Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Ele é um homem especial e muito amado pelos brasileiros, diz Trump sobre Bolsonaro

Além de troca de elogios, reunião no G20 teve conversa sobre China, Venezuela e OCDE

Talita Fernandes
Osaka e Brasília

​Em encontro com troca pública de elogios, os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, do Brasil e dos EUA, respectivamente, reuniram-se nesta sexta-feira (28) em Osaka, no Japão, durante encontro do G20.

Eles discutiram temas como a situação da Venezuela, a guerra comercial com a China e a entrada do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), segundo o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros.

“Ele é um homem especial que está indo muito bem e é muito amado pelas pessoas do Brasil”, afirmou Trump ao se referir ao presidente brasileiro.

Bolsonaro disse ao colega americano esperar que ele visite o Brasil antes das próximas eleições nos EUA, marcadas para 2020. 

"Espero que nos visite antes das eleições, se for possível. [Será] motivo de orgulho e satisfação, e [a visita] vai mostrar para o mundo que a política do Brasil mudou de verdade. Nos interessa e temos o prazer de nos aproximarmos dos Estados Unidos", disse.

Semelhante a discurso que fez em março, quando foi recebido por Trump na Casa Branca, Bolsonaro disse gostar muito do presidente americano "desde antes da eleição". "Sempre o admirei desde antes das eleições, temos muita coisa em comum. Somos dois grandes países que juntos podem fazer muito pelos seus povos", afirmou.

Em resposta, também em tom de elogio, Trump disse que o Brasil é um país "tremendo" e que está entusiasmado para visitá-lo.

"Você tem ativos que alguns países nem conseguem imaginar. É um tremendo país, com uma população tremenda, então estou entusiasmado para ir [ao Brasil]", disse.

Trump disse estar tratando de negócios com o Brasil e que os dois países "estão comercializando muito mais que antes".

A Casa Branca divulgou nota dizendo que os dois líderes conversaram sobre apoio à população da Venezuela "num momento em que venezuelanos pedem democracia e liberdade".

"O presidente Trump e o presidente Bolsonaro também falaram sobre riscos associados às atividades chinesas no Ocidente."

Os dois líderes terão encontros bilaterais com o dirigente chinês, Xi Jinping, no sábado (29), no segundo e último dia da cúpula do G20.

Antes do início da conversa com Bolsonaro, Trump respondeu a questionamentos feitos pela imprensa e disse esperar que a agenda com o chinês "seja no mínimo produtiva".

A cúpula do G20 se dá em meio a um cenário de tensão em torno da guerra comercial travada entre EUA e China.

"Será produtivo, quem sabe, mas no mínimo será produtivo. Vamos ver o que acontece e o que vem disso. Mas estamos muito bem como país, os Estados Unidos são o país mais pujante agora. Somos o maior país no mundo", disse Trump.

Questionado sobre o papel do Brasil como aliado dos EUA na disputa comercial que o país trava com a China, o americano disse que não é uma questão de ajuda. 

"Não é uma questão de ajudar, é uma questão de se vamos ou não fazer algo. Como temos uma boa oportunidade, vamos ver o acontece, no fim as coisas vão acontecer e boas coisas acontecem", disse.

Líderes posam para foto da cúpula do G20 em Osaka, no Japão - Brendan Smialowski/AFP

O presidente dos EUA também comentou sobre a Venezuela, dizendo que os dois países estão preocupados com os efeitos da ditadura de Nicolás Maduro

Ele disse estar trabalhando muito próximo à Colômbia para ajudar a população venezuelana. 

"Há uma crise humanitária, que mostra o que socialismo pode fazer. Eu tenho assistido aos debates entre reuniões e não me surpreendem. Quando você olha para o socialismo e para o que o socialismo pode fazer, é sobre o que se está falando", disse.

Trump aproveitou o tema para dizer que ouviu um rumor de que o partido Democrata, do qual é adversário, vai trocar de nome.
 
"Eu ouvi um rumor de que os democratas vão mudar o nome deles de Partido Democrata para Partido Socialista. Eu tenho ouvido isso, vamos ver o que eles fazem", disse.

Ainda sobre a Venezuela, o presidente americano negou que a comunidade internacional tenha perdido o momento de reverter o quadro político e econômico do país. "Não, não. As coisas levam tempo", disse.

EUA e Brasil estão entre os países que reconhecem o líder oposicionista Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.