Netanyahu diz que Bolsonaro se comprometeu a mudar embaixada para Jerusalém em 2020

Premiê deu declaração ao lado de Eduardo durante a inauguração de escritório comercial brasileiro na cidade

Jerusalém | AFP

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou neste domingo (15) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se comprometeu a mudar a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém em 2020. 

Durante a inauguração de um escritório da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) na cidade, o premiê comemorou "o compromisso do presidente Bolsonaro de abrir uma embaixada em Jerusalém no próximo ano". ​

Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu ao lado do deputado Eduardo Bolsonaro na abertura de escritório da Apex.
Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu ao lado do deputado Eduardo Bolsonaro na abertura de escritório da Apex. - Gil Cohen-Magen /AFP

A declaração foi dada ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, que foi a Israel para acompanhar a inauguração e fez coro com o primeiro-ministro. 

“[Jair Bolsonaro] me disse que é certo, é um compromisso, vai transferir a embaixada para Jerusalém, fará isso", afirmou Eduardo, que também preside a Comissão de Relações Exteriores da Câmara. 

"Queremos dar esse passo em Jerusalém, não apenas para o Brasil, mas como um exemplo para o resto da América Latina", ressaltou Eduardo durante a abertura do escritório. 

O status da cidade de Jerusalém é uma das questões mais complexas do conflito israelense-palestino.

Israel ocupa Jerusalém Oriental desde a guerra de 1967 e depois anexou a região, um ato que nunca foi reconhecido pela comunidade internacional.

Israel considera toda a cidade como sua capital, enquanto os palestinos querem transformar Jerusalém Oriental de seu futuro Estado. 

A ONU recomenda a manutenção das representações em Tel Aviv, onde a maioria das embaixadas estão localizadas, até que o impasse seja solucionado. 

Desde novembro de 2018, após ganhar as eleições Bolsonaro tem dito que irá mudar a embaixada de cidade.

Mas durante uma visita ao país em março, o brasileiro anunciou apenas a abertura de um escritório da Apex na cidade. Na ocasião, ele afirmou que isso seria o primeiro passo para a transferência da embaixada.  

A mudança da embaixada para Jerusalém, algo que os Estados Unidos de Donald Trump fizeram, é vista nos meios diplomáticos como uma forma de legitimar o status israelense da cidade e sofre forte oposição dos países árabes. 

É exatamente por isso que o agronegócio brasileiro tem se posicionado contra a mudança da embaixada, já que teme que a ação poderia prejudicar a exportação de carne para os árabes. 

Por outro lado, Bolsonaro tem o apoio da bancada evangélica para fazer a mudança. 

Entre grupos evangélicos, há a crença de que Jesus Cristo só voltará à Terra se os judeus estiverem fixados em Israel —algo que afirmam acreditar ser reforçado pelo reconhecimento de Jerusalém como capital.

Eduardo também defendeu que o Brasil reconheça o Hizbullah como um grupo terrorista. "Nós vamos combater o terrorismo juntos. Se nós queremos prevenir um ataque terrorista, nós temos que mostrar força", disse, segundo o jornal The Jerusalem Post.

Milícia xiita, o Hizbullah se formou após a invasão de Israel no Líbano em 1982. É considerado terrorista pelos EUA e pela União Europeia. No entanto, o grupo é também um partido político, que atua no Líbano. E, em regiões de maioria xiita, desempenha função assistencial, provendo saúde e educação.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.