

"Na economia, o trimestre não foi exatamente o que queríamos e que prevíamos quando fizemos nosso orçamento em setembro do ano passado", afirmou o presidente do banco, Octavio de Lazari.

O banco é o primeiro entre as grandes instituições financeiras do país a divulgar os números do trimestre.

Lazari enfatizou as expectativas de mercado que apontam crescimento zero ou até queda do PIB (Produto Interno Bruto) do país no primeiro trimestre do ano. Para ele, o número ruim poderá estimular o Congresso e o governo a trabalharem com mais afinco pela reforma da Previdência. 

"É uma necessidade premente", afirmou, acrescentando que uma desidratação na economia com a reforma para muito abaixo de R$ 1 trilhão seria insuficiente. O mercado já espera que o governo economize cerca de R$ 600 bilhões em dez anos com as novas regras para aposentadoria.

Logo do Banco Bradesco - Reuters

A margem financeira (receita com juros, incluindo operações de crédito) foi de R$ 14,1 bilhões nos primeiros três meses de 2019, alta de 4,2% na comparação com o começo de 2018, mas queda de 4,7% ante o período de outubro a dezembro do ano passado.

A carteira de crédito do Bradesco cresceu 12% entre março de 2018 e março de 2019, em percentual equivalente nos segmentos de pessoa física e jurídica.

O crescimento a grandes empresas chama a atenção porque os bancos vinham enfatizando que ocorreria uma migração para o mercado de capitais, o que não se concretizou. Segundo Lazari, foram poucas operações e em empréstimos de curto prazo.

"A gente aproveitou as pouquíssimas oportunidades que surgiram, foram créditos de mais curto prazo. Provavelmente com a economia crescendo essas operações seriam feitas por mercado de capitais", afirmou o presidente.

Nos 12 meses até março, a linha que mais avançou foi o crédito pessoal, em 23,4%, seguido por consignado e financiamento imobiliário. Enquanto os dois últimos têm taxas de juros mais baixas e garantias, o crédito pessoal costuma gerar ganhos maiores aos bancos porque tem juros mais elevados.

Na comparação com o quarto trimestre, o cartão de crédito perdeu força e a carteira encolheu 4%. No mesmo período, caiu em 1,8% o crédito para micro e pequenas empresas.

A inadimplência acima de 90 dias caiu em todos os segmentos, seguindo uma tendência dos últimos dois anos. 

Os bancos apertaram as concessões de crédito à medida em que a crise econômica se agravava e mais brasileiros perdiam o emprego, o que ajuda a diminuir calotes.

Para Lazari, a taxa está próxima a um piso, mas ainda há algum espaço para melhora.

"Vai chegar num momento em que tem inadimplência natural. Mas quando a gente olha as novas safras, percebe que estão vindo com inadimplência menor. Há um espaço pequeno para melhorar a inadimplência de 90 dias", afirma.

As despesas com provisão para cobrir eventuais calotes (PDD bruta) saltaram 36,8% na comparação com o primeiro trimestre de 2018 e 40% ante o quarto trimestre.

O valor foi de R$ 6,3 bilhões, dos quais o Bradesco afirma que R$ 1,8 bilhão veio de clientes que estão em recuperação judicial. 

O presidente do Bradesco afirma que um dos casos é a Sete Brasil, mas que esse ajuste foi apenas contábil e não afetou o desempenho do trimestre.

Há ainda um outro caso, que ele não citou qual. Os casos mais vultuosos de empresas que pediram à Justiça proteção para renegociar dívidas com credores são os da Abril, da Avianca e da Livraria Cultura.

Após a recuperação de créditos, a provisão contra calotes foi de R$ 3,6 bilhões, queda de 8,4% em um ano.

Já a receita com prestação de serviços (as tarifas bancárias) foram de R$ 8,1 bilhões —alta ante o começo de 2018, queda na comparação com o último trimestre. O crescimento é menor que a meta fixada pelo banco para o ano. Segundo o Bradesco, a receitas com serviços são mais sujeitas as mudanças em ciclos econômicos.

O principal destaque negativo foi a queda na arrecadação com operações no mercado de capitais, com queda de 21,4% na comparação com o primeiro trimestre de 2018 e tombo de mais de 40% ante o quarto trimestre.

O mercado de capitais é visto como o caminho natural para empresas se financiarem, à medida em que a economia se recupera, mas dados deste começo de ano divulgados pela Anbima (entidade do setor) mostram que as empresas emitiram menos dívida (debêntures) e esfriou também o movimento na Bolsa de valores, com menos aberturas de capital.

A receita de serviços de cartão ficou estável em 12 meses e recuou mais de 6% na comparação com o quarto trimestre. O Bradesco atribuiu o desempenho fraco à maior concorrência no setor de maquininhas de cartão e também ao teto imposto pelo Banco Central para tarifa nas operações com cartão de débito.

O Bradesco é um dos sócios da Cielo, que lucrou 40% menos no primeiro trimestre deste ano.

“A concorrência está muito mais severa, talvez seja o segmento de mercado com maior concorrência e perda de valor para todos os atores do mercado. Acho que todas as empresas de adquirência devem entrar na menor taxa de sua capacidade de geração de resultados”, disse Lazzari.

Para ele, os números do setor só voltarão a melhorar a partir de 2020, mas que isso já estava previsto.

A Cielo é a líder do mercado de maquininhas e também a empresa que mais sofre com a concorrência de operadores independentes. No primeiro trimestre do ano passado, respondia por 6% do lucro líquido do Bradesco, percentual que caiu para 3,72% no último trimestre de 2018 e foi de 2,64% entre janeiro e março deste ano.

Ainda assim, o retorno sobre o patrimônio líquido, principal medida de rentabilidade para os investidores, superou os 20,5%, colocando o Bradesco no patamar em que fecharam no ano passado Itaú e Santander.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.