Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Filho de Bolsonaro ataca ministro, e caso dos laranjas do PSL abre crise no governo

Carlos Bolsonaro chamou Gustavo Bebianno de mentiroso; Folha revelou caso dos candidatos

São Paulo e Brasília

A revela√ß√£o do esquema de candidaturas laranjas do PSL pela Folha provocou uma crise no governo de Jair Bolsonaro, alavancada pelo ataque do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, ao ministro da Secretaria-Geral da Presid√™ncia da Rep√ļblica, Gustavo Bebianno

Nomes importantes da bancada do PSL na C√Ęmara se manifestaram sobre o caso, aumentando a tens√£o no partido, que est√° sob press√£o com a s√©rie de reportagens do jornal sobre o uso de candidaturas laranjas para desviar verba do fundo partid√°rio nas elei√ß√Ķes.

No centro da crise estão o presidente atual do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE), e Bebianno, que presidiu o partido no ano passado, inclusive durante o período eleitoral.

Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) afirmou nesta quarta-feira (13) em rede social que o ministro mentiu ao dizer que conversou tr√™s vezes com seu pai, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), no dia anterior.

‚ÄúOntem estive 24h do dia ao lado do meu pai e afirmo: '√Č uma mentira absoluta de Gustavo Bebbiano [sic] que ontem teria falado 3 vezes com Jair Bolsonaro para tratar do assunto citado pelo Globo e retransmitido pelo Antagonista'.‚ÄĚ

O presidente quer uma solu√ß√£o r√°pida para o caso, discutiu com o ministro e o fez cancelar agendas, o que aumentou a press√£o entre aliados para que Bebianno pe√ßa para sair do governo.

O deputado Alexandre Frota (PSL-SP) afirmou que o seu partido ‚Äún√£o passar√° a m√£o na cabe√ßa de bandido‚ÄĚ. ‚ÄúOntem [ter√ßa (12)], a maioria dos partidos de esquerda que subiram aqui [na tribuna da C√Ęmara] falou que o PSL √© um partido de laranjas. O PSL n√£o √© um partido de laranjas‚ÄĚ, afirmou Frota.

‚ÄúQualquer secret√°rio, deputado, ministro envolvido em qualquer coisa, essa laranja podre vai cair‚ÄĚ, disse.

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) criticou Carlos Bolsonaro pelo ataque feito a Bebianno. "N√£o pode se misturar as coisas. Filho de presidente √© filho de presidente. Temos que tomar cuidado para n√£o fazer puxadinho da Presid√™ncia da Rep√ļblica dentro de casa para expor um membro do alto escal√£o do governo dessa forma", disse Joice.

‚ÄčReportagem da Folha deste domingo (10) revelou que o grupo do atual presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), rec√©m-eleito segundo vice-presidente da C√Ęmara dos Deputados, criou uma candidata laranja em Pernambuco que recebeu do partido R$ 400 mil de dinheiro p√ļblico na elei√ß√£o de 2018. O dinheiro foi liberado por Bebianno.

Maria de Lourdes Paix√£o, 68, que oficialmente concorreu a deputada federal e teve apenas 274 votos, foi a terceira maior beneficiada com verba do PSL em todo o pa√≠s, mais do que o pr√≥prio presidente Bolsonaro e a deputada Joice Hasselmann (SP), essa com 1,079 milh√£o de votos.

O ministro Gustavo Bebianno (Secretaria Geral), que foi presidente nacional do PSL durante a campanha eleitoral
O ministro Gustavo Bebianno (Secretaria Geral), que foi presidente nacional do PSL durante a campanha eleitoral - Eduardo Anizelli/Folhapress

O dinheiro do fundo partid√°rio do PSL foi enviado pela dire√ß√£o nacional da sigla para a conta da candidata em 3 de outubro, quatro dias antes da elei√ß√£o. Na √©poca, o hoje ministro da Secretaria-Geral da Presid√™ncia era presidente interino da legenda e coordenador da campanha de Jair Bolsonaro (PSL), com foco em discurso de √©tica e combate √† corrup√ß√£o.

Apesar de ser uma das campe√£s de verba p√ļblica do PSL, Lourdes teve uma vota√ß√£o que representa um indicativo de candidatura de fachada, em que h√° simula√ß√£o de atos de campanha, mas n√£o empenho efetivo na busca de votos.

A candidatura laranja virou alvo da Pol√≠cia Federal, da Procuradoria e da Pol√≠cia Civil do estado.

Nesta quarta (13), a Folha revelou ainda que Bebianno liberou R$ 250 mil de verba p√ļblica para a campanha de uma ex-assessora, que repassou parte do dinheiro para uma gr√°fica registrada em endere√ßo de fachada ‚ÄĒsem maquin√°rio para impress√Ķes em massa.

O ministro nega irregularidades e diz que cuidou apenas da eleição presidencial.

O PSOL protocolou nesta quarta representa√ß√£o contra o PSL na  Procuradoria-Geral da Rep√ļblica sobre as suspeitas de uso de laranjas em campanhas eleitorais de membros do partido. 

A sigla oposicionista tamb√©m entrou com um requerimento na C√Ęmara para convocar Gustavo Bebianno para esclarecimentos. O pedido enviado pede ainda que o partido governista seja investigado por supostas apropria√ß√£o ind√©bita eleitoral, falsidade ideol√≥gica e lavagem de dinheiro. 

Na semana passada a Folha havia publicado que o atual ministro do Turismo, Marcelo √Ālvaro Ant√īnio, patrocinou um esquema de candidaturas de fachada em Minas que tamb√©m receberam recursos volumosos do fundo eleitoral do PSL nacional e que n√£o tiveram nem 2.000 votos, juntas. Parte do gasto que elas declararam foi para empresas com liga√ß√£o com o gabinete de √Ālvaro Ant√īnio na C√Ęmara.

Ap√≥s essa revela√ß√£o sobre o ministro do Turismo, o vice-presidente, general Hamilton Mour√£o, afirmou que esse caso deveria ser investigado.  A Procuradoria-Regional Eleitoral de Minas Gerais decidiu apurar o caso.

Hospitalizado at√© o final da manh√£ desta quarta-feira, o presidente Bolsonaro ainda n√£o se pronunciou sobre o tema. Ele tem feito declara√ß√Ķes por meio de redes sociais, mas n√£o comentou o assunto at√© o momento.

‚ÄčO ex-juiz Sergio Moro, ministro da Justi√ßa, afirmou, tamb√©m sobre o colega de minist√©rio, que o caso ser√° apurado "se surgir a necessidade".

Ainda na ter√ßa-feira, o ministro negou que esteja protagonizando uma crise no governo Bolsonaro e disse que trocou mensagens sobre o caso com o presidente. 

Tópicos relacionados

Coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.