Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Moro não esteve comigo na campanha, diz Bolsonaro após pedido para cuidar de ministro

Ex-juiz da Lava Jato abriu mão da carreira para assumir um "superministério" no governo do presidente

Brasília

Em meio a um desgaste na relação com o ministro Sergio Moro (Justiça), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que o ex-juiz não esteve com ele durante a campanha eleitoral.

A mensagem foi escrita em resposta a um pedido de um apoiador por meio das redes sociais.

"Todo respeito a ele, mas o mesmo não esteve comigo durante a campanha, até que, como juiz, não poderia", escreveu Bolsonaro em sua conta do Facebook.

O comentário foi feito após um seguidor do presidente comentar uma publicação da rede social com a seguinte mensagem: "Jair Messias Bolsonaro, cuide bem do Ministro Moro, você sabe que votamos em um governo composto por você, ele e o Paulo Guedes", escreveu o eleitor. 

Moro abriu mão de sua carreira da juiz, após ganhar repercussão nacional ao conduzir a Lava Jato em Curitiba, para assumir um "superministério" do governo Bolsonaro.

Desde que tornou-se ministro da Justiça, ele vem sofrendo uma série de desgastes, com declarações públicas do presidente que enfraquecem sua autonomia como ministro. 

No sábado (24), Bolsonaro colocou em xeque a carta branca que disse que daria a Moro logo após sua escolha para o cargo de ministro. 

"Olha, carta branca. Eu tenho poder de veto em qualquer coisa, se não eu não sou presidente. Todos os ministros têm essa ingerência minha e eu fui eleito para mudar. Ponto final", disse, ao deixar o Palácio da Alvorada. 

O presidente disse não ter nenhum problema com Moro, em meio a um enfraquecimento do titular da Justiça. "Não tenho problema nenhum com o Moro. Cada hora levantam uma coisa. Uma hora era Marcelo Álvaro Antonio [Turismo], o Onyx [Casa Civil] também", disse. 

Moro esteve nesta segunda-feira (26) na Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro, epicentro da crise entre o órgão e o presidente, e continuou em silêncio sobre os sucessivos movimentos de interferência de Bolsonaro na PF.

O ministro da Justiça esteve no prédio da superintendência por cerca de uma hora e meia e recusou-se a falar com a imprensa.

Há cerca de dez dias, Bolsonaro atropelou a Polícia Federal e anunciou a troca do superintendente do Rio, sugerindo até um nome para a mudança.

A interferência na PF é apontada internamente como a mais emblemática da falta de poder do ex-juiz no cargo atual, mas episódios com teor semelhante se acumularam ao longo de mais de oito meses de governo.

A PF é subordinada a Moro, que também se enfraqueceu com a divulgação de mensagens que mostram sua atuação em parceria com os procuradores em diferentes processos da Lava Jato e que colocaram em xeque sua atuação como juiz federal.

Moro ainda tem sofrido seguidas derrotas no Congresso, onde tramita o pacote de medidas anticrime encaminhado por ele no início do governo.

Quando confirmou o convite ao então juiz federal, em novembro de 2018, Bolsonaro disse em entrevistas que tinha combinado com Moro que ele teria "liberdade total" para atuar no combate à corrupção e ao crime organizado.

Colaborou Ana Luiza Albuquerque, do Rio de Janeiro

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.