Cristina Kirchner é indiciada sob suspeita de corrupção na Argentina

Ex-presidente responde a 11 processos; caso envolve denúncia feita por ex-motorista do governo

Sylvia Colombo
Buenos Aires

A ex-presidente argentina Cristina Kirchner foi indiciada nesta sexta-feira (20) pela justiça federal do país sob suspeita de corrupção, em um caso ligado ao "escândalo dos cadernos" —no total, ela responde a 11 processos

Além da atual senadora e candidata a vice na chapa de Alberto Fernández , outras 53 pessoas também foram indiciadas. 

O juiz federal Claudio Bonadio determinou que a ex-presidente e os outros acusados respondam por "associação ilícita" e corrupção.

A tendência, porém, é que o caso ainda demore a ser concluído, já que todos os envolvidos têm direito a entrar com um recurso contra a decisão. Apenas depois que esses procedimentos forem resolvidos é que o processo poderá avançar. 

O "escândalo dos cadernos" estourou no ano passado quando Oscar Centeno, ex-motorista do Ministério do Desenvolvimento, entregou ao jornal La Nación cópias de dezenas de anotações nas quais ele meticulosamente registrou supostas entregas de pacotes com dinheiro de empresários a funcionários do governo.

Os pagamentos seriam subornos dados para agentes públicos em troca de favorecimento em obras estatais. O caso envolve os principais empresários do país, como Ángelo Calcaterra (primo do presidente Mauricio Macri) e Enrique Pescarmona (da área de engenharia).

Bonadio também voltou a pedir ao Senado que retire a imunidade de Cristina Kirchner para que ela possa cumprir a prisão preventiva já ordenada pela Justiça. Mas a Casa, que tem maioria peronista, se nega a colocar o assunto em votação.

Em sua decisão, o juiz afirmou que "os delitos puderam ser realizados por conta da cobertura brindada por funcionários em altos cargos no país, devendo destacar que muitas das condutas ilícitas que se encontram provadas nesta instância foram reconhecidas pelos seus autores".

Durante a investigação, Bonadio vem usando a figura da Lei do Arrependido, parecida a da delação premiada do Brasil, que antes só era usada para casos de narcotráfico. Recentemente, porém, o Congresso autorizou o uso da norma também em investigações de corrupção.

Além deste caso, Cristina Kirchner também é acusada de enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro por meio de sua rede de hotéis na Patagônia e desvio de dinheiro de obras públicas por meio de associação com o empresário Lázaro Báez, que está preso.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.