Para leitor, quartéis deveriam atender moradores de rua

Incredibilidade do STF limita marcha do país ao desenvolvimento, diz leitor

Morador de rua
Os centros de apoio a moradores de rua aqui em Curitiba são verdadeiros depósitos de pessoas. O poder público só oferece comida. Nem kits de higiene são fornecidos, e nas salas para artesanato, musicoterapia e atendimento psicológico nada acontece. O Exército, com instalações em vários bairros, poderia abrir as portas de seus quartéis para oferecer atividades sociais, de saúde e de cidadania a esse batalhão de moradores de rua.
Célio Borba (Curitiba, PR)

Credibilidade
Por maior que seja o otimismo criado por recentes indicadores, o Brasil continuará limitado na sua marcha ao desenvolvimento enquanto vigorar o clima de incredibilidade sobre a suprema corte. Cada vez que se reúne, esse colegiado provoca sobressaltos, oriundos de decisões desconcertantes, impregnadas de influências políticas, muitas vezes dependentes das identidades dos réus.
Paulo Roberto Gotaç (Rio de Janeiro, RJ)

Judiciário
Vanessa Mateus ("Painel do Leitor", 10/1) tem todo o direito de defender seus representados, mas considerar desrespeito a crítica às benesses das quais, como uma casta sagrada, apenas eles se beneficiam é muita prepotência. Quando prestaram concurso, já sabiam das exigências inerentes à função. Usar isso como argumento é a prova mais cabal de que a justiça não tem nada a ver com a lei.
Regina Célia Roland Novaes, professora aposentada (São Paulo, SP)

Sem protesto
"Explode número de projetos de lei que restringem direito a protesto" (Cotidiano, 10/1). Voto distrital misto! Legislador tem de andar de ônibus e metrô, viver no seu distrito eleitoral, usar o SUS e pôr os filhos em escola pública. Essa seria uma boa lei, em vez de reduzir a democracia. O argumento de tentar inibir vandalismo não é válido, pois já existem leis para isso
Roberto Ken Nakayama (São Paulo, SP)


Feliciano
O texto de Marco Feliciano ("Razão e sensibilidade", 9/1) foi esplêndido, mas a ditadura dos costumes não pode conceber democraticamente opinião diferente da sua e tenta impor à sociedade o seu pensar. Apoiada pela esquerda quando esteve no poder, por uns 20 anos, essa ditadura nos fez reféns, impedidos de sermos contrários a ela. E ainda criaram essa geração de música ruim, chata e intolerante.
Marco Antonio Cardoso de Andrade (Lorena, SP)

Em relação ao artigo "Razão e sensibilidade", gostaria de saber se o deputado federal Marco Feliciano observou abstinência sexual na juventude.
Franciscus d'Hanens (São Paulo, SP)


PIBs
Em 1994, o PIB do Brasil era de US$ 558 bilhões, e o da China, de US$ 564 bilhões. Em 2018, o PIB do Brasil foi de US$ 1,8 trilhão, e o da China, de US$ 13 trilhões.
Aldo Portolano (São Paulo, SP)



Merenda escolar
A professora Bebel ("Merenda como política de Estado", Opinião, 9/1) acertou sobre a necessidade de reduzir os gêneros ultraprocessados na merenda escolar e substituí-los por produtos orgânicos da agricultura familiar. Isso tem importante função na promoção de hábitos alimentares adequados em crianças e adolescentes. A folha de mandioca, que contém 26% de proteína, adicionada à merenda como farinha, responde a esses princípios e pensamentos modernos de hábitos alimentares saudáveis --além de ter baixo custo.
Nagib Nassar, professor e pesquisador da UnB (Brasília, DF)

0
A deputada estadual Maria Izabel Azevedo Noronha, a Professora Bebel (PT) - Bruno Santos/Folhapress

Queijo real
Sou um vendedor de queijos artesanais na cidade de São Paulo. Por meio deste prestigiado jornal, ofereço a Harry e Meghan duas vagas na minha equipe. Fixo mais comissão ("Família real: como Harry e Meghan poderão se tornar independentes financeiramente", F5, 9/1).
João Israel Neiva (São Paulo, SP)

Onças
"Após sofrerem com caça, onças-pintadas ressurgem no Parque do Iguaçu" (Ambiente, 10/1). Que boa notícia, e fotos lindas! Incluir a população na luta é fundamental.
Eliane Freitas (São Paulo, SP)

Finalmente uma boa notícia em relação ao meio ambiente.
Fabio Hadad (São Paulo, SP)


Ciclofaixas
Em relação à reportagem "Gestão Covas descumpre promessa e ciclofaixas de domingo desaparecem" (Cotidiano, 10/1), a prefeitura reitera que não mede esforços para retomar a operação da Ciclofaixa de Lazer aos domingos e feriados. Por determinação do prefeito Bruno Covas, a Secretaria Municipal de Transporte vai assumir o projeto e publicar edital de licitação para reativar os 117 km, mantendo essa importante opção de lazer para os paulistanos.
Marcus Vinicius Sinval, secretário Especial de Comunicação da Prefeitura de São Paulo (São Paulo, SP)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​. ​ ​  ​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.