Petrobras estuda criar subsidiária para termelétricas e vender ações em Bolsa, diz XP

Analistas de corretora não esclarecem se estatal manteria controle de nova empresa

São Paulo | Reuters

A Petrobras avalia criar uma subsidiária de geração de energia com seus ativos termelétricos e vender a unidade em uma oferta inicial de ações, disseram analistas da XP Investimentos em relatório enviado a clientes nesta terça-feira (6), após reunião com executivos da petroleira.

A companhia estatal opera um parque de termelétricas que somam capacidade instalada de mais de 6.000 megawatts, o que a coloca entre os maiores geradores de energia do Brasil, segundo informações da empresa.

Apesar de um amplo programa de desinvestimentos ao longo dos últimos anos, a Petrobras ainda não colocou suas termelétricas no mercado --até o momento, a companhia fechou apenas a venda de 50% da TermoBahia à francesa Total.

"A Petrobras está estudando a criação de uma subsidiária de geração de energia que englobe várias usinas termelétricas da empresa. A nova unidade também pode ser vendida em um IPO", escreveram os analistas da XP, que participaram de café da manhã com a diretoria executiva da estatal, incluindo o presidente, Roberto Castello Branco.

Em um movimento paralelo, a Petrobras ainda apontou que poderia haver um acordo com outras empresas de petróleo que atuam no pré-sal para a criação de uma companhia em conjunto com ativos de transporte de petróleo e gás, sendo que a Petrobras também poderia desinvestir do negócio por meio de uma oferta de ações.

"Os diretores da Petrobras mencionaram a possível criação de uma empresa de transporte (midstream) em consórcio. Após sua criação, a Petrobras poderia alienar sua participação na empresa por meio de mercado de capitais (como um IPO)", apontaram.

A estatal fechou acordo em julho com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) que prevê a venda de todos seus ativos de transporte e distribuição de gás no Brasil até 2021. O acerto veio em meio a planos do governo para reduzir os custos do gás natural através do fomento à competição.

Procurada, a Petrobras não comentou de imediato as afirmações do relatório da XP.

CUSTO CAI

Analistas do Goldman Sachs também escreveram relatório, na segunda-feira (5), após encontro com o presidente e a diretora financeira da Petrobras, Andrea Almeida, no qual destacam "notícias positivas sobre a eficiência de custos do pré-sal".

Eles apontam que a estatal teria conseguido atingir, nas plataformas mais recentemente desenvolvidas, um custo de extração tão baixo quanto US$ 4 por barril, ou 33% abaixo da média do pré-sal no segundo trimestre de 2019.

A Petrobras apontou no balanço do segundo trimestre que atingiu custo de extração de US$ 6 por barril de óleo equivalente (boe) no pré-sal, enquanto o custo de produção médio foi de US$ 10,4 por boe.

O volume de produção da Petrobras pode crescer 9% no período 2018-20, afirmaram os analistas do Goldman, que reiteraram visão positiva sobre as ações da companhia, com recomendação de compra.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.