Itaú entra na briga do crédito imobiliário e reduz juro a 7,45%

Taxa é menor que os 7,99% que vinham sendo oferecidos por Santander e BB

Tássia Kastner
São Paulo

Tradicionalmente mais silencioso que os concorrentes nos anúncios de juros e tarifas, o Itaú Unibanco anunciou a redução da taxa do financiamento imobiliário para a partir de 7,45% ao ano + TR (taxa referencial, atualmente zerada). 

As novas taxas estarão disponíveis a partir de 1º de outubro. Antes, o banco cobrava a partir de 8,1% ao ano + TR.

O novo juro é menor que o cobrado pelo Santander, de 7,99% ao ano + TR, até então o menor custo oferecido pelo mercado para a casa própria.

O Banco do Brasil também tem taxa a partir de 7,99%, mas apenas para contratos de prazos mais curtos que os tradicionais 30 a 35 anos.

Nessa composição, o juro do Itaú pode ficar em nível menor até que o empréstimo da Caixa atrelado à inflação. Lançada em agosto, a modalidade tem custo entre 2,95% a 4,95% mais a variação do IPCA, atualmente em 3,43%.

O movimento de queda da taxa do financiamento imobiliário vinha sendo puxado pelo Santander, que reduziu em julho o custo do crédito para 7,99% + TR em uma ação promocional com Luiza Trajano, presidente do conselho do Magazine Luiza.

O movimento de baixa no custo do crédito é colado ciclo de queda da taxa Selic, que está na mínima histórica de 5,50% ao ano. A expectativa de economistas é que ela possa cair abaixo de 5% até o final do ano, reflexo da fraqueza da economia brasileira e da inflação baixa.

"A gente não tem história de liderar esse movimento [de queda de juros]", afirma Cristiane Magalhães, diretora do Itaú Unibanco.

Ela estimou que o banco poderá ter um aumento de 20% nas consultas, sem confirmar qual é a expectativa de contratos fechados.

Segundo ela, ainda que a taxa seja "a partir de" 7,45% + TR, isso não significa que o universo de clientes beneficiados seja muito reduzido.

"Não é para todos os clientes, mas também não é para 2% ou 3%", afirmou Magalhães.

Ela tampouco afirmou qual é o público potencial beneficiado pela taxa. O Itaú não diz qual é a taxa máxima praticada nessa linha.

Dados do Banco Central mostram que os novos financiamentos contratados tiveram custo médio de 8,2% ao ano —considerado os empréstimos com recursos direcionados, o dinheiro da poupança e do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Procurados, os demais bancos indicaram que acompanham movimentos de mercado, sem sinalizar se pretendem baixar o custo do crédito a seus clientes para fazer frente às novas taxas anunciadas pelo Itaú.

O mercado de crédito imobiliário é liderado pela Caixa Econômica Federal, que emprestou entre janeiro e agosto deste ano R$ 10,1 bilhões para a compra da casa própria, financiando 48,7 mil unidades.

O Itaú desembolsou R$ 8,5 bilhões a seus clientes, para 26,5 mil imóveis, enquanto o Bradesco emprestou R$ 8,4 bilhões que apoiaram a compra de 30,2 mil unidades. Os dados são da Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).

O crédito imobiliário foi uma das linhas que melhor atravessou o período de crise econômica. Tem a preferência dos bancos porque o imóvel é dado em garantia e também porque faz com que o banco estabeleça um vínculo de longo prazo com os clientes, gerando receitas com outros produtos e serviços.

Mas a disputa entre os bancos cresce também na esteira da recuperação do mercado imobiliário e alguns sinais de maior confiança de consumidores para a compra da casa própria.

Ainda de acordo com números compilados da Abecip, foram liberados R$ 6,7 bilhões de reais para o financiamento imobiliário apenas em agosto, uma alta de 18,4% na comparação com igual mês de 2018.

Esse montante de recursos foi destinado para a compra de 26,4 mil unidades, crescimento de 17,3% na comparação anual. Ante julho, a expansão foi de 6%.

Outros indicadores vinham mostrando a recuperação do mercado imobiliário, como o salto no número de lançamentos. A Abrainc (associação das incorporadoras) mostrava 16,3 mil novas unidades lançadas apenas em junho —a maioria delas, 12,6 mil, era do programa Minha Casa Minha Vida.


Compare taxas do crédito imobiliário

Itaú  partir de 7,45% + TR

Santander  7,99% + TR

Banco do Brasil  a partir de 7,99% + TR (para imóvel financiado em até cinco anos)

Caixa  de 8,5% a 9,75% ao ano + TR

Bradesco  8,95% + TR  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.