Leitores comentam estupro de Mariana Ferrer

Eleição nos EUA é tema de comentários

Mariana Ferrer
"Sabem o que vai acontecer com o juiz incompetente, o promotor omisso e, principalmente, com o advogado machista, estúpido e covarde? Nada! Não há setor mais corporativista no Brasil que o Judiciário. Minha total solidariedade a Mariana! ("Corregedoria Nacional de Justiça vai apurar conduta de juiz de Santa Catarina em caso de Mariana Ferrer", Cotidiano, 4/11)
Carlos Eduardo Andrade Tardivo (São Paulo, SP)

*

O julgamento e condenação de Mariana Ferrer infelizmente ocorre com frequência e tem história milenar: Eva, Pandora, Dalila, Salomé, entre outras, são tachadas de ladinas, lascivas, ardilosas; ou seja, verdadeiros demônios, que fazem com que o macho alfa, hétero e cisgênero seja presa fácil e inocente diante de tão vorazes predadoras. As desculpas usadas são muitas: "fez-me perder a cabeça; usava um xale indecente, uma fralda descartável, uma burca...". Enfim, com base neste caso, logo as vítimas terão que indenizar seus algozes
José Roberto Machado (São Paulo, SP)

Ato por Mariana Ferrer organizado pelo PSOL em São Paulo - Cris Fraga


Afora as questões técnicas e jurídicas, o que salta aos olhos foi a falta de empatia e acolhimento com a vítima na audiência veiculada pelas mídias sociais. Mariana passou por um horrendo massacre psicológico. Algo simples e que poderia mitigar o problema seria a escolha de uma promotora ou de uma defensora pública para acompanhar o caso.
Francisco José Bedê e Castro (São Paulo, SP)

*

É inadmissível a decisão da Justiça do estado de Santa Catarina. Não podemos admitir que uma vítima de estupro passe por esse tipo de humilhação e que seu algoz saia ileso de um crime dessa categoria. Não existe na legislação "estupro culposo". Exigimos justiça para Mariana Ferrer.
Regina Pessoti Zagretti, secretária da Mulher da União Geral dos Trabalhadores (São Paulo, SP)

*

Não são o Poder Executivo ou o Legislativo que mais me causam vergonha de ser brasileira, e sim o Judiciário. A frase "cada juiz uma sentença" é velha conhecida de todos os que já tiveram que recorrer à Justiça para ver exercidos os seus, teóricos, direitos. Mas os juízes brasileiros estão a cada dia mais ousados, do Supremo Tribunal Federal à primeira instância. Não precisam mais da Constituição Federal para julgar, pois fabricam suas próprias leis. São reis absolutistas, sem nenhuma vergonha e sem nenhum pudor.
Ana Cristina Emric Melo (São Paulo, SP)

Rachadinha
"Flávio Bolsonaro é denunciado sob acusação de liderar organização criminosa da 'rachadinha'" (Poder, 4/11). Já já Bolsonaro faz uma palhaçada qualquer só para desviar a atenção da ponta desse cometa para salvar o 01 e o Queiroz; porque, se a justiça for feita, será uma explosão... Será que esse dia chegará? Aguardemos as cenas do próximo capítulo.
Mônica de Freitas (São Paulo, SP)

Para quem se elegeu na onda anticorrupção, essa denúncia do MP é um tapa na cara de quem votou nessa família.
Adilson Gallina (São Paulo, SP)

*

Esse pessoal ainda vai perceber que ficar no baixo clero do Congresso teria sido o melhor para manterem-se nas sombras e continuar com seus esquemas. Quiseram mais poder e agora vão ter seus malfeitos expostos.
César Paes (Curitiba, PR)


Eleição nos EUA
"Sem resultado final, Trump se declara vencedor e repete que vai à Suprema Corte" (Mundo, 4/11). Trump e seu jogo institucional desqualificam o processo político, manipulando o eleitorado com a sua falsa impressão de desenvolvimento e modernidade, enquanto, na prática, o racismo, a violência e a intolerância avançam e inspiram outras lideranças. O mundo sabe quais são os resultados da eugenia e do populismo nacionalista.
Flávio Vinícius de Campos (Rio de Janeiro, RJ)

*

Que várzea esse tal de mundo livre, hein?
João Marcos Dantas de Andrade (São Paulo, SP)

*

Que país é esse onde não existe o voto popular?
Joao Paulo Santos (Santo Amaro, BA)

*

"Campanha de Biden diz que declaração de Trump é 'ultrajante' e que apuração 'não vai parar'" (Mundo, 4/11). As eleições nos EUA para presidente são indiretas. Não adianta as agências de pesquisa explicarem isso para os bolsonaristas e deixar claro que vantagens não garantem a vitória. Mas estes vão usar isso para atacar a imprensa, falar de manipulação e teorias da conspiração. As pesquisas só mostram que a vontade do eleitorado não se reflete no resultado. Se fosse assim, Trump nunca teria sido presidente. Infelizmente, democracia é só uma ideia para sonhadores.
Cristiano Jesus (Americana, SP)


Gostaria de aproveitar essa fanfarrice toda do Pato Donald Trump e também me declarar presidente dos Estados Unidos! Não apoiaram aquele pateta do Guaidó na Venezuela?
João Augusto (Sorocaba, SP)

*

No fim da apuração da nossa eleição para presidente em 2014, teve um playboyzinho filhinho de papai e mimado que não aceitou o resultado. O PSDB entrou na onda dele, e logo deram o golpe. Vergonha dos caciques do PSDB não terem tido a honra e a decência de aceitar a vontade do povo. Pagou nas urnas em 2018. Partidinho de engomadinhos e pilantras associados ao Judiciário.
Samuel Fagundes (São Paulo, SP)

O pessoal da direita gosta de mostrar os governos de esquerda como autoritários, desonestos e fraudadores de resultados; e agora, o que me dizem? Que coisa linda... Que exemplo para o mundo.
Mauro Machado Gonzaga (Monte Carmelo, MG)

Vale do Anhangabaú
A reportagem "Alvo de urbanistas, novo Anhangabaú une Russomanno, Boulos e França contra Covas" (Poder, 4/11) é um desserviço ao plano de requalificação do centro. A discussão do Anhangabaú nesse contexto político eleitoral, dominado por uma narrativa simplória, não leva em consideração dados técnicos e conceito adotado. Reduzir a discussão ao número de árvores e valor investido é desconsiderar o potencial econômico, turístico e cultural. O projeto anterior se tornou inadequado pela mudança do conceito de local de passagem para de permanência.
Fernando Chucre, secretário de Desenvolvimento Urbano da Prefeitura de São Paulo (São Paulo, SP)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.