Descrição de chapéu Coronavírus

Bolsa brasileira volta do 2º circuit breaker do dia com queda de mais de 17%

Na Europa, Bolsas caem mais de 10%; dólar foi a R$ 5 na abertura

São Paulo

Pouco tempo depois de a Bolsa brasileira abrir, o mecanismo de circuit breaker, que ajuda a deter perdas maiores dos investidores, foi acionado duas vezes nesta quinta-feira (12). Por volta das 13h14, o Ibovespa cai 17,6%.

O mecanismo é utilizado quando a Bolsa cai 10% e os negócios são interrompidos por 30 minutos. E depois de quedas de 15%, é suspenso por uma hora.

Este já é o quarto circuit breaker da semana, reflexo da piora da percepção dos danos que serão causados pelo coronavírus sobre a economia global. Acompanhe aqui ao vivo.

Com o tombo, o índice é cotado ao redor de 70 mil pontos, no menor patamar desde setembro de 2018, período em que o país vivia a corrida eleitoral que elegeu Jair Bolsonaro presidente.

Painel da Bolsa de Valores de Nova York, Estados Unidos
Painel da Bolsa de Valores de Nova York, Estados Unidos - Michael Nagle/Xinhua

O novo gatilho de queda é a decisão do presidente americano, Donald Trump, de restringir voos entre Europa e Estados Unidos sob o pretexto de limitar a disseminação da doença entre americanos.

A consequência mais imediata da medida é uma nova queda no preço do petróleo, visto que a demanda das companhias aéreas pelo combustível deve cair. O petróleo foi o catalisador das perdas desta semana depois que a tentativa da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) de combinar uma redução da produção. A Rússia, que não integra o bloco, não fechou acordo e, em resposta, a Arábia Saudita afirmou que aumentaria a oferta do combustível e reduziria o preço.

Há pouco, o Brent (referência internacional da matéria-prima) cai 8%, cotado a US$ 32,90.

A Bolsa de Nova York também acionou o circuit breaker na abertura, parando negociações por 15 minutos, quando o índice S&P 500 caiu mais de 7%. No momento, Dow Jones cai 8%, S&P 500, 7% e Nasdaq, 6,9%.

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as maiores empresas da região, cai 10,5%, a maior queda percentual da história do índice que passou a ser negociado em 1987. Frankfurt recua 10,2%, Londres, 9,5 e Paris, 10,5%.

Mas não apenas fatores externos afetam os indicadores brasileiros.

Na quarta (11), quando a equipe econômica do governo Bolsonaro revisou de 2,4% para 2,1% a sua projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para 2020, o ministro Paulo Guedes (Economia) disse que o resultado pode ser ainda pior por causa da pandemia do coronavírus.

Para Guedes, no pior cenário, o PIB seria de 1%, ou seja, o crescimento da economia seria menor do que o resultado de 1,1% 2019. Seria o quarto ano seguido de baixo crescimento após a recessão.

O ministro, no entanto, considera que o quadro mais realista é de uma perda de 0,3 ponto percentual. Nesse caso, o PIB cresceria 1,8% neste ano.

"Primeiros estudos nossos: se for uma coisa suave, 0.1 [ponto percentual] de perda de PIB. Se for uma coisa mais grave, pode chegar a 0.3, 0.4 até 0.5 [p.p de corte]. Se, ao contrário, a pandemia tomar conta do Brasil e nós não fizermos as nossas reformas, pode chegar até 1% ", disse Guedes em reunião com congressistas na noite de quarta.

Também na quarta, o Congresso derrubou um veto do presidente Bolsonaro e ampliou o número de famílias atendidas pelo BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a quem está em situação de extrema pobreza.

A medida aumenta o gasto do governo em R$ 20 bilhões por ano e coloca em xeque a sustentabilidade o teto de gastos.

O teto é considerado essencial pelo mercado financeiro para deter a trajetória de endividamento do governo.

Nesta quinta, o risco-país medido pelo CDS (Credit Defautl Swap) de cinco anos, medida acompanhada pelo mercado financeiro para avaliar a capacidade de um país honrar suas dívidas, salta 56%, a 339 pontos. É o maior patamar desde junho de 2016, quando o Brasil vivia o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

No exterior, o CDS do Chile sobe 20%, enquanto o da Turquia salta 44%.

O mercado de juros futuros também mostra aumento da percepção de risco do mercado brasileiro e aponta alta nos juros brasileiros, em vez de queda. A alta desta quinta foi tão acentuada que também foi acionado o mecanismo de suspensão dos negócios.

O dólar chegou a abrir acima de R$ 5, mas desacelerou a alta e passou a ser cotado ao redor de R$ 4,90. Por volta das 12h32, sobe 3,2%, a R$ 4,872. Com a aversão a risco nos mercados globais, todas as moedas perdem valor ante o dólar. O euro se desvaloriza 1,45% e a libra, 2%.

Para conter a moeda, o Banco Central ofereceu US$ 2,5 bilhões das reservas em leilão à vista, mas houve demanda para apenas US$ 1,28 bilhão neste começo de pregão.

Dentre as maiores quedas do dia, estão Gol (-36,6%), CVC (-33,16% ) e Azul (-30,24%), visto que viagens estão sendo canceladas devido ao coronavírus e a alta do dólar aumenta os custosos dessas companhias.

As ações preferenciais (mais negociadas) da Petrobras caem 24,9%, a R$ 11,90. As ordinárias (com direto a voto) recuam 25%, a R$ 12,27.

O bitcoin cai 22,6%, a US$ 6.082,00 (R$ 29.643,66).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.