Descrição de chapéu

O tuíte do general

Relatada com novos detalhes, ameaça ao STF em 2018 abriu precedente perigoso

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

O general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, durante entrevista à imprensa em Curitiba, após cerimônia de passagem de comando da 5ª Divisão do Exército
O general Eduardo Villas Bôas, então comandante do Exército, em 2018 - Estelita Hass Carazzai - 13.nov.18/Folhapress

Em 3 de abril de 2018, um dia antes de o Supremo Tribunal Federal negar um habeas corpus que pouparia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de 580 dias de cadeia, o Exército resolveu falar do caso.

Na forma de postagem no Twitter do então comandante Eduardo Villas Bôas, a Força admoestou a corte sobre riscos à estabilidade institucional caso livrasse o líder petista, alvo mais graúdo da Lava Jato, da prisão que o esperava.

“ Asseguro à nação que o Exército brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia”, foi o texto descabido levado a público.

Nada estava dito com todas as letras, mas o recado era claro. O próprio general confirmaria, em entrevista à Folha no fim daquele ano, que tinha agido no limite da responsabilidade institucional.

O episódio voltou à tona com novas nuances, por iniciativa do próprio militar, com a publicação de um registro de história oral por parte do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getulio Vargas. Nele, VB, como o general é conhecido, não fica nada bem.

Ele repete a argumentação de 2018, segundo a qual não havia ameaça, e sim alerta pelo que considerava risco de agitação golpista por parte da população caso Lula fosse mantido livre.

O relato se adensa quando o general sugere que o temor era o da volta da esquerda ao poder. Lula, porém, estaria inelegível —como segue hoje, mesmo fora do cárcere.

Também é reveladora do quadro de então a descrição sobre como os fardados se entusiasmaram com a ascensão da candidatura presidencial do capitão reformado Jair Bolsonaro, até então mal visto devido a seu histórico de indisciplina.

Mais perturbador é saber que integrantes da atual cúpula da República participaram da discussão sobre tal nota na qualidade de membros do Alto-Comando do Exército —e que o teor inicial da mensagem era ainda mais duro.

Não que isso denote pendores golpistas. Tudo indica que a manifestação de Villas Bôas ficou circunscrita àquele episódio, apesar das idas e vindas de militares durante a crise institucional ensaiada por Bolsonaro ao longo de 2020.

O próprio general busca apaziguar espíritos ao dizer que respeitaria qualquer resultado da eleição. Nesse caso, mesmo o que é óbvio ululante precisa ser reiterado.

editoriais@grupofolha.com.br

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.