Descrição de chapéu Governo Trump

Casa Branca veta depoimento e declara guerra ao impeachment

Embaixador na União Europeia é impedido de falar em comitês da Câmara

São Paulo e Washington | Reuters

Numa medida vista como declaração de guerra contra o Poder Legislativo, a Casa Branca proibiu nesta terça-feira (8) o embaixador americano na União Europeia de depor no processo de impeachment contra Donald Trump

A decisão abre a possibilidade de o presidente ser acusado de obstrução de Justiça. 

O Executivo enviou uma carta aos líderes do Partido Democrata na Câmara dos Deputados dizendo que o processo de impeachment viola o direito de Trump ao devido rito legal, e, por isso, não entregará os documentos solicitados nem autorizará funcionários a prestar depoimento. 

“Para cumprir seus deveres com o povo americano, com a Constituição, com o Executivo e com todos os futuros ocupantes da Presidência, o presidente Trump e sua gestão não podem participar de seu inquérito partidário”, afirma na carta Pat Cipollone, advogado da Casa Branca.

O presidente americano, Donald Trump, discursa durante evento na Casa Branca
O presidente americano, Donald Trump, discursa durante evento na Casa Branca - Brendan Smialowski - 7.out.19/AFP

O depoimento que não houve foi o do embaixador Gordon Sondland, que doou US$ 1 milhão (R$ 4,1 milhões) para o comitê que organizou a festa de posse do republicano. 

Ele deveria ter se reunido nesta terça-feira com três comitês da Câmara (o de Relações Exteriores, o de Inteligência e o de Supervisão) que analisam os esforços de Trump para convencer a o governo ucraniano a investigar o democrata Joe Biden. 

Em resposta, os comitês intimaram o embaixador a comparecer no dia 16 e explicar sua participação no caso.

“Consideramos que essa interferência é uma obstrução do processo de impeachment”, disse o comunicado conjunto assinado pelos comitês da Câmara dos Deputados.

Numa rede social, Trump afirmou que seus aliados são perseguidos pelos democratas, que têm maioria na casa.

“Eu adoraria enviar o embaixador Sondland, um homem muito bom e um grande americano, para testemunhar, mas infelizmente ele daria o depoimento em um tribunal de cangurus totalmente comprometido, no qual os direitos dos republicanos foram retirados e os fatos verdadeiros não são exibidos ao público”, escreveu o presidente.

A expressão “tribunal de cangurus” é usada para caracterizar tribunais de exceção, que ignoram direitos dos réus.

“Não apenas o Congresso está sendo privado do testemunho, mas também sabemos que o embaixador tem mensagens de texto e emails que foram fornecidos ao Departamento de Estado, embora os tenhamos solicitado”, disse o democrata Adam Schiff, líder do comitê de Inteligência.

Sondland é um empresário do ramo hoteleiro que apoiou Trump durante a campanha. Em maio, ele foi nomeado pelo presidente para comandar a diplomacia americana na União Europeia. 
Seria, assim, o primeiro doador do americano e o primeiro indicado político a depor no processo de impeachment.

Todos os ouvidos até agora eram funcionários de carreira, incluindo o ex-enviado especial dos EUA para a Ucrânia Kurt Volker e Michael Atkinson, inspetor-geral do setor de Inteligência dos EUA.

Outra diplomata de carreira, Marie Yovanovitch, deve se reunir com os comitês na sexta-feira (11). Ela era a embaixadora na Ucrânia até maio.

A investigação do impeachment tem como foco alegações feitas por um informante de que Trump usou a retenção de uma ajuda militar de quase US$ 400 milhões (R$ 1,6 bilhão) para pressionar o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, a investigar Joe Biden e seu filho Hunter, que fazia parte do conselho de uma empresa de gás ucraniana.

Ex-vice de Barack Obama, Biden é um dos principais candidatos à indicação presidencial democrata para 2020.

Segundo a agência Reuters, os advogados do informante estão perto de um acordo para que ele preste depoimento ainda nesta semana. No domingo (6) foi revelada a existência de outro delator.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.