Descrição de chapéu Opinião Brian Winter

A imprensa estrangeira e Bolsonaro

Creio que a maior parte de nossas críticas a Bolsonaro tenham origem não na parcialidade mas sim na parte mais importante do trabalho de um jornalista: a observação

Brian Winter

Um amigo me ligou esta semana com uma queixa: "Por que a imprensa estrangeira está sendo tão dura com Bolsonaro?"

É uma pergunta justa, e que tenho ouvido muitas vezes recentemente. E as respostas são complexas —o que pode nos dizer muito sobre o clima dos próximos quatro anos.

Para começar, uma nota pessoal: vivi em São Paulo entre 2010 e 2015 como repórter de uma agência internacional de notícias. Hoje em dia, sou editor chefe de uma pequena revista sediada em Nova York e continuo a escrever regularmente sobre o Brasil, o que inclui artigos recentes alertando sobre o risco que Bolsonaro pode representar para a democracia e os direitos humanos. O que se segue representa minha opinião pessoal apenas, e não tem a intenção de falar por meus colegas.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), fala com a imprensa após almoço com o presidente do STJ, João Otávio de Noronha, em Brasília - Pedro Ladeira - 7.nov.2018/Folhapress

É bom começar por uma autocrítica. Os jornalistas como grupo, quer no Brasil, quer nos Estados Unidos e em outros países, tendem a estar mais à esquerda do que a população em geral, ideologicamente.

Numerosos estudos apontam para esse fato, entre os quais uma pesquisa conduzida em 2014 por professores da Universidade de Indiana que constatou que a probabilidade de que um repórter americano se identifique como democrata é quatro vezes mais alta do que a de que ele se identifique como republicano. O motivo para que isso aconteça é causa de forte debate. Mas acredito que seja justo dizer que os jornalistas se sentem mais inclinados a gostar pessoalmente de Barack Obama ou Fernando Haddad do que de Donald Trump ou Jair Bolsonaro, ainda que muitos deles trabalhem para deixar de lado seus sentimentos pessoais.

Isso posto, creio que a maior parte de nossas críticas a Bolsonaro tenham origem não na parcialidade mas sim na parte mais importante do trabalho de um jornalista: a observação.

No meu caso, estudei Bolsonaro por dois anos. Fiz entrevistas com ele, com seus filhos e com muitos de seus seguidores. E fica claro para mim que o ex-capitão do exército construiu sua carreira em torno da nostalgia pela ditadura, apoio à tortura, redução nas proteções às minorias e aos suspeitos de crimes, e do desejo de permitir que a polícia mate com mais liberdade. Não se trata de declarações "acidentais".

Essas posições são centrais para a identidade dele. Em quase três décadas de vida política, ele sempre foi muito coerente, embora seu tom tenha mudado um pouco, recentemente (o que comentarei abaixo).
Assim, quando escrevo que a presidência de Bolsonaro pode prejudicar as instituições democráticas ou resultar na morte de mais pessoas inocentes, creio que eu esteja refletindo com precisão suas palavras e ideias, como deve um jornalista.

Bem, voltando à essência da pergunta de meu amigo: por que a imprensa estrangeira vem sendo tão dura?
Começarei por descartar uma acusação comum: a de que os estrangeiros não compreendem o Brasil. Sim, aqueles que vêm para uma visita curta muitas vezes escrevem besteiras; se as palavras “samba” ou “país do futuro” constarem do primeiro parágrafo, isso em geral é sinal de problema. Mas o destaque internacional maior que o Brasil obteve nos últimos anos, como produto do boom econômico da década de 2000 e mais a Copa do Mundo e a Olimpíada, produziu uma geração verdadeiramente excelente de jornalistas estrangeiros. Muitos deles viveram no Brasil por anos, viajaram muito pelo país e têm ótimas fontes.

Portanto, o que nos diferencia da mídia brasileira em nossa cobertura de Bolsonaro? Bem, observamos sua ascensão em um contexto mais internacional. Os 10 últimos anos viram o que Larry Diamond, cientista política da Universidade Stanford, define como uma "recessão democrática", com deterioração de instituições e direitos na Polônia, Turquia, Indonésia, Venezuela e muitos outros países. As declarações de Bolsonaro sobre fechar o Congresso ou fazer uma limpeza nunca vista na história dos esquerdistas do Brasil parecem se enquadrar a essa tendência mundial. Jornalistas americanos como eu também tendem a ver ecos de Donald Trump — que Bolsonaro admira abertamente e a quem ele imitou.

É difícil escrever isso, mas as audiências para as quais escrevemos talvez se importem mais com a democracia do que a maioria dos brasileiros em 2018. Uma recente pesquisa do Pew Research Center mostrou que apenas 21% dos brasileiros viam um governo autoritário como ideia "muito ruim" —o resultado mais baixo entre todos os países pesquisados exceto a Rússia (13%) e a Indonésia (10%).

Outras pesquisas mostraram resultados semelhantes. Nossos alertas sobre as instituições e os direitos das minorias são vistos pelos brasileiros, para usar uma palavra que ouvi frequentemente, como mimimi.

Por fim, talvez tenhamos mais liberdade do que alguns de nossos colegas locais. Nas últimas semanas, ouvi queixas diretas de diversos jornalistas brasileiros que afirmam que seus patrões já os estão desencorajando de cobrir Bolsonaro de modo crítico, seja por motivos financeiros, seja por motivos ideológicos. Alguns repórteres estão frustrados, e já começaram a procurar novos empregos.

É importante que os jornalistas continuem a observar Bolsonaro cuidadosamente e que mantenham a mente aberta. Algumas de suas ações e declarações mais recentes indicam que teria adquirido mais respeito pela democracia e pelas instituições, ao se preparar para assumir a presidência. Alguns líderes evoluem ao compreender a seriedade do posto; as instituições brasileiras podem se provar mais fortes do que a maioria dos estrangeiros percebe.

Mas alguns comentários conciliatórios não apagam uma trajetória de quase três décadas. Bolsonaro continua a ter de provar que seu governo será conservador mas não autoritário, ao assumir. Nesse meio tempo, suspeito que boa parte das críticas à imprensa estrangeira vem do desejo de que calemos a boca, vistamos a camisa do time vitorioso e escrevamos apenas coisas positivas sobre o novo governo. Mas não é isso que os verdadeiros jornalistas —de qualquer nacionalidade— fazem. Como disse Katherine Graham, que foi publisher do jornal The Washington Post na era de Watergate, “notícia é aquilo que alguém deseja suprimir. O resto é só publicidade”.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

Brian Winter é editor chefe da revista Americas Quarterly

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.