Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Barroso diz que aval para PF agir contra líder do governo foi técnico e republicano

Contrariando posição da PGR, ministro do STF atendeu pedido da Polícia Federal e virou alvo de críticas do presidente do Senado

Daniel Carvalho
Brasília

Criticado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal) disse na noite desta quinta-feira (19) que sua decisão de autorizar buscas e apreensões em endereços do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e do filho dele, o deputado Fernando Filho (DEM-PE), foi técnica e republicana.

Alcolumbre informou nesta tarde que o Senado vai questionar oficialmente o STF sobre a operação desta manhã.

Contrariando a posição da então procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que se manifestou contrária à ação, Barroso atendeu a um pedido da Polícia Federal e emitiu decisão em 9 de setembro autorizando a ação no Distrito Federal e em Pernambuco.

 O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que autorizou ação da PF contra o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE)
O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que autorizou ação da PF contra o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) - Pedro Ladeira - 28.nov.2018/Folhapress

O posicionamento da PGR (Procuradoria-Geral da República) foi um dos principais argumentos da defesa do líder do governo no Senado e do deputado federal.

"A decisão executada na data de hoje [quinta], inclusive nas dependências do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, foi puramente técnica e republicana, baseada em relevante quantidade de indícios da prática de delitos. Ainda assim, não envolveu qualquer prejulgamento. Só faço o que é certo, justo e legítimo", argumentou Barroso em nota.

A Polícia Federal sustenta que o líder do governo no Senado recebeu R$ 5,5 milhões em propinas de empreiteiras encarregadas das obras de transposição do rio São Francisco e de outros contratos do Executivo federal. 

A negociação e o repasse dos valores teriam ocorrido de 2012 a 2014. De 2011 a 2013, Bezerra Coelho foi ministro da Integração Nacional na gestão de Dilma Rousseff (PT) e integrava o PSB. 

Já Fernando, ex-ministro de Minas Energia de Michel Temer (MDB), teria recebido R$ 1,7 milhão.

As investigações da PF se deram a partir das delações premiadas de empreiteiros e dos empresários João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho, Eduardo Freire Bezerra Leite e Arthur Roberto Lapa Rosal.

As apurações sobre Lyra começaram após a PF descobrir, na Operação Turbulência, que ele era o dono do avião que caiu em 2014, matando o ex-governador pernambucano e então candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos.

No decorrer do inquérito, a polícia diz ter identificado supostas operações financeiras ilícitas das empresas dele. 

Lyra e os outros dois colaboradores contaram ter feito o “pagamento sistemático de vantagens indevidas” a Bezerra Coelho e ao filho dele por ordem das empreiteiras OAS, Barbosa Mello, Paulista e Constremac Construções, envolvidas nas obras da transposição e em outros projetos do governo federal. 

Executivos da OAS fizeram delação e confirmaram as ilicitudes apontadas pela PF.

A pasta da Integração, quando comandada por Bezerra Coelho, era a responsável pelos canais que levam água do rio São Francisco para outras regiões do semiárido. 

Para ocultar a origem ilícita dos recursos, pai e filho teriam se valido de operações de lavagem de dinheiro.

A defesa do senador e do deputado disse que causa estranheza que “medidas cautelares sejam decretadas em razão de fatos pretéritos que não guardam qualquer razão de contemporaneidade com o objeto da investigação”.

O ministro do STF argumentou que "a providência de busca e apreensão é padrão em casos de investigação por corrupção e lavagem de dinheiro. Fora de padrão seria determiná-la em relação aos investigados secundários e evitá-la em relação aos principais".

Barroso disse também que, a pedido do Legislativo, o STF já decidiu que somente ele pode determinar a busca e apreensão no Congresso em investigação relacionada a parlamentares.

"A decisão segue rigorosamente os precedentes do Tribunal", disse o ministro.

Ao criticar a decisão de Barroso, o presidente do Senado argumentou, assim como a defesa dos parlamentares, que a operação desta quinta tinha como foco ações ocorridas quando Bezerra Coelho não era senador, muito menos líder do governo. O ministro do STF discordou da argumentação.

"No caso concreto, na fase em que se encontram as investigações, os indícios se estendem a períodos em que senador da República e deputado federal exerciam essas funções parlamentares. Em princípio, portanto, está caracterizada a competência do Supremo Tribunal Federal. E mesmo que se venha a declinar da competência mais adiante, a providência hoje executada só poderia ser ordenada por este Tribunal."

Na nota, o ministro rebateu outro argumento levantado por Alcolumbre mais cedo, o de que a decisão contraria o esforço que o Senado vem fazendo ao longo deste ano para evitar uma crise entre Legislativo e Judiciário. O presidente do Senado tem segurado todos os requerimentos de criação de comissão parlamentar de inquérito para investigar integrantes do Supremo, a CPI da Lava Toga.

"A investigação de fatos criminosos pela Polícia Federal e a supervisão de inquéritos policiais pelo Supremo Tribunal Federal não constituem quebra ao princípio da separação de Poderes, mas puro cumprimento da Constituição", encerra Barroso.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.