Descrição de chapéu racismo

Eleição é o tema mais comentado pelos leitores

Leitores falam de racismo e escravidão

Eleições
"Boulos tomou espaço do PT por falta de renovação, mas a raiz é a mesma, diz Covas" (Poder, 19/11). Gostaria de convidar o prefeito Bruno Covas para circular pela rua da Safra, no bairro do Capão Redondo. Buracos enormes, remendos malfeitos, terrenos públicos invadidos, sinalização de trânsito precária, árvores sem poda etc. É essa imagem que tenho de sua gestão. Quero que ele apareça por aqui.
Eduardo Freitas (São Paulo, SP)

*

A grande diferença nesse mar de aliados incômodos (como a própria Folha cunhou), é que Boulos não esconde o apoio do PT, de Lula e de outros, como Covas faz com Doria. Isso separa enormemente os dois.
João Guilherme Nunes Cruz (Brasília, DF)

Oxigenar o debate público, como fazem alguns candidatos nanicos, é saudável. O crescimento de Boulos exige, porém, mais responsabilidade nas propostas. Embora com um tom mais moderado, ele repete o nefasto e equivocado discurso populista.
Celso Bittencourt (São Paulo, SP)

*

Triste é o país dos Bolsonaros, e triste é a cidade cujo mandatário é o Crivella. De cristão o Crivella só tem o cargo de bispo. Infelizmente, os brasileiros estamos às moscas; os cariocas sofreram com esse prefeito. Infelizmente, esse homem enxovalha o nome de Cristo e o do Evangelho. Que os cariocas deem um basta a esse bispo-prefeito e o devolvam à IURD.
Roberto do Amaral Silva (Goiânia, GO)

Trump e a Justiça
"Fora da Presidência, Trump correrá risco maior de ser levado à Justiça" (Mundo, 19/11). Há uma frase recorrente nos EUA: "de duas coisas ninguém escapa, da morte e dos impostos". Al Capone, apesar de seus crimes de morte e de contrabando, foi condenado pela Justiça apenas por sonegação do Imposto de Renda. Da mesma forma, espera-se que Trump, uma vez alijado do poder, responda à Justiça, se não pelos crimes em relação à pandemia, pelo menos pelos crimes fiscais.
Moisés Spiguel (Campinas, SP)

Anseio engavetado
O ano de 2020 está findando, e o grande anseio da população brasileira está engavetado na Câmara. Trata-se da prisão após condenação em segunda instância. Sua vigência é para ontem, mas parece que os nossos deputados e senadores estão se autoprotegendo. Acorda, Rodrigo Maia!
Humberto Schuwartz Soares (Vila Velha, ES)

Escravidão

Papel amarelado, com letras escritas com pena e tinta, não é possível ler pela imagem
Carta que a escrava Esperança Garcia enviou ao governador do Piauí em 1770 - Arquivo

"Quem foi Esperança Garcia, negra escravizada reconhecida como primeira advogada do Piauí" (Poder, 19/11). Como neto de escravo e filho de pai que, mesmo sem ser escravo, nasceu em uma senzala, chorei muito ao ler a carta (ou a petição) de Esperança Garcia. Meu Deus, como sofreram meus antepassados! Muito ainda teremos que lutar, até mesmo em respeito à coragem de Esperança.
Edvaldo Santana (Brasília, DF)


Racismo
"Primeira negra eleita vereadora em Joinville é ameaçada de morte por vaga a suplente branco" (Poder, 19/11). Parabéns à professora e agora vereadora. Acredito que fará um excelente trabalho no Legislativo. O Brasil só será um país melhor quando houver diversidade na política. E muitíssimo melhor quando muitas mulheres estiverem no poder, pois elas são mais sensíveis e mais antenadas com as necessidades do povo. E vamos botar a Justiça na cola dos racistas!
Ana Maria Marques (Jundiaí, SP)

*

Extremistas de direita estão se sentindo muito à vontade no país, achando que podem tudo. É preciso dar um basta. Força, vereadora!
Mauro José Cavaletti (Monte Alto, SP)

Ana Lúcia Martins
Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira vereadora negra eleita em Joinville (SC) - Divulgação/PT


Lamentavelmente, mais uma vez meu estado vira manchete por uma vergonha. É interessante ver que esses grupos neonazistas são formados por descendentes de pessoas que provavelmente vieram para o Brasil ou para não morrer de fome, ou talvez devido à perseguição que sofriam nos seus países de origem.
Edailson Monteiro Rodrigues (Blumenau, SC)

*

Na verdade, a ascensão da extrema direita ao governo federal deixou os supremacistas brancos brasileiros muito à vontade para se posicionarem de forma agressiva.
Vilarino Escobar da Costa (Viamão, RS)

*

Acho esses supostos neonazistas deveriam ser mandados para a Alemanha (a Oriental), e os grupos neonazistas alemães deveriam ser avisados de que tem estrangeiro chegando.
Esleide Gomes (São Paulo, SP)


Gregorio Duvivier
"Em cima do muro, Guilherme Boulos prefere construir um teto" (Ilustrada, 18/11). O senhor Gregorio Duvivier ficou muito mal na fita quando sugeriu aos hackers que pegassem algo da alta direção de jornalismo da Globo. Falta de ética foi pouco.
Max Morel (São Paulo, SP)

*

Excelente o artigo de Gregorio Duvivier! Os fascistas ficaram arrepiados, pois preferem que as suas domésticas continuem sem teto, morando nos barracos das favelas.
Moacyr da Silva (São Paulo, SP)

Eder Jofre
"Campeão mundial há 60 anos, Eder Jofre quer reconhecimento (Esporte, 19/11). A bela reportagem de Marcos Guedes mostra que, apesar da pouca lembrança em tempos fluidos, o Galinho de Ouro estará para sempre eternizado no hino do clube que o revelou para o boxe: "... as tuas glórias vem do passado...".
Edson Domingues (São Paulo, SP)

*

O esquecimento dos grandes ídolos é uma característica dos brasileiros, acompanhada de perto pela mídia brasileira. Além de Eder Jofre, é possível citar muitos outros. Maguila, por exemplo, só é lembrado por alguma coisa negativa. É o que ocorre também em relação a Emerson Fittipaldi. Maria Esther Bueno, morta em 2018, também teria ficado muito tempo no ostracismo se não fosse a TV tê-la convidado para comentar alguns torneios ocasionalmente.
José Carlos de Oliveira (São Paulo, SP)

Globalização
"A globalização sobreviveu à pandemia" (Mercado, 19/11). Excelente artigo de Solange Sour, que nos mostra a importância de estarmos todos inseridos na cadeia produtiva global e construindo bem nossas pontes de relacionamento mundial.
Célia Regina Ferraro Previato (São Paulo, SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.