Leitor critica novo ministro da Defesa

Leitor lamenta morte de Agnaldo Timóteo

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Guerra

0
Sem máscaras, Bolsonaro e o general Braga Netto visitam a comunidade no Itapuã, a 24 km do centro de Brasília - Jair Bolsonaro no Facebook


"Sem máscara e ao lado de novo ministro da Defesa, Bolsonaro diz que sua guerra não é política" (Poder, 3/4). Eu vivi para ver um general fazer papel de bajulador de um ex-capitão expulso do Exército por desacato a superiores e conspirar para explodir quartéis. E tudo isso para ficar no poder. Lamentável a cena.
Fábio Cavalcante (Santana de Parnaíba, SP)


Agnaldo Timóteo

O cantor Agnaldo Timóteo em show em Piracicaba (SP) - Divulgação/Sesc Piracicaba


"Agnaldo Timóteo, o homem que tinha sexo na voz, morre de Covid-19 aos 84 anos" (Ilustrada, 3/4). Grande, grande, Agnaldo Timóteo. Continue a sua grandeza em outras dimensões...
Luiz Cláudio Lopes Rodrigues (São Paulo, SP)


Pária
Rodrigo Zeidan está errado quanto à academia ("Pária mundial", Mercado, 3/4). Minhas relações internacionais estão até mais fortes. As sociedades científicas brasileiras se manifestam claramente contra várias medidas deste governo.
Aderbal Silva Aguiar Junior (Araranguá, SC)

É um dos melhores artigos que li nos últimos tempos. Expõe o cenário que estamos vivendo numa perspectiva objetiva em relação à destruição dos "ativos intangíveis" construídos a duras penas.
Cássio Rabello (Brasília, DF)

Embora tenha direito a fazê-lo, eu, com quase 60 anos, nunca pedi meu passaporte italiano. Agora, porém, além de pedi-lo, vou ver como se faz para cancelar o passaporte brasileiro. Estou com vergonha de ser brasileiro.
Carmine Raffaele Arnoni Neto (São Paulo, SP)


Lesa-pátria
"Militares e o crime de lesa-pátria" (Cristina Serra, Opinião, 3/4). No futuro, irão falar: "Tiraram a Dilma por tão pouco, porque o mantiveram no poder? Cumplicidade?". E baixaremos a cabeça de vergonha.
Rafael Moraes (Belo Horizonte, MG)

Até quando essa falácia do "golpe" contra Dilma vai durar?
Carlos Nascimento (São Paulo, SP)

A tragédia humanitária que extermina milhares de brasileiros e deixa milhões com sequelas não pode ficar impune, para que nunca mais se repita. Bolsonaro, Pazzuelo e muitos outros vão pagar pelos seus crimes.
Fátima Marinho (São Paulo, SP)


Lula

Lula toma a segunda dose da vacina contra o coronavírus na manhã de sábado (3) - Reprodução


"Lula perde processo e paga R$ 24,6 mil a defesa de jornalistas" (Poder, 3/4). Os financiamentos do BNDES no governo petista são reais. A presidente esteve na inauguração do porto de Mariel, em Cuba. Também houve obras em Angola, Venezuela, Argentina... O operador deve ter sido o mesmo que fazia viagens e palestras pagas pela empreiteira.
Osmar Silvio Oliveira (Santos, SP)

Só no Brasil alguém pode ser acusado judicialmente por beneficiar empresa brasileira a fazer negócio no estrangeiro. Parece piada. Se é assim tem então de fechar o Itamaraty.
Valdir Teixeira da Silva (São Paulo, SP)

Fazer financiamento pelo BNDES é sempre questionável. Por que não financiou saneamento no Nordeste, que tem só 50% de água tratada e esgotos? Por que não financiou pequenos e médios empresários, que sempre empregam muita gente?
Hamilton Octávio de Souza (São Paulo, SP)


Piedade
Tenham piedade de mim por haver votado em Bolsonaro. Em 2022 pagarei os meus pecados ("Mea-culpa", Tendências / Debates, 2/4).
Vicente Limongi Netto (Brasília, DF)


]Manifesto
"Manifesto de presidenciáveis sinaliza aliança, mas diferenças persistem" (Poder, 2/4). Esse manifesto deveria ser um pedido de desculpa à sociedade. A começar pelo "Pilatos" Ciro Gomes. No segundo turno de 2018, será que esses "democratas" não sabiam do histórico/ficha criminal do ex-capitão? Não conheciam seus projetos para seu clã? Optaram por isso e não por um professor? E não li ainda nada a respeito de uma mea-culpa.
Márcio Barreto (São Paulo, SP)

Seis eleitores de Bolsonaro. Cinco por declaração de voto e um por omissão no segundo turno. Diriam alguns: "Vamos esquecer o passado, olhar para o presente e salvar o país deste desgoverno". Ok, mas entre esses que assinaram o manifesto a maioria insiste em afirmar que o PT é o oposto radical da extrema direita bolsonarista. Mentira.
João Batista de Melo Alves (São Paulo, SP)

Não é hora de ficarmos remoendo o passado. A situação é caótica, o Brasil está sendo destruído por Bolsonaro. Temos de unir todas as correntes lúcidas.
Renato Botelho (Niterói, RJ)


LSN
"STF avalia excluir trecho da Lei de Segurança Nacional usado por Bolsonaro" (Poder, 3/4). O STF, ao excluir brechas na lei que dão margem ao autoritarismo, estará cumprindo seu papel de proteção da Constituição. E tem toda a prerrogativa para isso, pois está claro que Jair Bolsonaro teve a intenção de usar a Lei de Segurança Nacional com finalidade questionável.
Paulo Soares (São Bernardo do Campo, SP)

O STF é complexo, mas essencial ao país. Sem ele, os tons de ditadura que se anunciam com este desgoverno já seriam a única realidade. É natural que o Supremo esteja abarrotado de trabalho, pois o Executivo diariamente desrespeita as regras mais básicas de democracia para sobreviver no lamaçal que ele próprio instaurou.
Maurício Dias (Rio de Janeiro, RJ)


Guedes
"Em queixa a interlocutores, Paulo Guedes fala em entregar o cargo" (Mônica Bergamo, 3/4) Ele percebeu que pode se tornar hoje no Brasil o que Milton Friedman foi no Chile de Pinochet, nos anos 70: um ultraliberal a serviço de ditadores e golpistas militares.
Adriano Ferreira (Goiânia, GO)

Ele está isolado. O mundo deu uma guinada keynesiana em direção às políticas de bem-estar social. Os EUA de Biden, onde Guedes estudou, vão aumentar impostos dos ricos para bancar gastos sociais. O Chile, onde Guedes trabalhou, vai enterrar a Constituição neoliberal de Pinochet e investir pesadamente em políticas sociais e garantias trabalhistas. O jeito é Guedes se mudar para a Hungria e pedir emprego ao Orbán.
Maurício Costa (Belém, PA)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.