Descrição de chapéu Eleições EUA 2020 jornalismo

Mídia dos EUA encara como conservar público de 'órfãos' de Trump

Depois da derrota do presidente, veículos mais à direita moderaram tom e levaram público a buscar alternativas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Dias depois da eleição, um assessor de Joe Biden para mídia não gostou do que vinha acompanhando no Facebook e desabafou publicamente. A plataforma estava, escreveu Bill Russo no Twitter, “destruindo o tecido da nossa democracia”, permitindo e até estimulando desinformação.

Não foi manchete naqueles dias de apuração, Russo apagou a mensagem em seguida, mas Mark Zuckerberg, presidente do Facebook, teria lido.

Em reunião com funcionários logo depois, vazada para BuzzFeed News e The New York Times (NYT), ele decidiu então alterar o algoritmo da rede social. Foi após o fechamento das urnas, não afetou o resultado da eleição, mas mostrou que ele tem, de fato, o poder de editar o Facebook como quiser e de forma quase imediata.

O presidente Donald Trump fala com jornalistas após realizar teleconferência com militares, em Washington
O presidente Donald Trump fala com jornalistas após realizar teleconferência com militares, em Washington - Erin Scott - 26.nov.20/Reuters

Zuckerberg elevou o peso que o algoritmo dava para as pontuações dos veículos de comunicação em seu ranking interno de “Qualidade do Ecossistema de Notícias”.

O resultado foi aumentar a visibilidade para veículos tradicionais como CNN e NYT, de acordo com o próprio NYT, em detrimento de sites à direita, como o Breitbart.

Com a revelação da mudança, a pressão dos democratas passou a ser pela manutenção do algoritmo como ele está.

Do lado republicano e de outros, sobreveio uma revolta pela aparente comprovação de alinhamento entre plataformas e mídia para favorecer Biden.

Para Ben Shapiro, do Daily Wire, uma das novas referências à direita, as redes sociais terão o que merecem, caso atuem como “megafones para a mídia tradicional, suprimindo seus concorrentes”. Elas foram, afinal, “o lugar ao qual os americanos recorreram, se estavam insatisfeitos com a mídia monolítica de esquerda”, afirmou.

O episódio revelou não só o poder de Zuckerberg para conter a disseminação de desinformação, se quiser, mas também para usá-lo como barganha em negociações. É uma arma agora às claras, para se defender das ameaças de divisão da empresa, tirando dele, por exemplo, o Instagram.

No início do ano, Biden declarou, sem rodeios: “Nunca fui um fã de Zuckerberg. Eu acho que ele é verdadeiramente um problema. Não devemos nos preocupar só com a concentração de poder, mas com o fato de eles não serem isentos. Propagam falsidades que sabem ser falsas. É totalmente irresponsável”.

O presidente eleito, assim como muitos republicanos e democratas no Congresso, quer derrubar a chamada seção 230, legislação que impede que as plataformas sejam processadas pelo conteúdo que publicam.

Para Carlos Eduardo Lins da Silva, professor do Insper, “vai haver muito jogo político entre Big Tech, Congresso e o governo Biden”, a partir de agora.

“Um jogo de toma-lá-dá-cá, com toda a questão do monopólio, se vai quebrar ou não essas grandes empresas, a taxação digital. E a tendência é de uma atitude, digamos, menos conservadora do Facebook.”

Mas o saldo das plataformas na eleição é positivo, acrescenta. “O comportamento de 2020 foi diferente e, na minha opinião, muito melhor do que em 2016, embora ainda insuficiente para dar conta das notícias falsas.”

O canal Fox News, também logo após o dia da votação, declarou o estado do Arizona para Biden, no que foi visto como precipitação até por veículos tradicionais, como a CNN. O efeito, como no caso do Facebook, foi que o republicano Donald Trump e seus seguidores ameaçaram se afastar do canal.

“A Fox News foi um dos maiores perdedores da eleição”, diz o publicitário e analista político Alexandre Borges. “Aos olhos do público conservador, a emissora passou a mimetizar parte da linha editorial dos concorrentes, o que foi devastador para a sua credibilidade.”

O canal procurou manter a posição e não só repórteres, mas também alguns de seus âncoras de opinião, se opuseram à resistência de Trump em aceitar sua derrota.

Tucker Carlson e Laura Ingraham —e até o histórico radialista Rush Limbaugh, que não é da Fox— questionaram a falta de provas das supostas fraudes e reconheceram a vitória de Biden.

