Navalni aparece mais magro, cansado e de cabeça raspada em 1º vídeo após greve de fome

Opositor russo que perdeu 22 kg na prisão, segundo advogado, participa de audiência em caso de difamação contra ex-militar

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Moscou | AFP e Reuters

Alexei Navalni, 44, principal opositor de Vladimir Putin, voltou a fazer denúncias contra o sistema judiciário e o presidente russos nesta quinta-feira (29), durante sua primeira aparição em vídeo desde que encerrou uma greve de fome, na semana passada, após 24 dias.

O ativista, cujas declarações e rede de apoiadores vêm gerando dores de cabeça ao Kremlin, perdeu 22 kg nesse período, segundo um de seus advogados. Nesta quinta, ele participou por vídeo de uma audiência no caso em que é acusado de difamar um veterano russo da Segunda Guerra Mundial.

Navalni disse ter sido levado para tomar banho e parecer "decente" durante a audiência. "Eu me olhei no espelho. Claro, sou apenas um esqueleto horrível", disse ele, acrescentando que agora pesava 72 kg, o mesmo peso de quando estava na escola.

Sobre sua alimentação, o opositor afirmou ter conseguido comer apenas quatro colheres de mingau na quarta (28) e que tomar dez colheradas seria um avanço. "Há quatro dias que peço um pouco de maçã, mas a questão ainda não foi resolvida", disse ele, insinuando maus-tratos que estaria recebendo na prisão. "Mas mingau —o quanto você quiser."

Imagens de Alexei Navalni exibidas em telas durante audiência em um tribunal de Moscou, na Rússia - Tribunal Distrital de Babushkinski/Divulgação - 29.abr.21/Reuters

Visivelmente mais magro, com a cabeça raspada e parecendo cansado, Navalni manteve o tom desafiador e partiu para o ataque a Putin, reiterando acusações de corrupção, e ao Judiciário, exigindo que os promotores responsáveis pelo seu caso sejam levados à Justiça criminal.

"Quero dizer à querida corte que seu rei está nu", disse ele em referência ao líder russo. "Milhões de pessoas já estão gritando sobre isso, porque é óbvio. Sua coroa está pendurada e escorregando. Seu rei nu e ladrão quer continuar governando até o fim. Mais dez anos virão, uma década roubada virá."

Navalni está preso desde janeiro, acusado formalmente de violar os termos de sua liberdade condicional ao sair do país, ainda que a saída tenha ocorrido sob uma justificativa médica —ele estava em coma.

Em fevereiro, no entanto, ele foi considerado culpado de difamar um militar russo que combateu na Segunda Guerra e que participou de um vídeo em apoio às reformas constitucionais no ano passado —um referendo autorizou a mudança que deu a Putin o direito de concorrer a mais dois mandatos no Kremlin e permanecer no poder até 2036.

Navalni descrevera as pessoas que aparecem no material promocional como traidores e lacaios corruptos, mas se defendeu dizendo que os comentários não foram dirigidos especificamente ao veterano —na Rússia, é crime ofender pessoas consideradas heróis de guerra.

A pressão crescente sobre Navalni, além de ter levado à sua prisão, também se traduziu em centenas de detenções a pessoas que participaram de manifestações contra o governo de Putin e em operações policiais nas sedes das organizações ligadas a ele e até nas casas de seus colaboradores, o que a oposição denuncia como uma perseguição judicial com o objetivo de silenciá-la.

Nesta quinta, Leonid Volkov, um dos principais aliados de Navalni, publicou um vídeo no YouTube em que anuncia a suspensão das atividades de escritórios regionais da Fundação Anticorrupção (FBK, na sigla em russo), fundada pelo opositor. "Estamos oficialmente dissolvendo a rede Alexei Navalni", disse Volkov, indicando, no entanto, que alguns escritórios de outros grupos ligados ao adversário do Kremlin manterão suas atividades de forma independente.

A dissolução das organizações obedece a uma decisão da Justiça que, na segunda-feira (26), determinou a suspensão com base em um processo em que os promotores pedem o banimento definitivo dos grupos, sob acusação de extremismo. O Judiciário russo é nominalmente independente, mas as decisões frequentemente estão alinhadas aos interesses do Kremlin.

