Para leitor, governo faz bem ao incentivar abstinência sexual de jovens

Senhores da guerra criarão párias que serão sempre enxotados, diz leitora

Espera
Muito boas as atitudes do Ministério dos Direitos Humanos e do Instituto Escolhi Esperar de produzirem um programa e material educativo referente ao tema da abstinência sexual até o casamento ("Abstinência sexual proposta por ministério inspira HQ e série do Escolhi Esperar", Mônica Bergamo, 8/1). Lamentável a oposição de colunistas à ideia, que fomenta a formação de famílias bem constituídas.
Fernando Versiani dos Anjos (Belo Horizonte, MG)

Irã
Fiquei comovida com o artigo "A guerra às legendas" (Ilustrada, 8/1), em que Gregorio Duvivier cita o cinema iraniano. "Filhos do Paraíso" e "Tartarugas Podem Voar" estão na minha lista dos filmes inesquecíveis. Boa parte do povo iraniano não é fundamentalista, não apoia o governo e anseia pelas coisas simples da vida, criar os filhos, tocar a carreira, realizar projetos pessoais... Desgraçadamente, os senhores da guerra abortarão esses anseios e criarão milhões de párias, que seguirão pelo mundo, enxotados de todos os lugares por onde passarem.
Fátima Jinnyat (São Paulo, SP)


Cabeleira
Ao ler a crônica (ou conto?) "Problemas cabeludos", de João Pereira Coutinho (Ilustrada, 7/1), eu, que possuo farta cabeleira, confesso que a daria de bom grado ao Demo para, em troca, escrever bem assim. Grande Coutinho! Parabéns, Folha!
Luiz Carlos de Souza (São Paulo, SP)

ilustração em vermelho e preto mostra processo de transplante de cabelo em várias etapas.
Ilustração de Angelo Abu para coluna de João Pereira Coutinho de 7.jan.2020. - Angelo Abu

Juiz das garantias
Tenho lido vários argumentos a favor e contrários à criação do juiz das garantias. Só não vi um argumento, que aprendi na academia: o juiz de primeira instância participa da produção de todas as provas, interrogando autores, réus e testemunhas, o que o deixa mais habilitado a tentar se aproximar da justiça humana, não da justiça baseada na frieza dos autos.
Armando Pimentel (São Paulo, SP)


Nascida na periferia
Parabéns à Folha pela imparcialidade, democracia e coragem em publicar o artigo de Úrsula Passos que critica de forma veemente a premissa da reportagem "Nascida na periferia de SP vira secretária estratégica de Doria" (Poder, 6/1). Apenas quem tem compromisso com o leitor e interesse em dar voz aos discordantes das suas decisões nem sequer espera pela atuação da ombudsman e já antecipa críticas ácidas ao seu próprio modo de proceder.
Josenir Teixeira (São Paulo, SP)

A secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, Patrícia Ellen - Karime Xavier/Folhapress

Próteses
Sou estudante de prótese dentária e fui bolsista de um projeto de reabilitação de pessoas com deformidade bucomaxilofacial. A experiência foi incrível. Entender as necessidades dessas pessoas é fundamental para proporcionar-lhes qualidade de vida, reduzindo a tristeza e a angústia e auxiliando a renovação da autoestima. Muito lindo saber que outras equipes vêm desenvolvendo novas tecnologias ("Prótese de baixo custo dá novo rosto a sobrevivente de câncer em São Paulo", Cotidiano, 8/1). Estão de parabéns.
Glécia Rodrigues (João Pessoa, PB)

Energia solar
Gostaria de saber quanto eu vou ter que pagar para o governo pela utilização do sol ao tomar meu banho de sol diário no clube que frequento.
Rubens Sayegh (São Paulo, SP)

Porta dos Fundos
"Justiça determina censura de especial de Natal do Porta dos Fundos para 'acalmar ânimos'" (Ilustrada, 8/1). Decisão estapafúrdia, que atenta contra o Estado democrático de Direito e contra a língua portuguesa. "Suspenção"?
Valdeci Gomes (Guarabira, PB)


Onqotô?
A cantora Martha Galdos, imigrante peruana, constatou que tinha aprendido português ao entender o idiossincrático mineirês, que é quase uma língua dentro da língua. Onqotô? Pronqovô? Quemqosô? Essas questões filosóficas básicas, nesse rico jeito mineiro de falar, foram musicadas por Caetano Veloso e José Miguel Wisnik na magistral canção "Onqotô?", que soará única na bela voz de Martha ("Ao entender os mineiros, vi que tinha aprendido português, diz peruana", Mundo, 8/1).
Túllio Marco Soares Carvalho (Belo Horizonte, MG)

A cantora peruana Martha Galdos - Bruno Santos/Folhapress

Drama social
A praça Dom José Gaspar, com inúmeros moradores de rua, é o grande retrato da desigualdade social na capital paulista. Isso só ocorre porque políticos e governantes não temem o inferno após a morte. Enquanto isso, as dores choram e as lágrimas correm para algum lugar e se estancam nas portas de palácios. Que destinos terrenos deveriam ter homens públicos que ignoram ou fingem não ver suas obrigações?
Devanir Amâncio (São Paulo, SP)

Cachorros e carrinho de catador na praça Dom José Gaspar - Devanir Amâncio/Folhapress

Magistocracia
O professor Conrado Hübner Mendes foi cirúrgico em sua análise na coluna "A corrupção do Judiciário" (Poder, 8/1). Até quando estaremos fazendo de conta que vivemos numa República? Essa aristocracia de servidores públicos é apenas uma das guildas que sequestraram os cofres e os bolsos dos contribuintes.
Leonardo André Gandara (Belo Horizonte, MG)

Os juízes brasileiros defendem com unhas e dentes a necessidade de 60 dias de férias anuais --devido a seu trabalho "extremamente cansativo". Mas o que se viu no TJ de Pernambuco (e que talvez se repita em outros estados) foi o acúmulo de vários períodos de férias, com pagamentos retroativos milionários. Além de tantos outros privilégios, ainda conseguiram uma forma de ganhar mais.
Eva Stal (São Paulo, SP)

Bolsonaro
A preocupação dos políticos corruptos com Bolsonaro é grande. Em 2019, houve renovação no Congresso, mas insuficiente para um governante bem-intencionado colocar o Brasil no caminho da ordem e do progresso. Foram derrotadas as propostas de estender a validade da CNH para dez anos, aumentar para 40 o número de pontos para perdê-la e acabar com o DPVAT. Tudo isso seria justo para os motoristas, mas foi recusado pelo centrão e pelos esquerdistas —que aprovaram o fundão eleitoral de R$ 2 bilhões.
Benone Augusto de Paiva (São Paulo, SP)


Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br​. ​ ​ 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.