Das salas à suíte máster, conheça em 20 fotos a sede do Governo de SP

Palácio dos Bandeirantes foi reformado por João Doria (PSDB) em obra polêmica

Fachada do Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi Bruno Santos - 24.abr.19/Folhapress

Carolina Linhares
São Paulo

O Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, passou a ser a sede do governo paulista e também a residência oficial do governador em 1964. O prédio foi construído originalmente para abrigar uma universidade. 

O governador João Doria (PSDB) reformou salões, corredores e a área residencial a um custo de R$ 1,16 milhão do orçamento público. O governo diz que as mudanças eram necessárias para manutenção e não atingiram bens de valor histórico ou artístico. 

 
 

Ministério Público investiga se as modificações causaram dano ao patrimônio público, e o Tribunal de Contas do Estado pediu esclarecimentos.

O projeto da reforma é da designer Jóia Bergamo, amiga de Doria. O governo recebeu R$ 372 mil em móveis e itens de decoração doados por seis marcas de design de interiores. 


CUSTO DA REFORMA ATÉ AGORA: R$ 1,16 MILHÃO

  • R$ 415 mil em pintura
  • R$ 150 mil em pisos 
  • R$ 46 mil em drywall

SEIS MARCAS DOARAM R$ 372 MIL EM ITENS DE DECORAÇÃO

  • R$ 1.273 em um vaso
  • R$ 2.157 em um tapete
  • R$ 616 em uma lixeira
  • R$ 19 mil em um sofá
  • R$ 21,5 mil em uma poltrona
  • R$ 5,8 mil em uma mesa de centro

HISTÓRIA DAS SEDES DE GOVERNO

1912 - Governo de SP compra o Palácio dos Campos Elíseos para usá-lo como residência e sede administrativa.  Foi construído em 1899 para um rico cafeicultor e hoje é cedido ao Sebrae

1964 - Sede  do governo passa para o Palácio dos Bandeirantes. O prédio começou a ser construído em 1955 para abrigar a Universidade Fundação Conde Francisco Matarazzo, mas a obra não foi terminada por problemas financeiros. O palácio foi então desapropriado pelo estado. 

TAMBÉM ABDICARAM DO PALÁCIO

Além de Doria, Paulo Maluf (1979) e Alberto Goldman (2010) preferiram não morar no Bandeirantes

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.