O termo "extremismo" tem uma definição muito ampla na lei russa e permite às autoridades lutar contra organizações de oposição, facções racistas ou terroristas, como o Estado Islâmico, bem como grupos religiosos, como, por exemplo, as Testemunhas de Jeová.

O fim da FBK e de outros grupos ligados a Navalni ainda não é certo, já que a Justiça, em tese, ainda está analisando o caso para uma decisão definitiva. Se condenadas, as organizações ficarão proibidas de participar das eleições, organizar protestos ou publicar qualquer conteúdo na internet. Além disso, as autoridades terão poder legal para prender seus colaboradores e congelar suas contas bancárias.

"Manter o trabalho da rede de Navalni em sua forma atual é impossível: isso imediatamente levaria a sentenças criminais para aqueles que trabalham na sede, que colaboram com eles e para aqueles que os ajudam", disse Volkov.

Ainda segundo seus aliados, Navalni também é alvo de um novo processo criminal, segundo o qual ele teria criado uma organização sem fins lucrativos que infringe direitos de cidadãos russos.

A FBK é conhecida por apontar casos de corrupção da elite política. Uma das produções da organização acusa Putin de possuir um luxuoso palácio às margens do Mar Negro. O vídeo publicado em janeiro de 2020 teve mais de 11 milhões de visualizações no YouTube e forçou Putin a negar a acusação.

Blogueiro e advogado, Navalni surgiu na cena pública nos protestos contra o presidente em 2012. No ano seguinte, candidatou-se a prefeito de Moscou e conquistou 27% dos votos. Mas foi em 2017 que ele apareceu para o mundo, ao comandar via internet a convocação de uma jornada de protestos que uniu milhares nas ruas. Devido a acusações judiciais, foi impedido de concorrer contra Putin em 2018.

Passou então a uma outra tática: fomentar qualquer candidatura em nível regional contrária ao Rússia Unida, o partido governista. Ele logrou sucessos simbólicos nos pleitos locais de 2019 e 2020, e sua volta à Rússia era vista como uma preparação para o embate das eleições parlamentares de setembro. Agora, com ele preso, há a expectativa de que sua esposa, Iulia Navalnaia, ganhe destaque na oposição a Putin.

Navalni foi envenenado em agosto de 2020 e acusou diretamente Putin pela tentativa de assassinato. Ele foi tratado em Berlim, onde os médicos afirmaram ter encontrado em seu corpo traços de Novitchok, famoso veneno utilizado pelos serviços secretos russos.

Depois, Navalni divulgou a gravação de um trote que aplicou em um dos agentes do FSB (Serviço Federal de Segurança, sucessor da KGB) apontados como autores do ataque —nele, o espião acredita falar com um superior e admite ter colocado veneno na cueca do ativista no quarto de um hotel. O Kremlin nega qualquer envolvimento, e Putin ironizou que, se a Rússia quisesse matar Navalni, o teria feito.

O opositor foi preso em janeiro, ao voltar à Rússia depois de receber tratamento na Alemanha contra o envenenamento. Navalni teve uma sentença de prisão por fraude comutada em 2014, em uma ação que classifica como perseguição judicial. A Justiça russa confirmou em fevereiro a sentença do ativista anticorrupção. No total, foi condenado a três anos e meio de prisão, dos quais já cumpriu dez meses em regime domiciliar.


O CASO NAVALNI

2012 Alexei Navalni, blogueiro e advogado, surge na cena pública em protestos contra o presidente russo, Vladimir Putin

2013 Candidata-se à Prefeitura de Moscou e conquista 27% dos votos; Serguei Sobianin foi eleito com 51,37% dos votos

2017 O opositor ganha notoriedade mundial ao comandar via internet a convocação de uma jornada de protestos que levou milhares às ruas da Rússia; comissão eleitoral do país impede Navalni de concorrer contra Putin na eleição do ano seguinte por condenação, em 2013, de desvio de recursos em uma província

20.ago.20 Navalni é internado em hospital da Sibéria por passar mal durante voo para Moscou e fica em coma; sua porta-voz diz que ele foi vítima de envenenamento, mas o chefe do centro médico diz que o diagnóstico é uma doença metabólica causada pelo baixo nível de açúcar no sangue

