Descrição de chapéu
Bruno Brulon Soares e Renata Vieira da Motta

Museus em tempos de Covid-19: o luto e a luta

Instituições podem desempenhar papel regenerativo sobre a vida das pessoas

Bruno Brulon Soares Renata Vieira da Motta

A crise do coronavírus se alastra por todos os setores: da política à cultura, da economia global à vida privada, dos hospitais aos museus. Reforça incertezas que já se espalhavam como uma doença crônica em sistemas públicos e privados. Já havia chegado de forma sensível em nossas instituições culturais e, agora, ameaça sua própria existência.

Museus, teatros, cinemas estavam entre os primeiros a fechar as portas. Desde então, têm enfrentado o desafio da sobrevivência. Apenas nas organizações sociais de cultura que atuam no estado de São Paulo houve um corte de R$ 68 milhões, que já significou redução salarial temporária ou suspensão de contratos para 80% dos seus colaboradores.

Incêndio atinge parte do acervo do Museu de História Natural da UFMG em Belo Horizonte
Incêndio atinge parte do acervo do Museu de História Natural da UFMG em Belo Horizonte - CBMMG/Divulgação

Esse cenário não é novo, e seus sintomas começaram a aparecer durante o incêndio do Museu Nacional do Rio de Janeiro, em 2018 —sintoma que novamente apareceu nesta semana no incêndio do Museu de História Nacional da UFMG. Ligados a um Estado que se exime da responsabilidade sobre sua manutenção, os museus se inserem com dificuldade na economia global e lutam para se ajustar aos fluxos dos sistemas liberais.

O Cadastro Nacional indica a existência de 3.700 museus no Brasil, sendo 67% públicos. Nas últimas duas décadas, apoiados por políticas culturais comprometidas com a justiça social, se multiplicaram e se diversificaram, colocando em prática a sua função social. Surgiram pequenos e potentes museus de comunidades, geridos por grupos que fizeram da sua vulnerabilidade um motivo para a resistência: museus de favela, de quilombos, indígenas, da memória proletária, das mulheres e das pessoas LGBT, entre outros, povoam hoje a paisagem museal brasileira, que vem se distanciando do lastro histórico da uma elite cultural. Nesse contexto diverso e plural, o Estado deve proteger e disponibilizar meios para a sobrevivência dessas instituições.

Incêndio atinge parte do acervo do Museu de História Natural da UFMG em Belo Horizonte (MG)
Incêndio atinge parte do acervo do Museu de História Natural da UFMG em Belo Horizonte (MG) - CBMMG/Divulgação

Os museus já provaram a sua função em tempos de crises. No pós-guerras na Europa, assumiram o papel de reerguer sociedades devastadas, por incentivo da Unesco e do Conselho Internacional de Museus (Icom), criados em 1946. Desde então, reestabeleceram o sentido de pertença das pessoas diante das adversidades, tornando-se um lugar seguro para tratar assuntos difíceis.

Os museus serão obrigados a repensar sua função diante do fosso de desigualdade social e do luto com o qual todos teremos que lidar. Protegendo seus profissionais e assegurando a manutenção do patrimônio, devem servir como plataformas polivalentes para aspirações locais.

Museus são necessários para o luto e para a luta. No melhor uso que podemos lhes dar, essas instituições da memória podem desempenhar papel regenerativo sobre a vida das pessoas, e restaurativo do viver em sociedade, atuando sobre a nossa capacidade de reformular o passado no presente. Ao mesmo tempo, guardam o substrato de que precisamos para resistir e para lutar por um futuro melhor.

É preciso reconfigurar a experiência museal para as comunidades, nas comunidades e com as comunidades, fazendo dos museus um recurso democrático, socialmente inclusivo e economicamente sustentável. Como aprendemos com Ailton Krenak, para combater o vírus, para pensarmos em um outro mundo possível, temos de ter primeiro cuidado e depois coragem. Que os museus possam nos ajudar, com sabedoria e capacidade de transformação, na luta que está por vir

Bruno Brulon Soares

Presidente do Icom-Icofom (Comitê Internacional de Museologia do Conselho Internacional de Museus)

Renata Vieira da Motta

Presidente do Icom Brasil

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.