Eles estimularam Trump a fazê-lo também e, assim que o republicano deu os primeiros sinais de admitir a
saída do poder, reaproximaram-se do discurso trumpista.

Nos dois episódios, de Facebook e Fox News, surgiram supostos concorrentes pela direita. No caso da rede social, a plataforma Parler se ofereceu publicamente em entrevistas do CEO, John Matze.

“Esse tipo de coisa secreta do Facebook com o algoritmo é orwelliano”, disse ele à Fox News, sobre a mudança que privilegiou NYT e CNN. “O Parler acredita que as pessoas devam determinar por si mesmas o que gostariam de acompanhar. Aqui elas podem escolher com o que vão se engajar.”

No caso da Fox News, os canais Newsmax e OAN também se pronunciaram, sobretudo o primeiro, em entrevistas do CEO Chris Ruddy.

“Eles são esquizofrênicos”, disse ele ao site Mediaite, sobre a diferença entre os programas de opinião e noticiosos da Fox News. “De um lado, totalmente devotados a Trump. De outro, altamente críticos a ele.”

Nem a rede social Parler nem os dois canais podem ser vistos ainda como concorrentes de fato, mas a Fox News tratou de se defender junto ao seu público. Seus âncoras pró-Trump evidenciaram que continuam no canal, não o seguiriam às cegas —e com contratos menores.

No Facebook ou no Parler, vendo Fox News ou Newsmax, o certo é que Trump não sai da Casa Branca tão fraco. Com 74 milhões de votos após meses de avaliações negativas devido à sua condução da pandemia, o presidente tem um capital de audiência para lançar algo novo ou pressionar o velho. Facebook, Fox News e outros não têm como prescindir dele.

“Trump e o Partido Republicano mostraram força substantiva”, diz Dennys Xavier, da Universidade Federal de Uberlândia e do Instituto Mises. “E esse público obviamente continuará a demandar seu espaço nas redes já estabelecidas.”

Um movimento em falso pode causar migração agressiva, acrescenta. “Duvido muito que se avance com uma asfixia das pautas e mídias conservadoras. Por visão pragmática de mercado.”

Lins da Silva concorda. “Trump teve uma votação impressionante, praticamente metade dos eleitores. É um potencial muito grande para o canal dele ou para o Parler.”

Borges também. “Como é evidentemente impossível calar metade do país, sempre haverá espaço para veículos voltados ao público americano tradicionalmente identificado com valores mais conservadores.”

Ainda é cedo para saber o que muda, diz ele, mas os serviços gratuitos das redes sociais “mostraram seu maior custo: um controle cada vez mais autoritário sobre o conteúdo”.

É a visão também na esquerda, que abriu campanha, como no caso de Matt Taibbi, maior estrela da plataforma de jornalismo independente Substack, contra a censura.


A mídia americana sob Trump


Facebook 
Maior rede social do mundo (2,7 bilhões de usuários), é alvo de polêmicas devido à circulação de desinformação e anúncios políticos

Twitter 
Um dos principais canais de comunicação de políticos e jornalistas. A rede tem 340 milhões de usuários e recebe críticas similares àquelas direcionadas ao Facebook

Parler 
Usada por adeptos de teorias da conspiração (como a QAnon,) e conservadores, a rede social ganhou espaço após Twitter e Facebook adotarem políticas de conteúdo mais rígidas

The New York Times 
O prestigiado jornal tem orientação editorial liberal. Sob Trump, adotou tom crítico ao presidente

Fox News
A emissora conservadora se destacou pela defesa de Trump e pelo espaço dado a ele e seus aliados, inclusive na divulgação de desinformação

CNN 
Canal, que recebeu críticas na pré-campanha de 2016 por abrir espaço a Trump, tornou-se depois o principal alvo do presidente, durante o mandato

Breitbart
Site apoia Trump e é questionado por promover nacionalismo branco. Na campanha de 2016, foi dirigido pelo assessor político Steve Bannon

Drudge Report 
O agregador de notícias, de perfil conservador e populista, passou em 2019 a dar espaço a críticas ao governo Trump

Newsmax 
O canal conservador sustentou diversas teorias da conspiração sobre a eleição de 2020, além de alegações de fraude

AON 
A TV de ultradireita é frequentemente promovida pelo presidente. Produziu reportagem infundada sobre fraude eleitoral que foi compartilhada por Trump

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.