22.ago.20 Após pressão, médicos recuam, e o opositor é transferido para um hospital em Berlim, na Alemanha

24.ago.20 Médicos alemães responsáveis pelo tratamento de Navalni confirmam o envenenamento por uma substância que atua no sistema nervoso

2.set.20 Alemanha afirma que o líder opositor foi envenenado com Novitchok, grupo de agentes neurológicos desenvolvido pela União Soviética nos anos 1970 e 1980 e substância da mesma família do veneno identificado pelo Reino Unido, em 2018, no envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal; Kremlin nega envolvimento

7.set.20 Navalni sai do coma induzido, mas ainda depende da ajuda de um respirador artificial

15.set.20 Opositor publica primeira foto da recuperação em redes sociais, em que diz não precisar mais de aparelhos para respirar

23.set.20 Hospital dá alta para Navalni, que permanece na Alemanha

17.dez.20 Sob acusação, Putin diz, em tradicional entrevista coletiva anual, que se os serviços secretos da Rússia quisessem envenenar o líder opositor, "provavelmente teriam acabado com ele"

21.dez.20 Navalni divulga a gravação de um trote que deu em um dos agentes do FSB (Serviço Federal de Segurança, sucessor da KGB) apontados como autores do ataque no qual o espião acredita falar com um superior e admite ter colocado veneno na cueca do ativista no quarto de um hotel

17.jan.21 Líder opositor deixa a Alemanha, volta para Rússia e é preso ao desembarcar no aeroporto de Moscou, pois sua saída prolongada do país violou sua liberdade condicional de uma sentença por fraude suspensa em 2014

23.jan.21 Milhares vão às ruas na Rússia contra a prisão de Navalni em atos em cerca de cem cidades que acabam com ao menos 2.500 detidos

31.jan.21 Mais 5.600 manifestantes pró-Navalni são detidos em novos protestos

2.jan.21 Justiça russa reativa sentença de 3,5 anos contra Navalni por violação da liberdade condicional; como já havia ficado 10 meses preso em casa após uma condenação inicial, ele cumprirá os dois anos e oito meses restantes numa colônia penal; audiência gera protestos no país e ao menos 1.200 são detidos, segundo ONG

5.fev.21 Rússia expulsa diplomatas da Alemanha, da Suécia e da Polônia, sob acusação de que eles teriam participado de protestos em janeiro contra a prisão do líder opositor

8.fev.21 Alemanha, Suécia e Polônia reagem e também expulsam diplomatas russos de seus países

14.fev.21 No Dia dos Namorados na Rússia, apoiadores de Navalni organizam atos de protesto à luz de velas

20.fev.21 Opositor sofre dupla derrota judicial após corte negar recurso contra sua prisão e o considerar culpado em caso de difamação contra um veterano da Segunda Guerra Mundial, aplicando multa de 850 mil rublos (R$ 61,8 mil) por calúnia e difamação

24.fev.21 Navalni deixa centro de detenção em Moscou para ser transferido para colônia penal a 200 km da capital russa; segundo a agência de notícias russa RIA, ele chegou ao local quatro dias depois, em 28.fev

12.mar.21 Líder opositor é transferido para outra colônia penal, sem conhecimento dos advogados

25.mar.21 Navalni acusa guardas da colônia penal a 100 km de Moscou de o privarem de sono durante a noite, prática que ele compara à tortura, e terem negado acesso a tratamento médico adequado

31.mar.21 O opositor inicia uma greve de fome por condições da prisão

17.abr.21 Médicos que o acompanham a distância disseram que ele poderia sofrer uma parada cardíaca a qualquer momento, devido à falta de nutrientes em seu corpo

19.abr.21 Navalni é transferido para unidade hospitalar

23.abr.21 O opositor encerra greve de fome, após 24 dias

26.abr.21 Justiça determina suspensão de atividades de organizações ligadas a Navalni

29.abr.21 Navalni faz primeira aparição em vídeo após fim da greve de fome, e seus apoiadores anunciam dissolução de organizações ligadas ao ativista

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.